Pesquisar este blog

sábado, 9 de abril de 2016

Magnólia Blues Band - Capítulo 1 - Um Desafio por Semana - Por Luiz Domingues






Iniciando essa história recente, na minha autobiografia...
O Kim Kehl comunicou-nos logo no primeiro show dos Kurandeiros em 2014, que o proprietário do Magnólia Villa Bar estava fazendo-lhe uma proposta nova.
Ele sugeriu que a base dos Kurandeiros, estabilizada como Power Trio àquela altura dos acontecimentos, com Kim Kehl; Carlinhos Machado, e eu, Luiz Domingues, uníssemo-nos a ele, toda quarta-feira, e juntos, com ele mesmo atuando como tecladista, que apresentássemo-nos como um quarteto, o "Magnólia Blues Band", trazendo a cada quarta, uma convidado da cena do Blues brasileiro. O Kim ponderou que não haveria nenhum prejuízo à agenda dos Kurandeiros em outros shows, a não ser ali mesmo no Magnólia Villa Bar, onde a rotina era a de tocar uma quarta por mês, aliás, rotina essa que perdurava bem antes da minha entrada na banda em 2011. 



O Carlinhos Machado aceitou de pronto, visto que para ele que tocava em seis bandas naquela ocasião, acumular uma eventual sétima banda não mudaria muito a sua vida agitada de músico, com shows pela noite quase diariamente. Quem relutou um pouco fui eu mesmo, e explico. Argumentei ao Kim e Carlinhos, que uma coisa era a paciência e companheirismo que tiveram comigo desde o início, relevando minha demora em adaptar-me à banda, por algumas razões já explicadas no capítulo de minha participação com Os Kurandeiros.



Entre elas, o fato de eu não ter escola de Blues, e por conta disso, ter demorado a entender esse universo que parece fácil aos ouvidos menos atentos, mas tem muitos maneirismos, e em cima dessa prerrogativa, talvez os tais convidados, gente da cena do Blues, não tivessem a mesma paciência, e pudessem acontecer climas desagradáveis em cima do palco. Claro que ambos desqualificaram os meus temores, e incentivaram-me a não pensar dessa forma derrotista, digamos, e que eu era capacitado para fazer parte do projeto, etc. Enfim, como já salientei muitas vezes no capítulo dos Kurandeiros, a tal da "atitude jazzística", em fazer shows calcados em puro improviso, sem ensaios prévios, não era o meu modus operandi.



Não preparei-me para agir assim na carreira, e pelo contrário, minha história foi calcada quase 100% na atuação em bandas autorais, portanto, a minha orientação pessoal como músico, sempre foi a de tocar só o que eu mesmo criava. Com o respaldo dos companheiros, mas um tanto quanto ressabiado, aceitei participar do projeto, mesmo que em tese, estivesse acumulando mais uma banda na minha vida, de forma simultânea, o que era algo também pouco provável de acabar bem, pois um conflito de agenda poderia ocorrer a qualquer instante. Naquela altura, janeiro de 2014, estava beirando completar 38 anos de carreira, e nessas quase quatro décadas de atuação, só em poucos momentos tive problemas dessa monta. Todavia, mesmo assim, foram no início de carreira, e o acúmulo era composto por situações tão incipientes, que mesmo quando chocavam-se, não tinham a gravidade que pudesse justificar um constrangimento muito grande. A pior situação que eu vivera na carreira, foi ao final de 1983, quando aceitei voltar ao Língua de Trapo, mesmo estando muito firme com A Chave do Sol, que inclusive, ensaiava dar passos importantes na sua trajetória, começando a deixar o anonimato. Fora disso, algumas situações anteriores foram realmente bem menos graves. Agora, 2014, eu estava nos Kurandeiros; teoricamente fazia parte do "Nu Descendo a Escada", de Ciro Pessoa; e fazia parte do Pedra, que voltara em 2012. Acumular o Magnólia Blues Band poderia parecer uma loucura total, mas analisando bem, não seria assim tão insano, senão vejamos :



1) O MBB era um desdobramento direto dos Kurandeiros, portanto, nunca haveria um choque de agenda entre as duas bandas, só por minha causa, mas curiosamente, os Kurandeiros jamais tocariam na mesma data, por razões óbvias...

2) O mesmo equivaleria ao Nu Descendo a Escada, pois eu e Kim éramos das duas / três bandas, e em breve ficaríamos ainda mais confortáveis, pois o Carlinhos Machado também ingressaria no "Nudes", portanto, as três bandas teriam o mesmo núcleo base de baixo; bateria, e guitarra.

3) Sendo assim, o choque em potencial, poderia ocorrer apenas com o Pedra.

Mas no calor dos acontecimentos daquela momento, o Pedra estava empenhado em gravar o novo disco, e o "Nudes" estava parado em estado de hibernação, que só quebrar-se-ia em abril. Então, o que parecia uma loucura total, acabou revelando-se plausível, e dessa forma, com todos aceitando o desafio, o primeiro convidado da Magnólia Blues Band, foi Chico Suman. Fiquei ainda mais aliviado, pois conhecia-o, e sabia que não teria nenhum problema em tocar com ele, muito pelo contrário.
Além de ser um rapaz excepcional e grande guitarrista e vocalista, era um conhecido, e sua banda "Suman Brothers Band", onde atuava o seu irmão, Vitor Suman, como baixista, tinha um segundo guitarrista que era o Diogo Oliveira, nosso amigo de anos, e apoiador do Pedra, tendo inclusive feito a capa do CD "Pedra II", além de diversos cartazes de shows; cenários de shows ao vivo, e até intervenções ao vivo como artista plástico, fora ter gravado uma cítara na canção "Projeções", do mesmo disco em que criou a capa. 



              O excepcional guitarrista e vocalista, Chico Suman

Enfim, ter Chico Suman como primeiro convidado era uma certeza de que seria uma noite muito bacana para todos, e uma possibilidade do projeto deslanchar. E particularmente, senti-me muito mais seguro por saber que não teria nenhuma preocupação em subir ao palco e tocar, pois tratava-se de um amigo que eu tinha certa liberdade, portanto, não havia nenhuma possibilidade de haver alguma dificuldade com o convidado. E lá fomos nós : 15 de janeiro de 2014...

Mais aliviado por saber que o primeiro convidado seria um amigo, fui confiante para tal estreia, sem nenhum temor de que poderia haver climas desagradáveis com bluesman "exigentes" e / ou maneirismos de um métier do qual não pertencia necessariamente.
A dinâmica dessa primeira noite foi igual à de quase todas as noites em que os shows posteriores aconteceriam doravante. O convidado escolhia algumas músicas de seu repertório com alguns dias de antecedência, sendo que a maioria das músicas do set list ficou determinado como repertório fixo do MBB, baseado no repertório regular dos Kurandeiros.

Kim Kehl & Chico Suman em ação, no show de estreia da banda / projeto Magnólia Blues Band. Foto : Lara Pap 

No caso do Chico Suman, quando cheguei ao Magnólia Villa Bar, ele já estava presente com sua clássica guitarra Gibson 335 e seu amplificador. Mesmo sem conhecer esse universo do Blues como o Kim Kehl, fui acompanhando do meu jeito, criando minhas linhas na hora, da base do improviso total, e baseado na minha visão particular de tal estilo, muito mais centrada pela maneira rocker de bandas que influenciaram-me, do que nas versões originais dos bluesman do passado.



  
"Route 66" com a Magnólia Blues Band + Chico Suman
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=ANluF-AOXfY

Quanto ao Chico, não era novidade para o meu conhecimento, tem um estilo robusto, com várias influências mescladas. Fã de Blues e Rock'n Roll, tem também uma forte carga de influência do Folk e Country americanos, enriquecendo sua musicalidade.

Tocou e cantou com grande desenvoltura, abrilhantando a noitada e dando um "starting" para o projeto, muito além de nossas expectativas.


"Hootchie Cootchie Man" com a Magnólia Blues Band +Chico Suman

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=PsE3j-Nf01g&nohtml5=False

15 pessoas assistiram essa performance inaugural da MBB com Chico Suman, um número reduzido em outras circunstâncias, porém, "alto" para os padrões daquela simpática casa noturna, que dedicava as noites de quarta para o Blues, mas lotava mesmo era nos finais de semana quando o samba e a gafieira atraiam multidões, normalmente.
"Done Something Wrong" com a Magnólia Blues Band + Chico Suman
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=dwbdUz8Fb0k&nohtml5=False

Foi assim, portanto, a primeira noite do projeto, com o guitarrista Chico Suman, da "Suman Brothers Band, sendo o primeiro convidado. Aconteceu no dia 15 de janeiro de 2014, quarta-feira. O próximo convidado seria um outro velho amigo : Carlinhos "Jimi", que eu conhecia desde 2001, como um amigo próximo da Patrulha do Espaço, banda onde encontrava-me na ocasião.



Kim Kehl & Carlinhos "Jimi", na segunda noitada da "MBB", em 2014

No dia 22 de janeiro de 2014, recebemos Carlinhos "Jimi" Jr., um velho amigo nosso. Eu e Carlinhos Machado o conhecíamos há muito tempo, por vias diferentes.

No meu caso, eu o conhecera em 2001, através do Junior, baterista da Patrulha do Espaço, que por sua vez fora-lhe apresentado pelos irmãos Brandini, músicos e envolvidos com automobilismo, sendo donos de uma bela e sofisticada oficina mecânica, que além dos serviços normais em carros de passeio, prepara carros para competições (Márcio Brandini pilotava e liderava a Scuderia Brandini em provas de "arrancada" no circuito oficial da categoria, embora nos dias atuais, 2016, viva na Austrália). Carlinhos  "Jimi" Jr. era (é) amigo pessoal dos Brandini e tornou-se nosso amigo também.

Aliás, desde então, Márcio Brandini é meu mecânico de confiança, e já salvou-me inúmeras vezes com panes esporádicas de meu carro. Sendo que agora, quem cuida de meu carro é seu irmão, Ricardo Brandini, que assumiu a oficina, sozinho. E vale ressaltar que ele atende muitos músicos amigos, muitos mesmo, e sua oficina localizada no bairro do Cambuci, é sem dúvida a oficina mecânica mais Rock'n Roll de São Paulo, comandada por ele e seu irmão, Ricardo "Magrão" Brandini, que cuida da parte financeira do negócio.

Só mais um adendo, os Brandini restauram carros vintage, e fazem um trabalho fantástico nesse nicho de colecionadores de carros antigos. Enfim, o Carlinhos apareceu na vida da Patrulha do Espaço, nessas circunstâncias.

Guitarrista da pesada, ganhou a alcunha de "Jimi", por sua brutal influência de Jimi Hendrix, e de fato, ele executa  Hendrix com muita desenvoltura, e mesmo tocando vários estilos e tendo feito parte de bandas (incluso a "Trupi", banda de apoio de Gerson Conrad - Ex-Secos & Molhados"), acabou montando a banda Tributo, "Stone Free", com quem apresenta-se regularmente tocando o repertório de Jimi Hendrix.

É também um técnico de informática muito competente e já salvou-me várias vezes por defeitos no meu computador, e sei que já deu suporte para vários amigos meus. Pelo lado do Carlinhos Machado, havia também uma proximidade muito grande por conta dele ter tocado na "Trupi", banda onde Carlinhos tocava, também, acompanhando Gerson Conrad. Portanto, quem menos conhecia-o era o Kim Kehl, e o próprio dono do Magnólia e tecladista, Alexandre Rioli.

Fiquei muito contente por saber que ele seria o novo convidado, pois além da amizade, sabia que seria uma noitada quente, com Hendrix rondando-nos, fazendo com que os Blues soassem mais ácidos. 
"Little Wing" com a Magnólia Blues Band + Carlinhos "Jimi" Junior

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=lyn4En-dvq0

E não deu outra, foi uma noitada prazerosa ao extremo, quando divertimo-nos tocando o set list básico da MBB, mas acrescentando vários temas especiais para a noite e claro, Hendrix para tornar a noitada mais Rock do que Blues, pela pegada. Uma versão de "Rock'n in the Free World", do "Crazy Horse", deve ter batido todos os recordes de longevidade, mesmo considerando que essa banda histórica e liderada por Neil Young, tem por característica a execução de músicas muito além de sua duração normal...
Acho que ficamos quase 30 minutos executando-a, num revezamento de solos entre Carlinhos e Kim, além do Alexandre aos teclados. 

"While my Guitar Gently Weeps" com a Magnólia Blues Band + Carlinhos "Jimi"Junior

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=GeOhSeF3xbc 

Em suma, foi muito divertida a noitada, mesmo que com baixa frequência de público, infelizmente.

O próximo convidado seria Ivan Marcio, este um desconhecido para todos, pessoalmente falando, mas bastante famoso na cena do Blues brasileiro, como cantor, gaitista e guitarrista.


O excelente Ivan Marcio à gaita, na terceira noitada da MBB, em 2014

Foi o primeiro contato que tivemos com alguém que era famoso no meio do Blues, mas que não era conhecido nosso pessoalmente (tocando com os Kurandeiros, já haviam aparecido grandes figuras da cena blues para tocar conosco, como Marcos Ottaviano, e Amleto Barboni, por exemplo). Se nas duas primeiras semanas tivemos amigos, e a camaradagem era natural, com Ivan Marcio, havia um certo gelo inicial, formal e normal.  

Contudo, simpático, ele tratou de derretê-lo, com uma atitude amigável no convívio e sobretudo no palco, ainda que sem grandes exageros. Mostrando-se detalhista e exigente, a cada música proposta por ele, falava sobre o estilo de interpretação a ser imprimido, demonstrando seu vasto conhecimento dos meandros do Blues. Eu e Carlinhos mal entendíamos o que ele estava pedindo, e nem mesmo o Kim, que tem bastante conhecimento desse universo, sabia dessas minúcias dignas de um expert no assunto. 

Foi uma apresentação bacana, e claro que ele executou sua gaita com bastante desenvoltura, trazendo seu arsenal de instrumentos em vários tons, coisa típica dos gaitistas, e amplificador e microfone especiais para tal uso. Seu vozeirão também chamou-nos a atenção, demonstrando ser um cantor de qualidade. Eu não sabia na ocasião, mas ele também é um bom guitarrista, mediante vídeos que assisti tempos depois, mas nessa noite, apresentou-se apenas como cantor e gaitista. 
"Black Night" com a Magnólia Blues Band + Ivan Marcio

Eis o Link para assistir no You Tube :

https://www.youtube.com/watch?v=_UEtJwKrsug

Na conversa que tivemos no intervalo e ao final da apresentação, ele contou-me que visita com frequência os Estados Unidos, e a cena de Blues de Chicago está debilitada, atualmente, o que causou-me espanto, pois inocentemente, sempre achei que o Blues era um estilo imune aos modismos da música mainstream. Mas com essa informação do Ivan Marcio, esse conceito ficou abalado. 

"Chicken Shack" / "Up and Down the Avenue" com a Magnólia Blues Band + Ivan Marcio

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=5SAeY_qbVUo 

Indo além, ele falou-me que o Hip Hop está acabando com o Blues e outros estilos clássicos da música americana, e isso terá num médio / longo prazo, consequências terríveis. Fiquei obviamente consternado, mas fazer o que, não é ?  

Assim foi a noite de 29 de janeiro de 2014, com baixa frequência na casa, talvez coadunando-se com a previsão tétrica de Ivan Marcio sobre o futuro do Blues. O próximo convidado seria Wagner Andrade, um guitarrista e cantor de pegada mais Rocker, talvez no estilo do Carlinhos "Jimi" Jr.


Eu diria que a experiência de tocar com os Kurandeiros de Kim Kehl há mais de dois anos nessa altura em que as atividades da Magnólia Blues Band iniciaram-se, já havia adicionado-me uma bagagem extraordinária nessa área do Blues, que nunca foi de minha predileção, embora também, sempre foi de meu respeito. Claro que a perspectiva de acompanhar um artista dessa cena a cada quarta, com pegada, estilo e bagagem diferente uns dos outros, deu-me um acréscimo muito grande nessa perspectiva de aprofundar-me nesse universo que é imenso.

E assim chegou a quarta edição da "Quarta Blues" do Magnólia Villa Bar, onde recebemos o guitarrista Wagner Andrade.
O Kim já havia alertado-nos para o fato dele ser um guitarrista de orientação mais Rocker, portanto mais próximo de nossas raízes, e que fatalmente seria uma noite mais pesada.

Kim Kehl & Wagner Andrade em ação, quarta noitada da MBB em 2014
 
De fato, Andrade trouxe mais veia rocker e a noite foi mais parecida com a que tivemos com o Carlinhos "Jimi" Jr., e em alguns momentos tivemos até picos de euforia, com o ímpeto de um show de Rock.
"Old Times Rock'n Roll", com Wagner Andrade como nosso convidado
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=g5TnmOzU0kM

Fora o repertório base do MBB, ele propôs alguns clássicos do Rock, onde até o Led Zeppelin foi lembrado e claro, divertimo-nos muito.

Extremamente simpático, tornou a noite agradável para nós, pela camaradagem e também pela sua técnica muito boa a guitarra, pilotando com desenvoltura a sua Fender Stratocaster.
"Crossroads" com a Magnólia Blues Band e Wagner Andrade

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=lPSz6OODv5c

 
Na conversa do intervalo, falou-nos sobre o estúdio que possui na zona sul de São Paulo, as gravações que ali ocorrem etc. Em suma, foi uma ótima participação, que ocorreu no dia 5 de fevereiro de 2014.


Da esquerda para a direita : Alexandre Rioli (aos teclados); Kim Kehl & Duca Belintani
 
O próximo convidado da Magnólia Blues Band, seria Duca Belintani, um ótimo guitarrista da cena do Blues brasileiro. 


Aparentemente tímido, mostrou-se bem comedido no início da apresentação, mas logo foi ambientando-se, a medida que notava que nós éramos receptivos e hospitaleiros.
"Going Down", com Duca Belintani abrilhantando a noite da "Quarta Blues"

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=GFHEcI2MKDQ
 

Portanto, com o gelo quebrado, a performance e a diversão garantiram-se. 

"Southbound" na interpretação de Duca Belintani ao lado da Magnólia Blues Band

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=7Mof17yHmrQ 

A noite de 12 de fevereiro de 2014 foi quente como espera-se de uma noite de verão, e o show de Blues e Rock'n Roll, idem.

No repertório e na pegada, Duca mostrou-se muito bem versado, exatamente dentro do que esperava-se, e sua guitarra bem tocada, era / foi irrepreensível. 


"Crossroads" na interpretação de Duca Belintani conosco. Interessante como essa versão da mesma música que tocáramos com Wagner Andrade na semana anterior, mostra-se diferente, com andamento mais lento, e mais próximo do Blues tradicional

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=rZlTKa_097k

Com a "ardência" típica da Fender Stratocaster, criou uma atmosfera contrastante e complementar ao Kim que nessa noite usou Gibson SG e assim, o som ficou rico.

Na foto, segurando um copo na extrema direita, Fernando Ceah, vocalista e guitarrista da banda Pop Rock, "Vento Motivo", que apareceu para uma participação especial. Ao seu lado, o convidado oficial dessa noite, Duca Belintani

Ao final, confraternizamo-nos com a certeza de termos feito uma grande noitada de Blues e Rock'n Roll. Na semana seguinte, uma dupla participaria conosco, Rui Bueno e Lincoln Mugarte.

       Da esquerda para a direita : Rui Bueno & Lincoln Mugarte

A novidade na noite de 19 de fevereiro de 2014, portanto, foi a presença de uma dupla de convidados, quebrando a predisposição usual em ter apenas um convidado a cada noite. Desta feita, os convidados eram Lincoln Mugarte e Rui Bueno, respectivamente guitarrista e vocalista de uma banda famosa da cena blues brasileira, o "Mr. Mojo", e que trouxeram, além de seu entrosamento natural como companheiros de banda, opções diferentes de repertório.

Claro, para o Kim era uma "moleza" tocar tais canções clássicas do cancioneiro do blues, mas no meu caso que nunca tive grande familiaridade com o gênero, apesar de serem temas recorrentes desse universo, em sua maioria soavam com caráter inédito para a minha percepção empobrecida de tal repertório, e assim, tive que observar com atenção os movimentos nos braços das guitarras do Kim e Lincoln, "caçando" a harmonia das músicas propostas, mas nada catastrófico, no entanto.
"Let Me Love You"com Rui Bueno & Lincoln Mugarte, nossos convidados
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=qNBYZZhOTb0

Fora uma bola na trave ou outra, acho que não comprometi a noitada e foi, como houveram sido as anteriores, uma jornada muito boa.


"You Don't Love Me", uma proposta do Lincoln Mugarte, ali na hora de improviso
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=jzohfRMboPg

Desta feita o público foi um pouquinho melhor e a explicação, além das presenças dos convidados, era o forte calor de verão que estimula as pessoas a saírem mais de casa, apesar de ser uma quarta-feira, um dia difícil para a maioria que labuta cedo na quinta etc e tal.


 
Já bem mais confiante de que independente de qual convidado chegasse, eu não seria surpreendido violentamente, pois já estava mais ambientado ao mundo do Blues, a Magnólia Blues Band recebeu o guitarrista Rodrigo Batello.

Kim Kehl & Rodrigo Batello em mais uma noitada da MBB em 2014
 
Muito comunicativo, ambientou-se natural e tranquilamente, e até protagonizou um momento engraçado quando ficou repetidamente ironizando o Rick Wakeman, num contexto onde falou-se sobre tecladistas, e ele enfatizou que gostava de qualquer tipo de música, com exceção de Rick Wakeman, que alegava detestar...
"Tulsa Time" com Rodrigo Batelo e a Magnólia Blues Band
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=x9evcsSMQVY

Bem, não penso igual e claro que como fã do Prog Rock setentista, gosto do Rick Wakeman, de uma forma ampla, com ressalvas a alguns trabalhos solo menos inspirados, mas aí, é difícil apontar um artista que não tenha cometido deslizes em carreiras longas.

"Worried Life Blues", um blues sensacional com Rodrigo Batello e a MBB em ação
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=hTtvKGtTZoM


Enfim, no que interessa realmente aqui, a performance de Rodrigo Batello foi muito boa, exatamente como esperávamos, tornando a noite do Quarta Blues, muito prazerosa.
"Texas Flood" com a canja do amigo Cris Stuani na guitarra e voz
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=nnhZZ9Q5AqU 


Ainda nessa noite, dois amigos apareceram para participações inesperadas, Edu Dias (voz e gaita), e Cris Stuani (voz e guitarra).
Lógico, melhorou ainda mais a qualidade da apresentação.

Aconteceu na noite de 26 de fevereiro de 2014. Dando uma pausa para o carnaval, a quarta de cinzas não teve edição do projeto, e a posterior, também não por um impedimento operacional da casa, mas na outra semana, voltamos à carga. Era 12 de março de 2014, e desta feita o convidado seria Marceleza Bottleneck.

Uma dos maiores especialistas em Slide Guitar do Brasil, o excelente Marceleza "Bottleneck", em ação com a MBB, numa foto de Lincoln Baraccat

Mais um caso raro onde eu conhecia o convidado, pois tratava-se de alguém de um outro mundo onde eu transitava normalmente que não o do Blues em exclusividade, como estava lidando agora.

Marceleza era / é guitarrista da banda "Cracker Blues", que apesar de ser muitas vezes caracterizada como uma banda de Blues, mais transitava no mundo do Rock, sendo bastante próxima de uma cena paulistana dos anos 2000, companhia de bandas como o "Tomada"; "Baranga"; "Carro Bomba"; e até o "Pedra". Então, já conhecia e tinha boa comunicação com ele, certamente.
"Little Red Rooster", com Marceleza atacando com seu bottleneck tradicional
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=gIjzhnox8Z8 


Como seu nome artístico sugere, sua especialidade é o uso do Bottleneck, ou slide, como queiram, que trata-se de um recurso muito usado no Blues além de que solidificou tal influência no "Southern Rock", e sendo mais preciso, se é possível escolher uma rotulação para o trabalho da Cracker Blues, creio que a escola do Southern Rock é a que mais encaixa-se para eles, se visto sob o viés do Rock.

"Key to the Highway" com Marceleza Bottleneck e a Magnólia Blues Band
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=7py-jHkVUn0


Claro que foi uma noite marcada pela absoluta informalidade, com Marceleza 100% a vontade com todos, cativando pelo seu astral leve, sempre brincalhão e alto astral.
Acompanhando-o, estava o também músico (guitarrista), Lincoln Baraccat. Ele não teve participação tocando, mas interagiu bastante, com seu temperamento brincalhão, também. Lincoln, para quem não sabe, é fotógrafo profissional e tem trabalhos relevantes nesse campo, principalmente cobrindo shows internacionais. Mas tem também uma participação importante na história do Rock Brasileiro, tendo inclusive assinado fotos promocionais de muitas bandas, caso da Patrulha do Espaço em seus anos iniciais, e com direito a fotos que entraram em capas e encartes de discos. Quando eu estava na Patrulha do Espaço como componente, o Junior falava muito dele e numa certa ocasião, bem no começo de nossas atividades em 1999, cheguei a ir com o Junior em sua residência para tratarmos de uma possível sessão de fotos promocionais, mas um empecilho de última hora fez com que tal reunião não ocorresse, e a sessão não ter acontecido, mas já ouvia falar de seu trabalho, há muito tempo.

Nessa noite em que esteve no Magnólia Villa Bar, fez vários clicks, naturalmente.

A cantora de voz potente, Anete Santa Lúcia, que apareceu na mesma noite em que o convidado oficial era Marceleza Bottleneck
 
E mais uma surpresa ocorreu, quando apareceu na casa a cantora Anete Santa Lúcia, que teve uma participação e mostrou seu potencial com um vozeirão e tanto. Algumas semanas depois, ela seria a convidada oficial, naturalmente.

Da esquerda para a direita : Luiz Domingues; Kim Kehl; Alexandre Rioli; Anete Santa Lucia; Marceleza Bottleneck; Lincoln Baraccat, e Carlinhos Machado

Em click de Lincoln Baraccat, o ótimo cantor, Adriano Segal, na noitada com a MBB
 
Era o dia 19 de março de 2014 e mais uma noitada do projeto Quarta Blues aguardava-nos. Desta feita, o convidado especial seria Adriano Segal, um cantor de voz potente, boa presença de palco e uma característica especial : estava habituado a fazer apresentações homenageando o Rei do Rock, Elvis Presley.

Com um histórico longo nesse sentido, fazendo shows tributo, claro que tinha o cacoete do velho Presley, e assim, foi uma noite bastante divertida, onde tocamos vários clássicos do repertório desse grande ícone cinquentista, mas também blues; country e Rock'n Roll não necessariamente a ver com o Rei do Rock. Como pessoa, Segal mostrou-se extremamente simpático e cordial. 
"Trouble", com Adriano Segal e a Magnólia Blues Band
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=eOpyEZzPG8g:

Digno de nota, a presença de um fã-clube seu, que acompanha-o normalmente em suas apresentações pela noite paulistana. 
Predominantemente feminino, para a sua sorte, vibrou com a aparição de Segal ao microfone.

"Reconsider Baby", na interpretação de Adriano Segal e a Magnólia Blues Band
 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=hEEuTa2QPNA


Sua postura de palco foi bem bacana, e mesmo esforçando-se para não exagerar em imitar os trejeitos do Elvis, pois ali não era um show tributo propriamente dito, é claro que o mise-en-scené do Rei do Rock já estava impregnado na sua performance pessoal, e assim, mesmo sendo discreto, deu para perceber tal gestual, em algumas passagens.

Todas as fotos da apresentação com Adriano Segal são de Lincoln Baraccat

Edu Dias apareceu para uma participação sempre bem vinda, trazendo sua gaita e performance divertida na comunicação com o público. Na semana subsequente, o convidado foi Xando Zupo...

O grande Xando Zupo interagindo com Kim Kehl numa noitada da MBB
 
Meu amigo e companheiro do "Pedra", claro que seria um prazer ter sua presença ali, e eu esperava que tal participação movimentasse um certo público do Pedra pelo caráter inusitado de dois membros dessa banda estarem atuando numa circunstância diferente, contudo, não foi o que ocorreu, uma pena. Todavia, isso em nada prejudicou a performance da banda, e do Xando, portanto, divertimo-nos muito, naturalmente.
"Train Kept a Rollin", com a Magnólia Blues Band e Xando Zupo

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=fvev2btw5Ew


O Blues não é um campo onde o Xando estava acostumado a atuar, mas claro que a banda era também flexível e formada por Rockers, essencialmente, sendo assim, fomos improvisando muito mais Rocks no set list, tornando tudo familiar para todos.

Sobre o Xando, acho que dispensa comentários sobre pessoa e guitarrista, pela obviedade dele ser grande nos dois quesitos, e quem quiser saber mais sobre ele, basta ler os capítulos sobre o Pedra, banda na qual atuamos juntos por muitos anos.

"Smoke on the Water", clássico do Deep Purple, com Xando Zupo e a Magnólia Blues Band

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=OIyQNaBUpkk


Então foi isso, Magnólia Blues Band e Xando Zupo atuaram juntos na noite de 26 de março de 2014.

A registrar-se um curioso fato posterior. Alguns dias depois, nas redes sociais da Internet, notadamente o "Facebook", muitos comentários de fãs do Pedra lamentando terem perdido essa apresentação, e aquela constatação bem chata para nós músicos, que o "oba-oba" das redes sociais é inversamente contrário à presença física dessas mesmas pessoas nos eventos...a lamentar-se portanto o "mimimi" que ganha contornos de quase deboche por parte de muitos que assim manifestam-se.

E outro fato, e ligado ao que mencionei acima, algumas brincadeiras surgiram, pois o Xando apresentou-se trajando uma calça branca, e em tom de pilhéria, comentou-se que ele parecia um "pai-de-santo"... só faltava essa !

Confraternização da Magnólia Blues Band com Xando Zupo, e na linha de frente, sendo abraçado, Paulo Krüger, o baixista da banda "Cracker Blues", e amigo em comum de todos da foto.

Em 2 de abril de 2014, o convidado da Magnólia Blues Band, foi Fabio Brum. Guitarrista de orientação Rocker, predominantemente, mas versado em outras escolas, teve conosco uma performance energética, sem dúvida alguma.


Muito conhecido no meio teatral, por conta de sua participação na banda "Saco de Ratos", onde o dramaturgo / ator e diretor Mário Bortolotto, tem forte influência, Brum também atua em outros agitos musicais perpetrados por esse artista inquieto do meio teatral underground, com farta repercussão nesse universo. Pessoa de poucas palavras, mas mesmo assim simpático, atuou com desenvoltura, e deu o seu recado.
"The Thrill is Gone", com Fabio Brum e a Magnólia Blues Band

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Z2IPm_MqJ8s

"Rocking All Over the World" com Fabio Brum e a Magnólia Blues Band

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=1s7kRDwL9Ao

Na confraternização final, a MBB com Fabio Brum, quarto da esquerda para a direita
 
Acompanhando-o estava sua esposa que é atriz, e também gravita na órbita das produções de Bortolotto. Na semana posterior, dia 9 de abril de 2014, não tivemos convidados, mas recebemos novamente a visita do Edu Dias, com sua gaita, vocal e performance comunicativa, sempre.

O versátil e divertido Edu Dias é o último da esquerda para a direita, e na sua frente, o menino é seu filho, Ryu Dias, músico precoce, sendo guitarrista e baterista, desde a tenra infância...
  
Impossível não divertir-se com a presença do Edu no palco, dada a sua capacidade de expressão fácil com o público, mostrando bastante extroversão e carisma. Já na outra semana, dia 16 de abril de 2014, tivemos a volta da rotina da "MBB", trazendo uma convidada, desta feita a cantora Anette Santa Lucia.

Dona de um belo vozeirão, tinha nítida influência de Divas do Blues e do Jazz, e acrescento também do mundo da música Gospel norteamericana.

A registrar-se a presença bem maior de público, em relação às três edições anteriores do projeto, numa noite agradável e ainda quente, embora já estivéssemos na metade do outono, praticamente.


Duas canjas boas também devem ser mencionadas. Convidados de Anete, o gaitista / cantor Alex Dupas, e a cantora Maria Cristina Magliocca, também estiveram presentes. Fechando o mês de abril, a presença do ótimo guitarrista Adriano Deep (em 23 de abril de 2014), abrilhantou a edição do "Quarta Blues".

Adriano Deep é o terceiro da esquerda para a direita, em foto de sua participação com a MBB
 
Ele chegou bastante comedido na casa, lembrando-me um pouco a postura do guitarrista Duca Belintani, numa edição anterior, mas assim como Duca, logo que percebeu que éramos receptivos por natureza, descontraiu-se e ambientado, tocou muito agradavelmente conosco.
"I Got my Mojo Working", com Adriano Deep e a Magnólia Blues Band

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=kTcsHTrSxac


Com trânsito no meio do Rock, Blues e Jazz, Adriano fora guitarrista da banda "Los Mocambos" tempos atrás.

"Foxy Lady" do Jimi Hendrix, numa versão mais lenta, mais "bluesy", com Adriano Deep e a Magnólia Blues Band

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=X0Q8OjEZsoU


E uma boa nova, a casa apresentou um público ainda maior que o da semana anterior, dando-nos a nítida impressão de que o evento permanente, "Quarta Blues" estava "pegando".


Kim Kehl & Hellison "Baby" Labarba, bluesman da pesada

Em 30 de abril de 2014, recebemos a presença de Hellison "Baby" Labarba, um gaitista /cantor da pesada, no cenário do Blues brasuca.


Figura extrovertida, ambientou-se conosco de forma imediata, tornando a noite bastante agradável, não só pelo convívio cordial, mas musicalmente, pela contribuição muito boa dele, na performance. 
Um Blues lento na tonalidade de Fá, na interpretação de Baby Labarba, acompanhado da Magnólia Blues Band

Eis o link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=QW0QZrNP2DU

Bastante "swingada" versão de Honk Tonk Women, dos Rolling Stones, com Baby Labarba comandando o vocal e a gaita

Eis o link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=6ChEmbHqtqc


Com um público bom, a noite foi animada, sem dúvida alguma.
Na semana seguinte, em 7 de maio de 2014, o convidado foi Big Chico, uma tremenda figura na cena do Blues, também.

              Tocando sua gaita nervosa, Big Chico com a MBB

Versátil, Big Chico notabiliza-se por ser um cantor de vozeirão de bluesman de Chicago; gaitista muito bom; e um guitarrista da pesada, também.



 
"Hey Guy", na interpretação de Big Chico, acompanhado da Magnólia Blues Band

Eis o link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=syB0FrEvOvU


Nessa noite, atacou nas suas três especialidades e impressionou-nos pelo seu estilo vigoroso no Blues e até surpreendeu-nos quando propôs uma incursão à Soul Music, puxando Tim Maia no animado fim de noite.



"I Love You Baby", com Big Chico e Magnólia Blues Band

O link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=riCvTomxWIc


Em alguns momentos mais pesados, e quase no espectro do Rock, senti-me tocando com Freddie King, impressionado com a performance dele à guitarra. Edu Dias apareceu, e também deu sua contribuição sempre bem vinda. Já em 14 de maio de 2014, o convidado foi Thomas T. Love Jensen.

           Thomas T. Love Jensen, um bom músico europeu

Dinamarquês de nascimento, Thomas é um gaitista / cantor ligado no Blues, que radicou-se no Brasil há pouco tempo, e tinha muita dificuldade em comunicar-se em português, idioma difícil para estrangeiros, naturalmente, e que da parte dele naquela ocasião, só sabia meia dúzia de palavras bem básicas. 

Comunicando-se em inglês, Thomas mostrou-se bem discreto no convívio e na performance, talvez um pouco inibido pela situação de sentir-se não ambientado ao nosso país, mas creio que principalmente por tratar-se de sua personalidade e cultura, como europeu e nórdico.

Na semana seguinte, o convidado seria um verdadeiro showman...


O próximo convidado da Magnólia Blues Band, era um showman, na essência do termo...

Astro da TV nos anos sessenta; comediante; músico; publicitário; radialista e showman... Ricardo Corte Real em ação com a MBB
 
Um ótimo guitarrista, com ligação direta com o Rock e o Blues, é bem verdade, mas muito mais conhecido por uma longa carreira como ator / comediante da TV, Ricardo Corte Real abrilhantou a Quarta Blues de 21 de maio de 2014.

De fato, a performance dele fugiu a normalidade dos artistas convidados anteriores, exatamente por ter esse lado de showman muito forte na sua personalidade. Portanto, foi divertido tocar com ele, que atuou como se estivéssemos apresentando-nos em Las Vegas, na maior tradição de um "entertainer".
"Rock me Baby" com Ricardo Corte Real

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=cYIlLBqiwMw

Tocamos muitos clássicos do Blues e do Rock, é claro, mas também algumas surpresas como uma versão de "Eleanor Rigby", dos Beatles, num arranjo Soul Music, que é marca registrada de Ricardo em seus shows pela noite.

"Magnolia", com Ricardo Corte Real conosco

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=I8rNNOflR4U

"O Mundo é Cruel", com Ricardo Corte Real e a Magnólia Blues Band + Edu Dias

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=jWlXo8_vj34


Extremamente simpático e bem humorado, comandou a noite com piadas e brincadeiras, descontraindo bastante a noitada.


Bem, foi bacana demais tocar com um artista que eu admirava desde os anos sessenta, quando de sua atuação como ator na sitcom "A Família Trapo". Na época, e digo mesmo que até hoje, eu considerava / considero, o personagem dele nessa atração, "Sócrates", um similar brasuca do personagem de Billy Mumy na série "Lost in Space" ("Perdidos no Espaço"), "Will Robinson".
Fora ser ator / comediante e músico, Ricardo também é publicitário e um radialista de muita experiência. Geralmente comandando programas de Blues e Rock em emissoras de porte no dial paulistano, também já foi diretor da Kiss FM, num momento inicial dessa emissora que dedica-se ao Rock, exclusivamente.

Em 1999, cheguei a visitar seu gabinete na emissora, para entregar-lhe material da Patrulha do Espaço, mas ele não mencionou lembrar-se disso na noite do Magnólia e eu fiquei discreto, não relembrando-o desse acontecimento. Como última menção dessa participação dele com a Magnólia Blues Band, relaciono o fato de que o gaitista / cantor, Edu Dias apareceu para uma participação.

E também tivemos a participação do gaitista / cantor, Alex Dupas, que estava relacionado para ser o convidado da semana posterior e que apareceu inesperadamente para uma aparição repentina.

Mais uma surpresa de última hora, uma pessoa que estava no público, abordou-nos no intervalo e disse-nos que era músico e estava com seu instrumento a postos. 

Claro que o chamamos, e então esse rapaz chamado Marcelo, cujo sobrenome não anotei, acabou também contribuindo com a noitada, tocando seu saxofone.

Na semana seguinte, o convidado foi Alex Dupas, já citado acima.


Alex Dupas, o gaitista / cantor e compositor, que lançava a época o seu CD, "Assalariado"
 
Gaitista; cantor e compositor, estava a pleno vapor divulgando o seu CD solo, que tem como título : "Assalariado", cuja música homônima, com letra bem humorada, remetendo ao Joelho de Porco de certa forma, tocamos na noite, naturalmente.



Surpresa agradável, o casal Ciro Pessoa e Isabela Johansen apareceu e deu sua contribuição também, e claro que era uma autêntica reunião do "Nudes", pois eu; Luiz Domingues; Kim Kehl e Carlinhos Machado, éramos / somos também membros da mesma banda.

Na semana seguinte, eu tive que ausentar-me da apresentação da Magnólia Blues Band, pois o inevitável ocorreu... tocando com muitas bandas, era inacreditável que um conflito de agendas não ocorresse...
Com show marcado para o Pedra na mesma noite, e curiosamente numa casa rival do próprio Magnólia Villa Bar, no quesito Blues, no caso o Bourbon Street.


 
Baixista histórico do Rock Brasileiro sessenta / setentista, Rodolfo Braga foi convidado e estrategicamente, meu substituto ao mesmo tempo na MBB 
 
Então, a solução encontrada pelo Kim para suprir minha falta foi a mais criativa possível, ao convidar um baixista. No caso, Rodolfo Braga, um baixista com longa carreira e história no Rock brasileiro, apresentou-se como convidado da noite de 4 de junho de 2014.

De volta ao meu posto na banda, na noite de 11 de junho de 2014, o convidado foi o nosso amigo, Edu Dias.

Figura carimbada e carismática, estava acostumado a atuar conosco em muitas participações da MBB em "canjas", além de participações nos shows dos Kurandeiros em outras casas noturnas, mas finalmente, seria o convidado especial e oficial da noite. Claro que foi bastante divertido, dentro da normalidade de sua participação conosco em tantas ocasiões.

A mencionar-se o fato de que o público foi muito bom na casa e coincidindo com a performance sempre carismática de Edu Dias, fez com que a interação com o público fosse excelente. E também mencionável o fato de que após a nossa apresentação normal, uma orquestra de gafieira assumiu o palco e um público inteiramente diferente ocupou as dependências do Magnólia Villa Bar, para varar a madrugada dançando. No mínimo exótica a dobradinha...
Nas semanas posteriores, outras feras do Blues brasuca estavam agendadas...


Em 11 de junho de 2014, Edu Dias, que sempre aparecia e dava "canjas", era o convidado oficial, mais do que merecidamente.
Extremamente simpático, brincalhão e versátil na comunicação com o público, é na verdade um "entertainer" a moda antiga, dentro das tradições do Show Business americano de outrora, e que ainda existe por lá, nas casas noturnas acopladas aos Cassinos de Las Vegas, principalmente.


E claro, havia o lado empreendedor dele, como um micro produtor de shows que era. Não era a toa que o Kim costumava brincar com ele, apresentando-o ao microfone, como : -"Edu Dias o Blues Entrepreneur", numa alusão clara a esse fato de sua personalidade multifacetada que abraçava esse lado empresarial na música, também.



Foi super divertida a noite como sempre que ele aparecia, e desta feita como atração principal, ainda mais. Uma semana depois, dia 18 de junho de 2014, recebemos a figura carismática de Marcio Pignatari, um guitarrista versado no Blues-Rock.


Ótimo guitarrista e uma figura super bem humorada, Marcião Pignatari, é o terceiro à esquerda, tocando com uma guitarra Fender Stratocaster
 
Muito engraçado no trato pessoal, enturmou-se conosco de forma instantânea, e fez-me lembrar dos meus tempos no Pitbulls on Crack, tamanha a semelhança que seu jeito leve de ser tinha com meus companheiros naquela banda, em termos de bom humor.
"Right I Got the Blues" com Magnólia Blues Band + Marcio Pignatari

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Wu1GD8l9bTU


Mas evidentemente que não era só bom de piadas para provocar gargalhadas nas rodinhas de amigos, porque na hora que fomos tocar, mostrou um tremendo poder de fogo, pilotando sua guitarra Fender Stratocaster.

Tocamos com bastante desenvoltura, passeando entre os Blues clássicos e temas mais pesados, do Blues-Rock, também.

"Southbound"com Magnólia Blues Band + Marcio Pignatari

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=qvJmK_iGUMo
Oriundo da cidade de Osasco / SP, era / é muito amigo de Edu Dias também, e assim, claro que nosso amigo em comum apareceu e também tocou sua gaita, e cantou nessa apresentação da Magnólia Blue Band.

Muito bom guitarrista, o professor Paulo Toth, ao lado de Kim Kehl, pronto para a noitada com a MBB
 
Com um público melhor do que o da semana anterior, foi também mais um fator de ânimo para todos. Fechando o mês de junho, nosso convidado foi Paulo Toth.

Muito educado, mas nem de longe piadista como Edu Dias e Marcio Pignatari, chegou com seriedade, trazendo um outro tom mais sóbrio para a noite do Quarta Blues.
"I'ain't an Superstitious" com Magnólia Blues Band + Paulo Toth & Edu Dias

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=75kQQEdHNY4


Atacando com uma guitarra Fender Telecaster, poderia sugerir com isso que traria a vertente mais caipira do Blues a tona, mas não, sua apresentação foi versada no Blues de Chicago, e passeou pelo Rock'n Roll, sem problemas. Um professor de guitarra experiente, falou-nos sobre seus projetos didáticos etc e tal.

Entre a Gibson Les Paul do Kim, e a Fender Stratocaster, a Fender Telecaster também do Paulo Toth, com a estilização que comentei, no seu braço

Uma curiosidade, sua guitarra estava estilizada com seu nome pintado no braço do instrumento, uma prática não muito usual entre a maioria dos guitarristas que conheço. 
"Can't Be Satisfied" com Magnólia Blues Band + Paulo Toth + Edu Dias

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=VgAQw6inRqU


Nossa apresentação com Paulo Toth como convidado, ocorreu em 25 de junho de 2014.

Um fato engraçado ocorreu nos dias posteriores à sua participação conosco no Quarta Blues : demorou para ele perceber que eu tocara na "Chave do Sol" nos anos oitenta, uma banda que ele conhecia da época. Através do Facebook, conversamos sobre isso e foi engraçado ele só ter tocado-se que eu era o mesmo baixista daquela banda, depois.

Mas dá-se o desconto que envelheci mais de trinta anos em relação àquela época em que atuei nessa banda e principalmente, porque aboli o apelido pelo qual era conhecido, nesse tempo, portanto, gerando alguma confusão para pessoas que acompanhavam-me naquela fase e perdendo o contato, não sabem o rumo que minha carreira tomou doravante, ignorando muitos trabalhos que fiz depois dessa banda encerrar atividades em 1987. Coisas da vida, tudo dentro da normalidade...
 

O próximo convidado da Magnólia Blues Band seria um grande ás da cena Blues brasileira, e de fato, toda a expectativa cumpriu-se e sem exagero, superou-se na minha ótica.
Nosso próximo convidado do projeto Quarta Blues com a Magnólia  Blues Band, foi um dos nomes mais prestigiados da cena do Blues brasileiro. Já havia tocado numa jam-session com ele, em 2011, numa noitada de muitos convidados no mesmo Magnólia Villa Bar, mas num show de Kim Kehl & Os Kurandeiros.

Um super guitarrista e gente boa demais, Amleto Barboni é o segundo da esquerda para a direita, tocando com uma guitarra Gibson 335 

Claro que minha impressão havia sido a melhor possível, com um músico de alto gabarito técnico. Contaram-me que ele tinha o nível de muitos guitarristas virtuoses que geralmente militam no campo do Jazz-Fusion ou do Metal Melódico e pesado, com muita instrução teórica e dotes de virtuosismo.  
"Mud Story", com Magnólia Blues Band + Amleto Barboni

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=9apUhAyzB0Q


Mas, fugindo desses dois estereótipos citados acima, ele enveredara pelo caminho do Blues e dedicado, estudou-o com afinco, tornando-se não só um exímio praticante desse estilo, mas na verdade, um dos melhores em atividade e especialista pelo conhecimento adquirido. Estou falando de Amleto Barboni.

Nosso convidado do dia 2 de julho de 2014 não desapontou-nos em nenhum quesito citado por mim acima, e ainda deu-nos uma ótima impressão pessoal, mostrando-se muito humilde, apesar de sua fama no meio, solícito, muito educado e simpático.

"Rock me Baby", com a Magnólia Blues Band + Amleto Barboni

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=yc8ba056EqI


Além de tornar a noite muito agradável sob o ponto de vista musical, com sua participação brilhante, o convívio conosco foi tão amistoso que parecia ser nosso amigo próximo, há anos.

Somente o Kim conhecia-o melhor, mas mesmo assim, não muito e portanto, foi uma grata surpresa constatar que sua companhia estabeleceu-se como uma das mais simpáticas desde que o projeto iniciara-se em janeiro de 2014. E ao final da apresentação, surpreendeu-nos, pois fugindo ao protocolo do Blues, iniciou a sequência de acordes do terma "Würm", trecho final da música "Starship Trooper", do "Yes", portanto, a noite acabou com Rock Progressivo, causando até uma certa euforia, eu diria. 

"Würm / Starhip Trooper" com Magnólia Blues Band + Amleto Barboni

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=688KYLivQTo


A registrar-se também que acompanhando Amleto e seus familiares, a cantora Maria Alvim igualmente subiu ao palco e cantou conosco, além de espalhar simpatia, numa noite em que definitivamente, fizemos uma noitada de blues entre amigos.

Bem, assim foi a participação de Amleto Barboni, na noite de 2 de julho de 2014.


Na semana subsequente, recebemos a figura de Claudio "Cazão" Veiga, tecladista / vocalista e gaitista, que era figura conhecida por nós, tendo participado de várias apresentações dos Kurandeiros e até duas passagens obscuras dos "Koveiros", um combo secreto cujas histórias curiosas já foram contadas nos capítulos dos "Trabalhos Avulsos".

Um bom músico, mas que direcionava suas atividades musicais exclusivamente para o mundo dos covers, Claudio não tinha um curriculum mostrando trabalhos autorais.

Nossa apresentação foi divertida com sua presença e privilegiou mais rocks do que blues, notadamente músicas dos Rolling Stones e Creedence Clearwater Revival.
"Suzy Q" coma Magnólia Blues Band + Claudio "Casão" Veiga :

 
Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=hJiLnYR4b4o

"Heard it Throught the Grapevine", com a Magnólia Blues Band + Claudio "Casão" Veiga :


Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=w58AjPqDeIo 


Aconteceu em 9 de julho de 2014. O projeto deu uma pausa de uma semana, mas coberto pelos próprios Kurandeiros que tocaram no dia 16...

     Kim Kehl & Dino Linardi em ação numa noitada da MBB

Como Magnólia Blues Band, voltamos a atuar no dia 23 de julho de 2014, desta feita recepcionando o vocalista / guitarrista, Dino Linardi. Ex-vocalista do "Johnny Brechó", uma banda assumidamente retrô, Dino destacou-se no cenário do Rock underground paulistano, e chamou a atenção do guitarrista do Pedra, Xando Zupo, que indicou-o a Nelson Brito e Hélcio Aguirra, que estavam reformulando o "Golpe de Estado", após a saída do vocalista Kiko Müller, e do baterista original da banda, Paulo Zinner.

Com a morte repentina e prematura de Hélcio Aguirra em janeiro de 2014, Dino estava abalado naturalmente, e o Golpe de Estado em momento de suspensão para reavaliar se prosseguia a carreira com a inserção de um novo guitarrista. Independente disso, Dino também tocava guitarra e aceitou o convite para participar da Quarta Blues conosco e sua atuação trouxe um élan Rock para a apresentação.
"The Sky is Crying", com Magnólia Blues Band + Dino Linardi :


Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=tls-d4dyoYE

Com postura de frontman, cantou, também, é claro.

"Dino's Groove", com a Magnólia Blues Band + Dino Linardi


Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=n_dcWdnGcBc

Há de destacar-se que tivemos duas presenças ilustres na plateia : o vocalista / guitarrista do "Vento Motivo", Fernando Ceah, e o jovem guitarrista, Gulherme Spilack. Fernando era da casa, mas Guilherme apareceu como convidado de Dino e também participou como convidado de última hora, como Ceah.

Na foto acima, Dino cantando fora do palco e Guilherme Spilack assumindo a guitarra ao lado do Kim.

Alguns meses depois, eu tive o prazer de publicar uma resenha sobre o lançamento de seu CD de música instrumental, cuja audição muito agradou-me, por apresentar um som com muitas influências setentistas muito boas, e com bastante qualidade técnica.

Leia a resenha do trabalho da banda Stuffbreakers, no meu Blog 1 :

http://luiz-domingues.blogspot.com.br/search?q=Stuffbreakers

Assim foi a Quarta Blues de 23 de julho de 2014, com Dino Linardi, um rocker assumido.


No dia 30 de julho de 2014, tive o prazer de tocar com um amigo de longa data e companheiro de três jornadas da minha carreira, o guitarrista / vocalista e tecladista, Rodrigo Hid, meu colega de "Sidharta"; "Patrulha do Espaço", e "Pedra". O que dizer sobre um artista desse quilate, e que eu tinha a honra de ter conhecido há muitos anos, quando ele era ainda um adolescente imberbe ?

Rodrigo Hid ao centro, atuando com a MBB e brilhando, como de costume...
 
Sobre seu talento e criatividade, creio que nem preciso comentar aqui neste capítulo em específico, pois nos capítulos do "Sidharta", "Patrulha do Espaço" e "Pedra", isso é contado em prosa e verso. E ele também é bastante citado nos capítulos da "Sala de Aulas" e um pouco no do "Pitbulls on Crack".
"Sweet Home Chicago" com Magnólia Blues Band + Rodrigo Hid :


Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=S-avAamwpgA 

"From the Beginning" do ELP, na interpretação da Magnólia Blues Band + Rodrigo Hid aos teclados :


Eis o Link para assistir no You Tube :

https://www.youtube.com/watch?v=kv3xkmt4zp0

Bem, Rodrigo não era nenhuma celebridade do mundo do Blues, que era o enfoque dos convidados habituais da Magnólia Blues Band, mas eu conhecia-o, e sabedor de sua versatilidade, não temi nem por um segundo sequer, que ele não tocaria qualquer coisa e com enorme naturalidade e desenvoltura.

Bacana também a possibilidade dele tocar teclados, graças a sua versatilidade como multiinstrumentista e claro, isso enriqueceria a Quarta Blues de uma forma contundente.

Fiquei muito feliz com sua participação, assim como houvera apreciado a do Xando Zupo, o outro companheiro de Pedra, em março do mesmo ano.

Bem, no dia, Rodrigo atuou com extrema simpatia, como de costume e deu um show como guitarrista, vocalista e tecladista, abrilhantando a apresentação da Magnólia Blues Band.

"Stormy Monday", com a Magnólia Blues Band + Rodrigo Hid :


Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=lkv9F3J7Ox0

E assim foi a noite de 30 de julho de 2014, quando computei mais um show feito na companhia de Rodrigo Hid, desta feita com a Magnólia Blues Band, somando-se aos muitos realizados com a Patrulha do Espaço e o Pedra...


O próximo convidado do projeto Quarta Blues foi o guitarrista Marcos Mamuth. Professor, experiente e excelente guitarrista, Marcos Mamuth tornou a noite de 6 de agosto de 2014, super agradável, não só pela sua participação musical muito boa, mas também pela simpatia e camaradagem, que foi enorme.

O ótimo Marcos Mamuth ao centro, usando uma bela guitarra Fender Stratocaster, atuando com a MBB 

Acompanhado de sua filha, que era uma estudante de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, e de seu / meu velho amigo, o jornalista / baixista Ayrton Mugnaini Junior, amigo em comum dele, Mamuth e do Kim, também, fiquei pensando em quantas vezes tive minha trajetória musical permeada por jornalistas oriundos dessa faculdade, numa espécie de "sina", mas das mais agradáveis, claro.
Figura espetacular, uma verdadeira enciclopédia humana, Ayrton deu sua canja tocando no meu baixo, e foi um tremendo prazer revê-lo nessa noite. Depois dessa canja dele, salientou que o momento era histórico, porque conhecíamo-nos desde 1980, e jamais havíamos tocado juntos no mesmo palco, pelo fato de sermos ambos baixistas e com passagens pelo Língua de Trapo.
Ele foi de fato o meu substituto imediato, quando deixei a banda pela primeira vez, em janeiro de 1981, mesmo ficando pouco na banda, logo substituído por Luiz Lucas, mas eternamente gravitando na órbita do Língua de Trapo, inclusive fornecendo textos e ideias para os shows. Considerando que nessa noite de Quarta Blues ele deu canja não apenas tocando no meu baixo, mas também cantando enquanto eu tocava baixo, foi de fato, a primeira vez em que atuamos juntos...
E mais uma vez a sua prodigiosa memória tratou de marcar esse encontro de 2014, como histórico, e foi mesmo...
"Rebel Dog Blues", com Magnólia Blues Band + Marcos Mamuth + Ayrton Mugnaini Jr.

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=IaBTzKzYIjM


Mais uma vez o "The Blues Entrepreneur", Edu Dias apareceu, e deu sua canja, trazendo sua gaita; vocalização e espírito de entertainer à noite do Quarta Blues.


"Hootchie Coothie Man", com Magnólia Blues Band + Marcos Mamuth

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=NWs_zUImOm4



 

O próximo convidado do projeto, seria um velho companheiro de jornada, meu. Não tocava com ele, desde 1987...


Uma grande nova particularmente no meu caso, estava reservada para a noite de 13 de agosto de 2014.

Foto Promocional da Chave do Sol, de julho de 1984
 
Com sua histórica Fender Stratocaster, Rubens Gióia (camisa verde), no palco conosco e foi muito legal
 
O convidado dessa noite seria Rubens Gióia, meu ex-companheiro d' A Chave do Sol, uma das bandas mais significativas da minha carreira, e onde construímos, juntos, uma sólida obra que teve a felicidade de escrever uma bela página na história do Rock Brasileiro.


Fiquei feliz quando soube da notícia, pois a rigor, tirante a canja rápida que eu e ele déramos em fevereiro desse mesmo ano, por ocasião de um show tributo com vários artistas em memória do nosso amigo recém falecido, Hélcio Aguirra, não tocávamos juntos de fato, desde 1987, por ocasião do último show da Chave do Sol, no Teatro Mambembe.

Claro que fiquei muito contente, pois muita água passara debaixo da ponte nesses anos todos. Mas a confirmação do show não chegou a ser uma surpresa inteiramente, visto que em ocasião próxima passada, Rubens havia assistido um show dos Kurandeiros numa casa noturna da zona norte de São Paulo, e o convite verbal havia sido formulado da parte do Kim.

"Rock me Baby", com Magnólia Blues Band + Rubens Gióia

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=p2eereYiLY8


Foi um grande encontro, com Rubens mostrando-se alegre e simpático por ser o convidado da Quarta Blues, e nós também por recepcioná-lo. 


"The Thrill is Gone"com Magnólia Blues Band + Rubens Gióia

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=Dnermvd_lnw


Evidentemente que no meu caso, foi ainda mais bacana tocar com o velho companheiro de tantas batalhas gloriosas do passado. Arriscamos até uma menção a "18 Horas", mas evidentemente circunscrito à um pequeno trecho da clássica música da Chave do Sol.

Enfim, um enorme prazer ter um velho companheiro como convidado desse projeto da Magnólia Blues Band. Noite de 13 de agosto de 2014.


A próxima edição do "Quarta Blues" trouxe uma cantora como convidada : Maria Cristina Magliocca. Cantora experiente, tinha no seu repertório habitual, muitas releituras de clássicos do Blues, mas também standards de Jazz e o cancioneiro pop norte-americano das décadas iniciais do século XX.  

      A cantora Maria Cristina Magliocca, em ação com a MBB

Não diria que tratava-se de uma cantora da "Velha Guarda", mas muito do seu espectro musical era baseado num som vintage, o que era bastante agradável, eu diria.
"That's All Right" com Magnólia Blues Band + Maria Christina Magliocca

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=__KQJzl1d5Q

Por ser cantora, obrigou-nos a "tirar" algumas canções que não estávamos acostumados a tocar em edições anteriores, além de mudanças repentinas de tonalidade pedidas no calor da apresentação, um fato comum quando acompanha-se cantores e estes tem suas necessidades vocais diferentes uns dos outros em termos de alcance de oitavas. Figura simpática, trouxe uma turma de amigos e parentes animados para prestigiá-la na noite.

Aconteceu na noite de 20 de agosto de 2014.

Na semana subsequente o convidado foi Paulo Morgado, um guitarrista da pesada, de forte orientação Rocker e melhor ainda, centrando seu estilo no Acid Rock e no Blues Rock sessentistas.
Fortemente influenciado por Jimi Hendrix, sobretudo, proporcionou-nos uma noite mais Rocker do que o habitual do projeto, que era o Blues como essência.  

Uma coisa chata ocorreu, pois nosso baterista Carlinhos Machado teve um mal súbito estomacal e tendo passado horas num pronto socorro fazendo exames, não tinha condições físicas de comparecer para tocar.  

Paulo Morgado ao centro da foto, pilotando sua guitarra Fender Stratocaster e o baterista Binho, que socorreu-nos na ausência súbita de Carlinhos Machado
 
Rapidamente o Kim contatou o Binho "Batera", músico do Vento Motivo, e que solicito ao extremo, veio suprir a lacuna deixada pelo nosso amigo Carlinhos. Versátil, Binho não deixa a noite cair mesmo quando não conhece o repertório, eu já sabia dessa característica dele e quando cheguei ao Magnólia Villa Bar e verifiquei que ele assumiria as baquetas, tranquilizei-me pois já havia tocado com ele em situações parecidas anteriormente, em shows do Kurandeiros que o Carlinhos não pode fazer e o Binho foi muito bem.
"Hey Joe" na interpretação da Magnólia Blues Band + Paulo Morgado

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=GtshpXicT9I 

"Sunshine of You Love" com a Magnólia Blues Band + Paulo Morgado

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=qvbnxGEc7Zw

Sobre Paulo Morgado, foi ótimo tocar com ele. Já conhecia-o de vista, mas nunca havia tocado com ele anteriormente e foi um prazer atuar com um guitarrista de fortes características sessentistas, e como é sabido do leitor que acompanha esta minha autobiografia desde o seu início, é a minha predileção. Noite de 27 de agosto de 2014, com muita evocação de ecos "Woodstockianos" no ar...


Depois da noite Hendrixiana anterior, a próxima edição da "Quarta Blues" foi também das mais agradáveis, pois recebemos um grande guitarrista, e acima de tudo, um dos artistas mais "boa praça" do métier Blues / Rock de São Paulo. Tratou-se de Wilson Ricoy, um dos amigos mais bacanas que já conheci nesses 40 anos de música (1976 / 2016). 

Versado nos Blues, Rock e outras vertentes, Ricoy é também professor de guitarra & teoria musical, e nessa época tinha uma vida dupla, trabalhando com música, mas em paralelo com um emprego formal no mundo corporativo, como diretor de uma empresa de grande porte em sua cidade, São José dos Campos, no interior de São Paulo.
"Damn Right I Got the Blues" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=MXKLuu8BqhQ

"Rambling on My Mind" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=mitwo19oqD8

"Crossroads" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=V76ZWBZ6-B0

"Southbound" com a magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=HsnWhugirzI 


Algum tempo depois dessa primeira apresentação (ele voltaria ao projeto "Quarta Blues"), Ricoy tomou uma decisão corajosa, mas muito bacana de mergulhar na música, abrindo um estúdio de gravação e ensaios, acoplado à uma escola de música, largando a vida corporativa e passando a assumir a música como seu ganha pão, e eu fiquei muito feliz por ver que seu empreendimento lá em São José dos Campos foi muito bem montado e revelou-se um sucesso, logo a seguir.

"Hootchie Cookie Man" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=I8wqYi9lIaE

"Going Down" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=aopUukwCauc

"Stand by Me" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=WOUq2DM1AgY

"Suzie Q" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistrir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=o909njQ1W7c

"Money", com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=U0RcbzPsC4g

"The Thrill is Gone", com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=EEeo3hMW6Vw

I Got my Mojo Working" com a Magnólia Blues Band + Wilson Ricoy

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=x3eGoAbXqzo 


Sobre essa apresentação dele conosco, foi ótima, com muita interatividade, improviso e um clima de camaradagem enorme.

Wilson Ricoy, grande guitarrista; gentleman e amigo valoroso...é o segundo da esquerda para a direita, na foto de confraternização após a apresentação com a MBB 

Ocorreu em 3 de setembro de 2014.

A próxima edição do "Quarta Blues" foi sem convidado. Nessa altura, trazer um convidado por semana esbarrava numa dificuldade extra, pois nem todo convidado aceitava o convite, por não querer sair de casa sem a garantia de um cachet fixo, e muitos, cujos nomes não revelarei, recusaram o convite por conta disso e não cabe crítica em se considerando ser um direito inquestionável de cada artista adotar tal tipo de postura rígida no gerenciamento da sua carreira.

Mas, quando acontecia de ficarmos sem um convidado formal, apresentávamo-nos da mesma forma, sem prejuízo algum e muitas vezes, convidados inesperados e não anunciados previamente apareciam e de certa forma supriam a ausência eventual de um convidado formal.

A Magnólia Blues Band não teve convidados atuando nessa noite, mas recebemos com prazer a visita da produtora musical, Christine Funke, acima no centro da foto

E assim foi na noite de 10 de setembro de 2014.

Posteriormente, no dia 17, recebemos outra figura sensacional, um guitarrista eclético que a despeito de militar mais no mundo do Heavy Metal, era um professor experiente, já havia passado por várias bandas de vertentes diferentes e atualmente tocava numa banda de Heavy-Metal moderna, ao estilo anos 2000, misturando Metal extremo com vertentes do Rap / Hip Hop, com aquela formação com dois vocalistas dialogando em forma verborrágica do rap, mas com uma massa sonora metálica por trás. Tal banda chamava-se "Nacionarquia".

Sua banda, apesar de atuar num campo onde eu não tenho simpatia alguma, o Heavy-Metal, ainda mais sendo algo "modernoso", tinha grandes méritos, eu admito e não só por ter esse nosso ótimo amigo em suas fileiras, mas pelos outros componentes, e principalmente pela orientação temática de seu trabalho, bem calcado na política, com letras ácidas, mas bem embasadas a denunciar a falência completa do sistema.


Nas duas fotos acima, Roger Bacelli (de óculos), atuando coma MBB
 
Tal amigo chamava-se Roger Bacelli, um ótimo guitarrista e muito gente boa, namorado de uma produtora musical muito amiga nossa, a querida Sandra Marques, uma pessoa dinâmica, de excelentes propósitos nos bastidores da produção musical, muito solícita e disposta a ajudar o Magnólia Blues Band e também os Kurandeiros, contudo, como seus contatos e conhecimento eram mais do mundo do Heavy-Metal, ela pouco pode ajudar-nos doravante como eu sei que gostaria de ter ajudado.
"Dead Flowers" com a Magnólia Blues band + Roger Bacelli

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=EYy4u4ZkQWQ 

"Rock me Baby" com a Magnólia Blues Band + Roger Bacelli

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=LYYCpxkrvHY

"Black cat Moan" com a Magnólia Blues Band + Roger Bacelli

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=AhA2X3JSetw

"Beber até Cair" com a Magnólia Blues Band + Roger Bacelli

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=v-YLezsUYpk

"Train Kept a Rollin" com a Magnólia Blues Band + Roger Bacelli

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=S5p4VUDWeiw


A noitada com Roger Bacelli foi boa, sem dúvida e assim como acontecera na noite em que Wilson Ricoy abrilhantou a noite com sua presença, o clima de camaradagem com Bacelli foi igualmente total. Noite de 17 de setembro de 2014...

Da esquerda para a direita : Kim Kehl; a produtora musical Christine Funke; Alexandre Rioli; a produtora musical Sandra Marques; Luiz Domingues; Carlinhos Machado e Roger Bacelli
No final de setembro de 2014, recebemos a visita de um guitarrista e vocalista oriundo da cidade de Osasco, chamado Cris Stuani.
Guitarrista de forte influência de Blues-Rock, e com um vozeirão potente, Stuani teve uma atuação ótima nessa noite, e abriu caminho para várias novas participações no futuro, não só no projeto "Quarta Blues" da Magnólia Blues Band, como em vários shows dos Kurandeiros.

     Cris Stuani usando camisa xadrez azul, atuando com a MBB

Gente boa ao extremo, Stuani entrou para aquele rol de participantes do projeto que tornaram-se amigos posteriormente, sem dúvida. 
"Mustang Sally" com a Magnólia Blues Band + Cris Stuani

Eis o Link Para assistir o You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=tdnEeXqVibk 

"Mean Town Blues" com a Magnólia Blues Band + Cris Stuani

Eis o Link para assistir no You Tube
https://www.youtube.com/watch?v=YgKbW9fMCxo

Edu Dias, o "The Blues Entrepreneur", amigo em comum de Stuani, compareceu com sua gaita e ajudou a fazer a noite brilhar, como sempre. 

"Little Wing" com a Magnólia Blues Band + Cris Stuani

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=DGP4eFISxHo

"Mean Town Blues" com a Magnólia Blues Band + Cris Stuani

Eis o Link para assistir no You Tube :
https://www.youtube.com/watch?v=YgKbW9fMCxo


Aconteceu em 24 de setembro de 2014.


Na semana seguinte, não tivemos convidado especial e assim fizemos a "Quarta Blues" funcionar sem problemas, bem naquela dinâmica em que estávamos acostumados.


Aconteceu em 1º de outubro de 2014.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário