Pesquisar este blog

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Sala de Aulas - Balanço Final 1987 / 1999

Sala de Aulas

Balanço Final - 1987 / 1999

Bem, sendo este capítulo atípico, pois não trata de uma realização de criação musical com uma banda onde gerou-se feitos e notícias, neste tópico faço a ressalva de que tenho poucos dados a arrolar como cômputo final dos doze anos em que dediquei-me a ministrar aulas. Para piorar as coisas, lastimo muito, mas perdi o caderno onde tinha anotado todos os nomes de meus alunos nesses anos todos de 1987 a 1999, portanto, num universo de pouco mais de 200 alunos que tive, lembro-me apenas de 72 nomes, e em alguns casos, nem do nome completo, mas apenas pelo nome inicial ou sobrenome e até mesmo por um singelo apelido. Fora disso, também não restou mais materiais do que poucas fotos; os cartazes de aulas e o portfólio do movimento de cartas de meus alunos e tudo já disponibilizado em tópicos anteriores. Acrescento que estabeleci uma romântica divisão histórica para mapear as fases da minha vida como educador informal. Está descrito no texto da autobiografia, mas acho conveniente registrar novamente aqui :

1) 1987 / 1989 -  A Estrela que Apagou-se (decadência e fim da Chave do Sol / Formação da banda A Chave - The Key)

2) 1990 / 1991 -  Tateando no Escuro (em busca de um trabalho)

3) 1992 / 1997 - Sob o Luar (anos Pitbulls on Crack)

4) 1997 / 1999 - Embarcando na nave lisérgica (Sidharta / Patrulha do Espaço) 



E abaixo, os nomes de 72 alunos que consegui lembrar-me. Fica em aberto tal lista, sempre pronta a receber acréscimos provenientes de novas lembranças que surgirem futuramente.

Zé Roberto ; Roberto Garcia Morrone; Jameson Trezena; Cristina; Marcelo "Carioca" Dias; Roberto Oliveira; Cesar Cardoso; Cesar Talarico; Glauco Teixeira; Daniel Faria;Wagner; Dney Di Courel; Marcos Pessoto Lira; Fernando Vaz; Carlota Brito; Brito (irmão de Carlota); José Reis Gonçalves de Oliveira; Daniela, Marcelo, Milton Feitas; Nando Machado; Claudio Sanches; Nelson Binatti; Peloso; Junior Peloso; Tomás Grimas; José Carlos Ferreira; Hermeson Milani; Magá; Lincoln; Simone Zerbinato; Anderson de França; Flavio Sozigam, Alcione Sana; Christian Du Voisin; Monica Maia; Luiz Gustavo; Carlos Keller Rodrigues (Cali); Marcos Martines; Ricardo Garcia; Alexandre "Leco" Peres Rodrigues; Thiago Fratuce; Marcelo Bueno; Sergio Frugis; Artoni; Ricardo Schevano; Jamé; Jamézinho; Mendes;  Edvaldo "Prik"; Wildmarc Matheson; Ronaldo Alexandre Barbuy; Ediane dos Santos Oliveira; Edilberto (Edil) Postól, Luiz Nannini; Marina Yoshie; Paola Girardello; Carolina; Emmanuel Barretto; Anelise Barretto; James Castello; Titão; Fernando Moracci; Paulo de Tarso; Branchini; Flavio; Nishimoto; Roberto Takahashi; Flavio Amaya; Puppo; Eduardo Niglio; Marcos Mesquita; Marcello Garbine.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Sala de Aulas - Movimento de Cartas - 1997 / 1998

Sala de Aulas

Movimento de Cartas 1997 / 1998

Um dos mais inspiradores momentos da minha sala de aulas também fomentando ações culturais, o movimento de cartas organizado com apoio maciço dos alunos, logrou êxito em se considerando a pequena magnitude que poderia atingir, mas em contrapartida, a enxurrada de cartas nas redações de órgãos de imprensa mainstream gerou mais que uma pequena polêmica, mas levantou orelhas de jornalistas a motivar matéria de página inteira, com direito a participação direta de um dos meus alunos, com foto e tudo, num jornal de primeira dimensão nacional. Abaixo, um apanhado de algumas cartas publicadas (na realidade foram muito mais, mas só consegui reunir um pequeno apanhado como "clipagem" caseira), em sua maioria com nomes fictícios, mas algumas usando os nomes reais de alunos e agregados de minha sala de aulas, o meu "exército de neo-hippies". A maioria esmagadora das cartas preservadas em portfólio, são do Jornal "O Estado de São Paulo", mas muitas foram publicadas em outros veículos, notadamente a "Folha de São Paulo"; "Jornal da Tarde" e revistas "Rock Brigade" e "Bizz".


A verdade nua e crua...alguém enfim com coragem para desmistificar o hype em torno de uma banda fraca ao extremo... Mais que isso, por extensão, desmascara toda a "intelligentzia" que por anos fomentou paradigmas em torno dos ideais do Pós Punk e que tais. Essa é a verdadeira erva daninha a ser extirpada. Garcia foi meu aluno entre 1987 e 1988


A crítica musical mainstream de meio / fim de década de noventa, martelava que a música eletrônica dominaria o cenário doravante, acabando com a música convencional, tocada por humanos e instrumentos tradicionais...Marcelo "Pepe" Bueno (aluno entre 1992 e 1997), rasgou o verbo a contrapor o hype dos espertalhões da imprensa. Pois é...Beatles e Stones estão na história e quem era mesmo o "DJ  bam bam bam de 1998 que marcou para sempre" ?



Pegando fogo as colocações e desnorteando os jornalistas, com o dedo direto na ferida a remoer a fonte da bronca. Os jornalistas não enxergavam dessa forma, mas o manual de redação pró niilismo de 1977 alastrou-se pelos grandes órgãos de imprensa em seus departamentos culturais, não resta dúvida.


 Ha ha ha, como "entendia" de música a jornalista que ficou brava e respondeu a missiva provocadora...Black Crowes era "vergonhoso" ao vivo ? Ora faça-me o favor...o que era bom então ? Prodigy ?


Eis meu aluno Alexandre "Leco" Peres Rodrigues, sendo entrevistado no jornal O Estado de São Paulo, numa matéria focando em jovens que eram influenciados por signos culturais de décadas anteriores. de fato, a obsessão dos jornalistas era pelo "Techno", uma baboseira de ocasião que segundo eles, dominaria a cultura doravante, comprovando a tese de que perseguidores de hypes modernos geralmente erram feio em sua avaliação apressada e sem profundidade alguma...lá estava o então adolescente Alexandre, com camiseta dos Mutantes e um monte de discos bons nas mãos e à sua volta de sua coleção particular. O "techno" domina o mundo...ha ha ha...fora disso, essa matéria foi a típica encomenda de editor chefe, alertado sobre algum "zum zum zum" detectado no ar e nessa altura, cartas jorravam na redação desse e de outros jornais concorrentes, fruto dos esforços de meu neo-hippies em minha sala de aula. Como falavam os Beatles em 1968 : "You say you want a revolution /Well, you know / We all want to change the world...You tell me that it's evolution / Well, you know We all want to change the world"...e acrescento com outra de 1969  : "Come Togheter"...







Essa foi na veia, para quebrar a perna do jornalista em relação ao paradigma da vez em torno da irrelevante "música eletrônica". E o mais engraçado é que o jornalista em questão é gente boa e não é de jeito nenhum um xiita egresso da redação da revista Bizz, e pelo contrário, um profissional de mente aberta e muito boas influências musicais pessoais, embora ali no jornal falasse algumas coisas coadunadas com os conceitos errôneos de seus coleguinhas. Sei de fonte fidedigna que Ricardo Alexandre tem os Beach Boys como banda de cabeceira, portanto, um rapaz assim, demonstra ter coração e noção das coisas. Ele sabe o que é uma "Good Vibration", não acham ?   



Jornalistas não entendendo o enfoque ou fazendo-se de desentendidos...de fato, não tratava-se de saudosismo, mas religare...capice ? Wellington era nome fictício (primeira carta), mas sabem quem é Marcello Rangel ?  Pois é, tornou-se um artista multifacetado não muito tempo depois de mandar esse e-mail para o "Estadão".


A grande pergunta que ninguém responde e dá-se um desconto : jornalista mais novos só pegaram o bonde andando com paradigmas formados e nem questionam como e onde começou essa infame caça ao passado perpetrada pelos seguidores de Malcolm Mclaren, lá em 1977. Mesmo assim, paradigma imbecil tem que ser destruído, mesmo que demore a acontecer. Ricardo Fisichella foi nome fictício e baseado em piloto de Fórmula Um...digamos que pertencia à scuderia : "Abaixo Do it Yourself"



Íris, a ponderada, ao melhor estilo "morder e assoprar"...



Fisichella sempre na pole position... e o outro italiano, Di Catri, dando aula de civilidade para o jornalismo cultural conspurcado pelos ideais do Punk 1977...


Olha o gancho do Júpiter Maçã que mostrava-se "darling" da mídia mainstream, apesar de ser ultra retrô, para abrir brechas para as bandas que armavam-se para abocanhar uma fatia dessa tendência.


Adalberto "Lozie" desmascara uma parte da imprensa que batia em dinossauros, como se houvesse limite de idade para tocar e Wagner "Ingelheim" rasga o verbo contra a cena brasileira horrenda de final de década de noventa. Ambos os nomes inspirados em pilotos de Fórmula Um, e isso era criação livre dos meus alunos.


Reciclar, resgatar, não apenas saudosismo... Pepe Bueno já colocando o dedo na Tomada...digamos assim...



O estigma maldito contra o Rock Progressivo era / é um dos pilares dessa mentalidade equivocada e perpetrada há décadas. Garcia foi preciso e o jornalista nem dignou-se a responder.




Pois é...morte ao paradigma maldito !! Renato Novaes foi fundo na questão



Renata existe de fato e era / é irmã de um agregado das minhas aulas. Alfinetada na cena "indie" e tais artistas, principalmente fora do eixo Rio-SP são idolatrados na mídia desde a metade dos anos noventa, praticamente e claro, andam de mãos dadas com as ideias dos niilistas de 1977

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Sala de Aulas - Campeonato de Alunos - Futebol Indoor 1994 / 1995

Sala de Aulas

Campeonato de Alunos  -  Futebol Indoor Campeonatos de 1994 & 1995


Campeonato de Futebol Indoor de 1994


A tabela do 1º turno do campeonato de 1994


A tabela do segundo turno do campeonato de 1994, com a tábua de classificação final 


Numa cortesia dos irmãos Rangel, que na verdade são os irmãos Schevano, todo o histórico do segundo campeonato de futebol indoor das aulas de Luiz Domingues, ficou mais caprichado no seu lay-out



O regulamento do campeonato bem explicado e não aceita-se reclamações posteriores...



O grupo A, disputado por Marcelo "Pepe" Bueno; Rodrigo Garcia; Alexandre "Leco" Peres Rodrigues e Ricardo Rangel Schevano, com todos os resultados da primeira fase em turno e returno



O grupo B, disputado por Luiz Domingues; Edilberto "Edil" Postól; Carlos "Kali" Keller Rodrigues e Marcos Amon, com resultados em turno e returno


O grupo C com os seguintes participantes : Marcello Rangel Schevano; Fernando Minchillo; José Reis Gonçalves de Oliveira e Rodrigo Hid com respectivos resultados em turno e returno


O Grupo D com seus participantes : Marcos Nannini; Thiago Fratuce; Jason Machado e Marcos Martines, mais os resultados de turno e returno



A Tábua de classificação encerrada da primeira fase


Segunda fase, Quadrangular do grupo E : Edil; Fernando; Bueno e Nannini; Classificados para a fase 3 : Fernando e Edil



Segunda fase, com quadrangular do Grupo F e seus participantes, Domingues; Garcia; Schevano e Martines. Esse grupo foi prejudicado pela ausência de Martines que não pode comparecer para jogar, forçando WO em suas partidas. Classificados : Domingues e Garcia



Tábua de classificação final da segunda fase. Classificados para as semifinais : Fernando Minchillo; Edil Postól; Luiz Domingues e Rodrigo Garcia



Resultados das semifinais e finais. Final disputada entre Edilberto "Edil" Postól e Fernando Minchillo, com vitória do Fernando. Premiação "vultosa" para o campeão : Cr$ 10,00 e "gorda" para o vice-campeão, com R$ 6,00



A Tábua final de classificação do campeonato de 1995. Parabéns à todos os participantes e que saudade dessas jovens tardes despreocupadas e lúdicas...



A assinatura dos Rangel Brothers, que fizeram toda a digitação do material do campeonato de 1995 : Ricardo e Marcello Rangel Schevano

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Sala de Aulas - Memorabilia - 1987 / 1999

Sala de Aulas

Memorabilia  -  1987 / 1999


Capa do Fanzine "In Rock Signo Vinces", produzido pelo marido da minha aluna, Mônica Maia, o meu amigo Dr. Nelson Maia Netto. Participei dessa edição, escrevendo três resenhas, duas de lançamentos de bandas modernas dos anos noventa (Gwar e Skrew) e uma sobre o mais recente álbum do Deep Purple lançado na ocasião. Usei um pseudônimo no entanto, o do personagem que criei, Tony Bauducco, um "italianão", "crítico de Rock"...Fevereiro de 1994



Caricaturas de alguns alunos, agregados das aulas e ícones da minha sala de aulas em 1996. Autor das caricaturas : Alexandre "Leco" Peres Rodrigues, aluno entre 1993 e 1998 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Sala de Aulas - Cartazes - 1987 / 1999

Sala de Aulas

Cartazes 1987 / 1999 


Primeiro cartaz de aulas criado, anunciando aulas de baixo; voz; guitarra e bateria, em 1987. O telefone de contato era do escritório que o fã clube da Chave do Sol usava para as suas atividades e o atendente em questão, era Eduardo Russomano (in memorian), então funcionário remunerado do fã clube da Chave do Sol 


Segundo cartaz com anúncio de aulas. Sem apoio do José Luiz Dinola e vivendo fase de "Chave sem Sol", agora não tínhamos mais o escritório da antiga Chave do Sol ao nosso dispor e os contatos para arregimentar novos alunos davam-se pelo prosaico uso de uma caixa postal. Agregou-se ao rol de professores, a figura de Fábio Ribeiro, tecladista da nova banda que formamos, A Chave. Primeiro semestre de 1988 


O primeiro cartaz "solo", já recebendo meus alunos no clássico endereço da Rua Castro Alves, no bairro da Aclimação, zona sul de São Paulo. Cartaz de 1991


Bem, quem fez o cartaz não levou em consideração que sou Luiz com Z, mas já havia a evolução em não designar-me por um apelido tão somente...cartaz de 1991, ainda nem tinha começado a minha trajetória com o o Pitbulls on Crack e mencionava-se uma banda tributo como algo importante na minha trajetória, mas na verdade, era só uma passagem recente por tal trabalho avulso


Em 1995, o cartaz ficou mais bem acabado e o curriculum agora dava destaque para a banda onde encontrava-me naquela atualidade, o Pitbulls on Crack


Uma tentativa de voltar a ministrar aulas em 2004 não logrou êxito, mas ao menos eliminei apelido e grafia errada de meu nome nos cartazes e dizia apenas o nome da banda onde era componente naquela atualidade

domingo, 15 de janeiro de 2017

Sala de Aulas - Fotos de Alunos & Agregados fora do contexto das aulas / Reencontros pós 1999

Sala de Aulas

Fotos de alunos & agregados fora do contexto das aulas / reencontros Pós 1999


Gravação do baixo no álbum da banda "Via Lumini" (LP "Voos & Sonhos"), entre 1992 e 1993 + ou -. Meu ex-aluno, Marcelo "Carioca" Dias (aluno do período 1987 / 1989), usando meu baixo Rickenbacker nessa gravação. Reconheço nessa foto o guitarrista Cesar Pacca (usando óculos, sentado à esquerda com jaqueta marrom; atrás dele e semi encoberto, o vocalista Edilson Rodrigues; e atrás do Marcelo, o baterista Fernando Loia. O rapaz de jaqueta jeans sentado à mesa, deduzo ser o técnico dessa gravação, mas desconheço seu nome. Acervo e cortesia de Marcelo Dias


Carlos "He Man" Fazano em foto promocional de sua carreira solo em 1995


Aluno Marcos Martines (aluno entre 1990 e 1991 e 1992 e 1995), em foto de 1996, visitando uma sessão de gravação do Pitbulls on Crack, no estúdio Spectrum


Encontro de Luiz Domingues com a banda do aluno Paulo de Tharso no estúdio Spectrum, em 1997. Da esquerda para a direita, na última fileira, Luiz Domingues é o terceiro, ao centro da foto. Na segunda fileira em pé : o técnico de som do estúdio Spectrum, Luiz De Caro é o segundo e o aluno Paulo de Tharso, o quarto, usando jaqueta jeans. Os demais cujos nomes desconheço, eram membros da banda de meu aluno, gravando uma demo tape nessa ocasião nesse estúdio  


Da esquerda para a direita : agregados Rodrigo Hid & Fernando Minchillo; aluno Ricardo Schevano e agregado Marcello Schevano, em foto de 1997, aproximadamente



Alexandre "Leco" Peres Rodrigues, em foto dos anos 2000, já como baixista e vocalista da banda "Klatu"


Alexandre "Leco" Peres Rodrigues gravando o primeiro disco do Klatu no estúdio Overdrive de Xando Zupo em 2005


Dr. Nelson Maia Netto (agregado das aulas desde 1992), em foto dos anos 2000 


Aluno Wildmarc Matherson (aluno entre 1997 e 1998), num reencontro com Luiz Domingues nos bastidores de um show do Pedra, na cidade de Santo André / SP, em 2009


Carlos Fazano e Marcello Schevano em foto de 1999


Aluno; membro da confraria dos "Monges" e santista, Emmanuel Barreto, em foto de 1997


Helder Pomaro, agregado das aulas desde 1996  e membro da confraria dos "Monges". Foto de data desconhecida


Wagner "Baiacu", membro da confraria dos "Monges" e agregado das aulas desde 1996


Alguns dos membros da confraria dos "Monges, em foto de 1997, aproximadamente. Da esquerda para a direita : Nathal de Oliveira; Betina; Emmanuel Barreto e Wagner "Baiacu"


Aluno Edilberto "Edil" Postól em seu ambiente de trabalho, em foto dos anos 2000 


Ex alunos, Carlos "Cali" e Marcelo "Pepe" Bueno em reencontro de 2016


              Ex aluno Thiago Fratuce em foto dos anos 2000


Agregado das aulas e baterista, Marcelo "Always" Burani, em foto de data desconhecida


             Ex-aluna Marina Yoshie em duas fotos dos anos 2000


Ex aluno Marcelo "Pepe" Bueno tocando com meu baixo Tajima das aulas, em que ele tanto estudou nos anos noventa... Santa Sede Rock Bar, de São Paulo, no dia 30 de outubro de 2016. Foto de Leandro Almeida

Marcelo Dias (esquerda), ex-baixista das bandas "Aura" e "Via Lumini" e ex-aluno meu da primeira safra que tive, entre 1987 / 1988, veio visitar-me no soundcheck de um show dos Kurandeiros no Espaço Cultural Gambalaia, de Santo André / SP, em 15 de outubro de 2017. Não se trata de uma montagem, eu realmente estou sob forte coloração verde, não por ter sido submetido à uma dose maciça de raios gama, tal qual o Dr. Bruce Banner, mas por força da iluminação de spot que estava sobre a minha pessoa, com foco dirigido. Click (selfie); acervo e cortesia de Marcelo Dias.