Pesquisar este blog

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A Chave / The Key - Portfólio 1988

A Chave / The Key

Portfólio 1988


Nota na revista "Metal", número 46, anunciando a dissolução da antiga Chave do Sol e formação de uma nova banda dissidente, denominada doravante, "A Chave", simplesmente. A leitura da imprensa sobre ser a continuidade simplesmente da Chave do Sol era / é errônea, mas dou um desconto gigante à todos, pois a situação em que colocamo-nos, caótica e digna de um imbróglio, não dava margens à uma análise mais apurada dos fatos. Portanto, nesse caso, toda vez que essa nova banda foi tratada como a "continuidade" da Chave do Sol ou como convencionou-se dizer "Chave sem Sol" na base da brincadeira ou da alfinetada via escárnio, foi compreensível, pois nós mesmo criamos a confusão.


Mais uma nota falando da confusão gerada e explicando a situação gerada como a uma nova configuração da Chave. Intenção excelente, como falei na legenda anterior. Revista "Amiga", uma publicação focada no mundo dos bastidores da TV, e muito provavelmente, talvez para o grande público consumidor dela, tudo isso passasse ao léu, ainda bem. E pelo lado positivo, que bom sair num veículo não fechado no mundo do Rock underground. Assinada por Robert Neto que era um jornalista batalhador que cavava espaço para a música underground dentro da imprensa mainstream, vide essa coluna que tinha numa revista popular, como era a "Amiga".   



Filipeta anunciando o show de lançamento do LP The Key, da Chave do Sol, mas na verdade, feito por uma outra banda com formação e identidade completamente diferentes. O elo de ligação, dava-se apenas pelo fato de haver em suas fileiras, dois ex-componentes da velha Chave do Sol, eu -Luiz Domingues- e Beto Cruz, e principalmente pela extrema necessidade de divulgar o disco da banda extinta, pois as dívidas contraídas pela produção do mesmo, urgiam. E mais um aspecto, era falsa a afirmativa de que tratava-se do show de lançamento de tal LP, pois isso já havia ocorrido em dezembro de 1987 e feito logicamente pela banda que gravou-o...



Resenha do grande Antonio Carlos Monteiro, para a revista "Metal", número 47, falando do show da "Chave" no Teatro Mambembe, em 18 de abril de 1988. Tratado como um show da Chave do Sol em nova fase, renovada, não é nem de longe culpa do jornalista, que reputo ser um dos melhores do país desde aquela época. Não sendo repetitivo, pois já expliquei isso exaustivamente na autobiografia e reforcei nas legendas acima, a confusão pelo imbróglio, foi toda nossa e a mensagem que passamos ao grande público foi bastante difícil de ser compreendida. Agora, a despeito dessa crise de identidade, a resenha descreve bem o que esse show, que tratamos de fato como a estreia dessa nova banda, foi, e o Tony Monteiro foi preciso em suas observações. E de fato, emocionei-me nesse dia no palco, pois a ovação recebida pela plateia de um teatro super lotado, com quase o dobro de sua capacidade, inclusive, foi fantástica e de certa forma teve caráter de catarse, expurgando todo o sofrimento que eu vinha passando pelo final abrupto e triste da Chave do Sol; rusga com um velho amigo, Rubens Gióia, e dificuldades financeiras inerentes ao lançamento do LP "The Key" e decorrente necessidade de montagem dessa nova banda às pressas. Como se não bastasse tudo isso, a estética artística dessa nova banda não agradava-me em nada, portanto, era uma situação bem difícil e aqueles aplausos e gritos, com direito a um coro clamando o meu nome, foram um bálsamo naquela noite a dar-me forças para atravessar essa turbulência 


Resenha assinada pelo baixista do Vodu na época e futuro empresário e agitador cultural, André "Pomba" Cagni, sobre o show no Teatro Mambembe em 18 de abril de 1988, para a revista Rock Brigade. Na mesma edição, uma nota falando da participação d'A Chave num outro evento a realizar-se, no projeto "Estação Jovem", no boulevard da estação Brás do metrô de São Paulo


Esse depoimento saiu na revista "Wanted" e no avançar de 1988. Certamente o baixista Maurício, do Ultraje a Rigor ao citar nossa banda como recomendação sua pessoal, deve ter referido-se à antiga Chave do Sol, mas eu coloco essa peça de portfólio como material desta banda, A Chave / The Key, pois não obstante o fato de ter saído em 1988, em tese, o Maurício foi assistir um show da Chave neste ano de 1988, acompanhado de seus amigos norteamericanos com os quais formara uma banda de Hard Rock oitentista, daí eu considerar que tem mais a ver com a história desta banda do que com a velha A Chave do Sol  


Na edição de número 27, da revista Rock Brigade, fui convidado a escrever uma matéria sobre o universo do baixo / baixistas etc. Não é e nunca foi minha paixão na vida, é bem sabido, pois tornei-me baixista por acaso e minha visão da música e muito diferente. A própria palavra "instrumento" que pouca gente leva em consideração pelo seu valor semiótico, na minha percepção, diz tudo, ou seja, encaro o baixo como um instrumento e dessa forma,  eu não sou nenhum entusiasta da ferramenta e tampouco de adestramento do usuário à ferramenta, que é a mentalidade da maioria dos músicos. Gosto de música e não de técnica, gosto de viajar na abstração de uma tela pintada pelo artista e não importa-me quais tintas ele usou e qual técnica de pinceladas utilizou. Gosto do resultado artístico, simples assim. Portanto, quando fui convidado pela revista, relutei bastante, pois entre outras coisas, não queria e jamais quis ter a imagem pública atrelada à de um sujeito que pensava / penso 24 horas por dia em instrumentos; amplificadores; efeitos & acessórios e muito menos preocupado em estudar alucinadamente para adquirir técnica sobre humana de adestramento ao instrumento. Mas, não podia declinar do convite, pois o staff da revista foi gentil comigo, naturalmente, e assim, escrevi. Segundo ponto, por não ser nenhum expert no assunto, e aliás, muito pelo contrário, ter parcos conhecimentos, tive que fazer um esforço para redigir um texto minimamente interessante e indo além, ainda havia a questão de ter que fazer citações de artistas contemporâneos (para satisfazer o leitor padrão daquela publicação, leia-se "da turma do Hard / Heavy oitentista"), ou seja, seara onde eu não tinha familiaridade e muito menos simpatia. Portanto, foi um desafio escrever; não desapontar os leitores e o próprio staff da revista, mas creio que consegui chegar num resultado razoável, onde não desapontei ninguém em demasia. 


Entrevista que concedi ao jornal interiorano "O Diário", de Ribeirão Preto / SP, publicada em 1º de maio de 1988. Apesar da conversa boa na redação, in loco, o jornalista não deve ter usado suas anotações de apoio e na hora de editar a matéria, valeu-se do release do LP "The Key" e aí, misturou as bolas ignorando minhas explicações ao redigir seu texto, tratando-nos como "A Chave do Sol". Bem, paciência...a confusão estava armada e ainda tratando-se de um veículo não especializado, a tendência era não entender que estávamos divulgando um disco de uma banda extinta, mas éramos outra, em realidade...fora que o sujeito chamou-me de "baixinho"...ha ha ha, de fato, tenho apenas 1.65 m., não tenho vergonha disso, mas para que citar isso ? Como diz a famosa Sandra Annenberg : "que deselegante"...


Nota no Jornal do Brasil do Rio de Janeiro, anunciando show da Chave na casa de espetáculos, "Caverna II". 12 de junho de 1988. E que valor de ingresso exorbitante, hein ? Quanto será que esse valor corresponde na moeda atual, tal quantia de "350 cruzados" ??


Uma filipeta realmente nada profissional, mas foi assim que divulgaram nosso show no Caverna II, no Rio de Janeiro, em 12 de junho de 1988. Valeu pela intenção e claro que entendo a falta de recursos da produção para providenciar um material decente


Aqui, um programa recortado da programação do Teatro Mambembe, com a indicação da data onde A Chave tocou em 12 de julho de 1988, tendo a banda Naja como abertura. A lastimar-se o erro de digitação que não separou corretamente o nome da outra banda


Uma filipeta anunciando shows no Teatro Mambembe e Centro Cultural São Paulo, em julho de 1988, também aproveitando para anunciar aulas ministradas por componentes da banda.


Resenha do show da Chave no projeto "Estação Jovem" no Boulevard da estação Brás do Metrô de São Paulo, realizado em abril de 1988, e assinada pelo jornalista Antonio Carlos Monteiro. Na mesma edição, uma citação numa nota falando da cena pesada brasileira. Revista "Metal", número 48



Filipeta de show da Chave no Dunny's Club, no dia 28 de julho de 1988 



Filipeta do show da Chave no Projeto Leste I, em meio ao Festival
"Roque no Projeto". 30 de julho de 1988. "Roque" escrito com essa ortografia, realmente forçaram...isso sem contar que o patrocinador era bizarro : uma empresa especializada em organizar festas de formaturas...



Show da Chave no festival Megafestival, no dia 17 de setembro de 1988, no Clube dos Aeroviários, em São Paulo.



Ingresso do show da Chave e outras bandas da cena pesada brasileira dos anos oitenta, no Clube dos Aeroviários, em 17 de setembro de 1988



Resenha do show da Chave na casa de espetáculos, Caverna II, realizado em 12 de junho de 1988. Revista "Metal", número 49. Assinada por Sergio Martorelli


Entrevista muito boa conduzida por João Cucci Neto, para a revista "Rock Brigade", embora eu seja obrigado a fazer uma ressalva em forma de mea culpa. Certas colocações que eu mesmo fiz, colocando mais confusão no imaginário do público, foram muito inoportunas. Não foi à toa que o editor chefe deve ter proposto esse título capcioso para a matéria, pois parecia mesmo que "atirávamos para qualquer lado", em pleno ato de desespero. Essa banda não era a continuação da Chave do Sol, tratando-se de uma nova banda, com outro nome e proposta artística diferente, simples assim...



Programa recortado da programação do Teatro Mambembe para o mês de outubro de 1988. Nota bem redigida, não nego, porém lastimo os erros ortográficos nos nomes dos componentes. Tudo bem trocar o "Z" pelo "S" em Luiz, confusão comum e tudo bem também que o segundo nome a designar-me era o apelido que aboli anos depois, mas nessa época ninguém sabia que eu tinha dissabores por conta de seu uso, mas entre tantas grafias erradas desse apelido, realmente...´"Tiguels", parece um sobrenome estrangeiro, sei lá...
Mas o pior mesmo foi o erro com o sobrenome do baterista José Luiz Rapolli..."Ramolle" parece um nome de um prato de massa italiana, convenhamos...


Resenha do show da Chave no Clube dos Aeroviários, em 17 de setembro de 1988, publicado na revista "Rock Brigade", edição número 32, assinada por André Cagni. Infelizmente ele não gostou dos exageros perpetrados pelo nosso guitarrista, numa rara manifestação nesse sentido, visto que seu virtuosismo era geralmente enaltecido pelos críticos. 



Infelizmente essa resenha do show da Chave na casa de espetáculos, Dama Xoc, em 27 de novembro de 1988, chegou-me em mãos faltando um pedaço. Mas pelo pouco que preservou-se, dá para notar que o resenhista falava bem da nossa performance nessa noite. Revista "Rock Brigade", edição de número 33


Na mesma edição de número 33 da revista "Rock Brigade", uma propaganda paga da Luthieria Tajima com a banda retratada e Luiz Domingues e Eduardo Ardanuy posando com respectivos baixo e guitarra feitos por tal fabricante. Não fiquei com esse baixo, infelizmente, e aceitaria-o de bom grado, pois era uma réplica de Fender Jazz Bass, bem feita...Foto de Carlos Muniz Ventura 

Nenhum comentário:

Postar um comentário