Pesquisar este blog

segunda-feira, 20 de julho de 2015

A Chave do Sol - Capítulo 18 - O Legado da Chave do Sol - Por Luiz Domingues

A Chave do Sol não foi a primeira banda de Rock na minha trajetória pessoal, mas foi a primeira em que eu senti-me apto a lutar pela minha meta primordial, em condições para pleitear chegar em um patamar alto, nesse objetivo. Ao considerar que o Boca do Céu, minha primeira banda, mostrara-se incipiente por ser formada por membros em absoluto início de carreira, e dessa forma, não reunir condições mínimas para aventurar-se em um estágio profissional, mesmo quando em meio aos seus esforços e progressos visíveis que apresentou, melhorou muito com o decorrer do tempo.

O Boca do Céu, minha primeira banda, formada em 1976, mas nessa foto acima, capturada em 1977

Ali, o que mais contou foi a força motriz, com o empenho para construir uma carreira sólida, e tudo isso movido pelo sonho em construir um legado artístico eterno, porém, tecnicamente a falar, a banda não reunia subsídios para tal (deixo a ressalva de que se fosse um ideal de todos, poderíamos ter crescido juntos, e a banda ter chegado em um nível de qualidade, claro). Portanto, é evidente que guardo com imenso carinho a lembrança dessa banda, pelo seu valor com o fator desbravador incrível que teve, e pela energia fantástica gerada pelo sonho em ser um artista consagrado, ao ponto de deixar nome na história.


O Língua de Trapo em seus primórdios de 1979, ao iniciar com shows improvisados em sala de aulas, no circuito universitário

O Língua de Trapo, foi uma banda que chegou merecidamente a essa fama, mas tem dois aspectos sobre tal trabalho : primeiro e primordial na minha caminhada, não foi a banda de Rock que eu sonhara ter. Aliás, nem era uma banda de Rock. E segundo, apesar de adorá-la e ter muito orgulho em ter feito parte dela como membro (em duas passagens, por sinal), não seria a concretização de minha meta primordial.

O Terra no Asfalto representou uma escola intensiva para a minha construção de carreira. Através dessa banda, consegui libertar-me de minha condição como instrumentista iniciante, e dei um salto técnico vertiginoso como músico, ao preparar-me para buscar enfim uma carreira na música e no Rock, em específico.

Mas foi uma pena... uma banda por onde passou guitarristas fantásticos; um tremendo tecladista; ótimos bateristas; e vocalistas bons, não tinha nenhuma intenção em fazer nada além de tocar "covers" pela noite, portanto, orgulho-me e sou agradecido ao extremo por ter tocado nessa banda, mas ela só serviu-me na prática, como uma escola viva de Rock.


Então, onde quero chegar, é que na minha história, tais experiências pregressas são muito queridas e importantes na minha formação, mas foi na Chave do Sol que realmente cheguei ao ponto de resgatar o sonho de 1976, iniciado com o Boca do Céu, ao formar uma banda de Rock autoral, e cercada dos mais belos ideais do Rock.

Em seus primórdios, A Chave do Sol nasceu sem grandes preocupações mercadológicas, portanto, no meio de um vulcão que emitia larva antagônica a dilacerar-nos, entretanto, não preocupávamo-nos nem um pouco com isso. Em 1982, o cenário era favorável ao Pós-Punk a comandar o mundo do Rock mainstream (e que perdurou pela década de oitenta inteira, praticamente), e grande parte do underground, também. Portanto, ao criarmos uma banda ainda sob valores sessenta / setentistas nítidos, fomos no mínimo, imprudentes. Mas, orgulho-me muito desse movimento inicial ter sido feito sob tal pureza de propósitos. Vibrávamos ainda sob a égide "Woodstockeana" de Jimi Hendrix e seus pares sessenta / setentistas, e assim foram nossos primeiros momentos tanto nos primeiros shows, quanto na criação de nossas primeiras composições. Eu e Rubens criamos esse marco inicial por volta de julho de 1982, e após uma tentativa frustrada para arregimentar um primeiro baterista, logo a seguir, convocamos José Luiz Dinola, que encaixou-se como uma luva em nossa banda. Tal defasagem de uns poucos dias, não tira o seu posto de cofundador da banda, de forma alguma, e assim o considero, é lógico.

Da loucura em realizar o primeiro show com um vocalista famoso como um contratado (Percy Weiss), até a entrada de uma joia bruta, caso de Verônica Luhr, tudo foi empolgação, vibração, e eu sentia-me novamente nos anos setenta, quando sonhei em ter uma banda de Rock nos moldes similares às que ouvia e amava : a nata do Rock 1960 / 1970, a desfilar em meu imaginário juvenil, como ideário, só que agora, seria real, eu tinha enfim uma banda em condições de brigar por um lugar no patamar do Rock profissional brasileiro. Ascendemos de uma forma surpreendente para uma banda iniciante e desconhecida, e logo estávamos a tocar em casas noturnas sofisticadas de São Paulo, para convivermos com ídolos setentistas que tínhamos, e a turma emergente do BR Rock 80's.

Se tivéssemos tido a sorte de algum produtor influente a descobrir-nos nessa fase, tudo teria sido diferente. Provavelmente teríamos contrariado-nos muito na época com a interferência brutal no nosso som e visual; teríamos chorado no salão de barbeiro ao ver nossas longas cabeleiras setentistas sendo cortadas impiedosamente, mas com uma cantora sensacional como era a Verônica Luhr, em nosso grupo, o potencial Pop que tínhamos, seria total. Todavia, isso não aconteceu e nosso primeiro grande "boom" na carreira, ocorreu quando da primeira oportunidade em tocar ao vivo, em um programa de TV, em julho de 1983, na formação como trio.

Demos muita sorte pois tal programa, chamado, "A Fábrica do Som" mostrava-se democrático ao extremo. Sem o odioso jabá mafioso por trás, ali, artistas desconhecidos como nós, tinham chances concretas para mostrar o trabalho, e mais que isso, o público padrão que lotava as dependências do teatro Sesc Pompeia, onde ocorriam as gravações de tal programa, não era formado pela "intelligentzia" do Pós-Punk em voga, portanto, em meio à Hippies; "Bichos-Grilo"; seguidores de Raul Seixas & Freaks defasados em geral, o nosso som, ainda pleno de signos setentistas foi ovacionado espontaneamente e aí, tivemos o nosso primeiro impulso a tirar-nos do anonimato.

Mais convites para apresentarmo-nos na TV; o portfólio a crescer e a perspectiva de lançarmos um disco, enfim. Eu já havia gravado antes em estúdio, mas a sensação em ter finalmente o primeiro disco de uma banda minha, autoral e versada pelo Rock, foi indescritível nesse momento ocorrido em 1984. Mas aí já estávamos na luta, e as preocupações menos pueris e sonhadoras em contentar-se com tal esplendor por ter realizado um sonho acalentado, já não podia nortear os passos e as preocupações, com o gerenciamento da carreira a colocar-se em outros questionamentos. E nesses termos, estarmos atentos aos movimentos do tabuleiro da cena artística, fazia-se mister.

Já não havia nenhuma possibilidade em retroagirmos e abraçarmos uma estética da qual não concordávamos, mas que dominava a cena, portanto, nossas esperanças colocaram-se nos boatos de que outra estética (que igualmente não apreciávamos, mas seria um pouco mais confortável para nós), teria chances na mídia e indústria fonográfica doravante, e seguramente após a realização do festival Rock in Rio em 1985. Para tal aposta, incutimos na nossa mente que precisávamos de um vocalista com garganta forte e presença de palco.

E lá fomos nós a procurar esse elemento de uma maneira frenética... então, veio Chico Dias, um garoto gaúcho que tinha potencial mas muito imaturo, não segurou a oportunidade. Demos sorte e logo a seguir, pois um dos maiores da cena pesada, esteve disponível, e logo veio trabalhar conosco.

O som ficou pesado demais e corremos riscos com tal orientação inteiramente nova em nosso direcionamento artístico. E de fato, gravamos um novo disco a seguir, e três coisas ocorreram : a onda pesada que insinuava-se tornar-se um modismo no Brasil, simplesmente não aconteceu; os fãs antigos não gostaram do novo som e a bronca sobrou para Fran Alves, um grande cantor, e que foi injustamente vilipendiado. E os adeptos dessas sonoridades pesadas não enxergavam-nos como um membro da sua confraria... portanto, não angariamos novos fãs e desagradamos os antigos...

Mais uma rápida e radical mudança, saiu Fran Alves e entrou Beto Cruz. Com ele, a proposta pelo Hard-Rock mais ameno e pelo Pop radiofônico passou a ditar o nosso rumo, ao final de 1985. Tal fase levou-nos para outro patamares, é verdade. Um grande contingente de novos fãs agregara-se e como resultado, essa etapa formou ao lado da fase do trio de marcado pelos longos temas instrumentais e setentistas, as duas mais queridas pelos fãs do trabalho em geral. A ascensão foi enorme; as chances multiplicaram-se; os shows não só lotaram, mas superlotaram, batemos recordes em teatros, casas noturnas e festivais de grande porte. O portfólio não parava de crescer... mas então o telefone já tocava espontaneamente, e sempre a trazer-nos oportunidades, cada vez maiores.

Eis que surge no horizonte um escritório de empresários a insinuar-se com porte e contatos. Estávamos a explodir, e o "momentum" só precisava ser agarrado por mãos experientes que fizessem dele, o passaporte para voos maiores... mas tais mãos em que depositamos nossas esperanças, eram inábeis, e o "momentum" escapou pelos dedos...

Agora bastava apenas retomar o fio da meada perdida, parecia fácil... tínhamos muitos fãs no Brasil inteiro; o respeito da mídia, credibilidade musical e artística... entretanto, outras portas fecharam-se a nossa frente, e isso trouxe o desânimo, a desconfiança e o cansaço. Tais fatores nocivos abriram campo para sentimentos pessoais a deparar em contrariedades e o emocional da banda foi minado.

Nosso baterista, José Luiz Dinola, não aguentou a pressão desses tempos e anunciou saída da banda. Mais uma duro golpe, aliás, uma amputação, ao meu ver.

O último esforço foi empreendido e um LP gravado e lançado ao final de 1987, mas tudo acabou-se sob uma noite permeada por desavenças geradas por mal entendidos, e com o perdão pelo clichê surrado, o nosso sonho acabou... o meu não, continuei a persegui-lo em outros trabalhos e recuperei a pureza dos meus anseios construídos em minha adolescência vivida nos anos setenta, através do Sidharta e da Patrulha do Espaço, muitos anos depois.

Mas ao citar A Chave do Sol, sim, próximo das festas de natal e reveillon de 1987, estava tudo acabado...

Orgulho-me muito desse trabalho e dessa banda, por tudo que já expus, amplamente. Lamento o final abrupto, com enorme prejuízo emocional para todos. E claro que muito emociona-me ter a amizade restabelecida com o Rubens, conforme já contei, e ter bom relacionamento de amizade com Zé Luiz Dinola e Beto Cruz, igualmente. Percy Weiss (apesar da sua curtíssima passagem pela banda), e Fran Alves, não estão mais entre nós, infelizmente.
Verônica Luhr, e Chico Dias, não os vi mais, desde que saíram da banda em suas respectivas passagens pela banda. 


A seguir, as considerações finais (incluso tentativas de volta nos anos seguintes), e os agradecimentos aos membros, e a todos que gravitaram na nossa órbita.



Várias tentativas de volta da banda à tona, ocorreram ao longo dos anos e até recentemente houve conversa nesse sentido (2015), momento em que escrevo este trecho e publico-o nos meus Blogs 2 e 3. Já em 1989, o Zé Luiz procurou-me e disse que o Rubens queria voltar com a banda em sua formação clássica, como trio e pediu a ele, Dinola, para sondar-me. Eu estava nessa época a um passo de deixar a dissidência que formou-se das cinzas da Chave do Sol, e só cumpria o compromisso firmado com o Beto para gravar o álbum dessa banda, para não deixá-los desamparados, mas não achei positivo voltar com A Chave do Sol ainda a viver esse impasse por estar em banda surgida por sua própria dissidência. Hoje em dia, acho que tal percepção foi equivocada de minha parte, e em nada macularia a ética, o ato de voltar para a minha própria banda, e nesse caso, creio que o Beto não ficaria chateado, pois ele sabia que eu estava insatisfeito com o rumo estético / artístico dessa banda dissidente.  
A volta da Patrulha do Espaço ao final dos anos oitenta, com Rubens Gióia na guitarra, ao lado de Rolando Castello Junior e Serginho Santana

O Rubens possuía uma data na casa de shows, "Dama Xoc", que era bem conceituada na época e poderia ter sido uma volta em grande estilo, sem dúvida alguma. Mas logo após comunicar que minha decisão fora a de não aceitar a proposta, ele recebeu convite do Rolando Castello Junior e foi participar de uma outra volta, ou seja, a reunião da Patrulha do Espaço, com ele a ocupar a guitarra.
Na início dos anos 2000, Rubens e Zé Luiz mais uma vez procuraram-me. A Chave do Sol, mesmo sem existir mais, fora convidada a participar do programa, "Musikaos", da TV Cultura de São Paulo. Fazia muito sentido que a nossa banda estivesse em uma edição desse programa, pela sua ligação umbilical com a velha "Fábrica do Som", onde fôramos de fato, revelados ao grande público.

Mas nessa época, fui a estar na Patrulha do Espaço, naquele momento, e mais um desencontro ocorreu, portanto. Porém, a Chave do Sol apresentou-se com um baixista substituto, e um vocalista. Infelizmente, e eu nem sei o motivo, tal formação da banda não teve planos de retomada oficial, mais a parecer ter sido montada apenas para cumprir o compromisso da TV. Poucos anos depois, o Rubens ligou-me. Já não havia nenhum constrangimento em mantermos novamente um contato cordial, mas também, ainda não havíamos restabelecido a amizade plenamente, como deveria ser. Contudo, mesmo sem o clima de companheirismo de outrora, conversamos em um tom amistoso. Ele acenava com oportunidades para shows revival de bandas dos anos oitenta, contemporâneas nossas, primeiramente em uma casa noturna do bairro de Moema, na zona sul de São Paulo. Mas eu estava no "Pedra" e realmente o momento não seria bom para acumular um trabalho a mais, mesmo que neste caso, a tratar-se de uma banda que fora muito importante na minha história pessoal, sob uma forma muito intensa. Chegamos a realizar um ensaio em 2005, no estúdio Overdrive, pertencente ao Xando Zupo, onde o Pedra ensaiava e gravava, mas não achei confortável levar adiante aquela situação, e assim declinei do convite. Todavia, não deixei ninguém frustrado com a minha decisão, pois o Dinola e o Rubens não queriam fazer o show no formato em trio, e com o Beto a residir nos Estados Unidos, ficou aquele impasse sobre ter que arrumar-se um vocalista, com a tendência dessa situação a arrastar-se, e assim, foi quando eu desisti. E de fato, não aconteceu nada. Dois anos depois, a cidade de São Paulo já promovia a sua famosa "Virada Cultural", e o Rubens tinha bons contatos na Secretaria de Cultura Municipal, portanto conseguiu agendar A Chave do Sol no evento, mesmo com a banda na situação de simplesmente não existir mais. Fui convidado, e agradeci por isso, é claro. Todavia, estava empenhado em gravar o segundo álbum do Pedra, e tive que recusar a gentil oferta. Dinola e Rubens recrutaram outros músicos, e apresentaram-se no Palco Rock do evento, com um público muito grande a assisti-los. Alguns anos depois e o Luiz Calanca procurou-me no inbox do Facebook, e disse que queria o trio original da Chave do Sol para um show que produziria na Galeria de Vidro, um pequeno espaço em anexo ao Teatro Olido, no centro de São Paulo, onde ele foi o seu curador. Foram muitas conversações, mas eu declinei mais uma vez do convite, pois sabia que o Dinola não queria participar desta feita e seria portanto uma Chave do Sol "capenga". Em conversas reservadas com o Rubens, incentivei-o muito a remontar a banda com novos músicos, mas não para realizar shows sazonais e meramente saudosistas, entretanto, para mergulhar em um trabalho novo e sustentável.

Foto de um ensaio que Rubens Gióia promoveu para esse show, que cito acima, realizado em 2012     

Ele montou um grupo bom, com o ex-guitarrista do "Inox" e também tecladista, Fernando Costa, no baixo; o vocalista, Acqua Calomino (ex-Nock-Out), que é muito bem conceituado na noite paulistana, ao realizar covers e shows tributo a bandas clássicas do Rock, e um bom baterista chamado, Pedro. Infelizmente, ficou só por essa apresentação, em 2012.

No ano de 2014, Rubens esteve presente em uma apresentação dos Kurandeiros, onde eu estava a tocar desde 2011, em uma casa noturna na zona norte de São Paulo, e novamente fez-me uma proposta sobre a nossa banda. Desta feita, queria entrar em estúdio e gravar músicas inéditas que disse-me ter à disposição, e a versão de "Saudade", canção de 1986, que nunca gravamos oficialmente em discos (por haver apenas duas versões provenientes de duas demo-tapes). A ideia em si não foi má, mas eu contra-argumentei que se ele estava disposto a investir dinheiro, seria mais válido então que auxiliasse-me no resgate de material antigo, pois em plena ação para preparar esta autobiografia, gastei e tenho gasto dinheiro em resgatar material de áudio e fotos para compor estes capítulos. Mas ele não achou boa a ideia, e tudo bem, mantive o projeto sozinho e como registro, anuncio que arrumei apoio de uma produtora, e já tenho resgatado muito material inédito, e vou resgatar ainda mais. E sobre a repercussão da banda na mídia, após o seu término oficial em 1987, ele continuou a existir, aliás até os dias atuais. Por exemplo, alheios à informação de que havíamos parado e a confundir com a dissidência formada, muitas matérias e resenhas avançaram sobre 1988, ainda a falar com entusiasmo da nossa banda. Já mostrei um apanhado sobre tal repercussão midiática em capítulos anteriores. Agora, avanço um pouco mais, a falar sobre algum material publicado, bem depois da dissolução oficial da banda, em 1987.

Em 2001, portanto muitos anos depois do final oficial da banda, o produtor fonográfico, Luiz Calanca, reuniu o áudio do compacto de 1984 e do EP de 1985 e assim promoveu o lançamento em CD de ambos, com uma capa caprichada e dupla, ao conter as capas originais dos dois álbuns, e suas respectivas fichas técnicas. Além disso, há um texto em adendo, assinado pelo jornalista, Ricardo Batalha, a discorrer sobre a história da banda. Claro, com tal lançamento, suscitou alguma notoriedade na mídia, ao sair material a respeito.






Em 2011, mais ou menos, fui abordado pela viúva do vocalista, Fran Alves, Sandra Alves, ao contar-me que um rapaz havia procurado-a e queria contato com os ex-membros da banda para que o autorizássemos a criar um Blog sobre a nossa banda. Ora, de minha parte, claro que podia e desde desse momento, esse rapaz conhecido, como Will Dissidente, realiza um trabalho magnífico. Considero o Blog A Chave do Sol, como um completo museu vivo sobre a banda. Claro que colaboro com material; esclarecimentos; e minha autobiografia serve-lhe de base para a história da banda que ele vem a publicar aos poucos, sob sua ótica, e no uso de suas próprias palavras. Muito alvissareiro ter esse apoio, portanto !

Visite o Blog, A Chave do Sol :
http://achavedosol.blogspot.com.br/


Acima, a mega reportagem a narrar a história da Chave do Sol, publicada no ano de 2015, em duas edições da revista, "Roadie Crew", e assinada pelo grande jornalista, Tony Monteiro

Recentemente (2015), o nosso querido amigo, Tony Monteiro, que tanto deu-nos força nos anos 1980, quando foi jornalista das revistas "Roll"; "Metal" e "Mix", abordou-me por E-mail e solicitou uma entrevista sobre A Chave do Sol, que foi publicada na revista, Roadie Crew, onde trabalha há muitos anos. Tal matéria foi dividida em duas partes dessa publicação (números 198 e 199, respectivamente de julho e agosto de 2015). Portanto, além das ações do Blog da Chave do Sol (liderado por Will Dissidente), e da minha autobiografia publicada em dois Blogs, tivemos neste segundo semestre de 2015, uma reportagem dupla, em uma revista impressa, com circulação nacional, e notoriedade no métier do Rock. Muito bom constatar que três décadas depois, o trabalho ainda repercuta.

Reta final deste que é um dos, senão o mais longo capítulo de minha autobiografia, ao contar toda a minha trajetória com A Chave do Sol. Sobre o que significou essa banda na minha caminhada, acho que ao longo de toda narrativa já exprimi com detalhes, e em cada pormenor desses, está embutida a emoção inerente. Tivemos muita gente valorosa ao redor da banda, que trabalhou conosco direta ou indiretamente, muito apoio voluntário, sempre bem vindo e mesmo pessoas que não contribuíam de forma ativa, mas vibravam positivamente pelo nosso êxito. Espero não esquecer-me de ninguém que gravitou em nossa órbita, nesses cinco anos, entre 1982 e 1987, e claro, fica a ressalva que nos Blogs 2 e 3, a coleta de materiais inéditos, está sempre aberta a reedições. Peço desculpas antecipadas por esquecimentos, portanto e também se mencionarei apenas nome ou sobrenome, ou mesmo apelido de pessoas, em alguns casos onde o nome completo, fugiu-me.

A falar do início, em 1982... 


Creio que a primeira personagem que merece menção, seja a Dona Sabine, a proprietária do Café Teatro Deixa Falar. Claro que foi de forma indireta, e meramente ocasional, mas graças a ela, eu fui apresentado ao namorado de sua filha, Mônica Maya, um jovem guitarrista chamado : Rubens Gióia. Se não fosse por seu intermédio, esse encontro jamais teria acontecido, e provavelmente não teria existido a nossa banda. Menciono também o marido de Dona Sabine, o senhor Custódio, que sempre recebeu-nos bem nas dependências do Café Teatro Deixa Falar e também no incrível antiquário que a família possuía na Avenida Brigadeiro Luiz Antonio.

Agradeço ao Edmundo, um bom amigo e que teve a boa vontade em apresentar-se como baterista, sob um convite meu. Não deu certo, mas ele sempre foi um bom amigo, que apoiou-me desde os primórdios do Terra no Asfalto, em 1979, quando o conheci.

Com a banda a dar seus primeiros passos, uma turma de amigos que o Rubens havia conhecido em uma escola em que estudara na Vila Pompeia, acompanhou-nos de forma fiel, do primeiro show, até 1985, com uma dispersão gradual, daí em diante. Esses rapazes eram rockers, e apoiaram a nossa banda de uma forma apaixonada, ao prestar-nos um apoio extraordinário. Foram roadies; carriers; divulgadores; faziam torcida uniformizada nos lugares onde tocávamos, e até atores em espetáculos que fizemos, enfim, tornaram-se apoiadores, sem reservas, sob sol; chuva ou frio...

Nessa foto de 1984, em pé, da esquerda para a direita alguns desses que estou a citar : Zé Luiz Dinola e Eliane Daic; Sergio de Carvalho; Hélio; Rubens Gióia e Monica Maya. Agachados : Daniel Negrão; Luiz Domingues; Claudio D. de Carvalho e Chico Dias

Claudio D. de Carvalho ("Capetóide); Celso "Esponja" Bressan; Sergio de Carvalho; Daniel "Papel" Negrão; Iran Bressan, Carlos Muniz Ventura ("Carlão"); Aníbal; Seiji (Renato) Ogawa & Kaku Ogawa. Esses jovens ajudaram-nos demais em vários aspectos, mas principalmente pela amizade e sincero apreço pelo trabalho que construímos. Da parte do Zé Luiz, agregaram-se à banda os seus então cunhados, irmãos de sua namorada na época (Marly Ogawa), os irmãos Seiji. Seiji Ogawa (Renato), tornou-se o nosso primeiro fotógrafo, e mesmo por ser amador, teve o enorme mérito em registrar os momentos iniciais da nossa carreira, e até a nossa primeira sessão de fotos promocionais, foi realizada por ele, em 1983.

Rolando Castello Junior já era muito famoso e a Patrulha do Espaço estava em um patamar bem acima do nosso, mas sua solidariedade em ajudar-nos nos primeiros momentos difíceis, ao emprestado-nos o equipamento da Patrulha do Espaço para podermos atuar ao vivo, nunca poderá ser esquecida, e será sempre objeto de minha gratidão.

Wagner "Sabbath", em foto dos anos oitenta, do acervo do poeta Julio Revoredo

Falarei detidamente sobre o poeta, Julio Revoredo, depois, pois o considero um membro honorário da banda, mas uma pessoa muito ligada a ele, precisa ser citada, o Wagner "Sabbath", um rapaz obstinado, que perseguiu o seu objetivo em tornar-se um vocalista de banda de Rock, mas que foi também muito alegre e prestativo. Foi até "segurança" nosso em algumas circunstâncias (relatadas em capítulos anteriores), quando o seu porte físico avantajado auxiliou-nos nesse sentido.

Em 1983...

Quando entramos no Victória Pub, no início de fevereiro de 1983, conheci, Paulo Zinner; Raul Müller & Nelson Brito. Nas circunstâncias em que adentramos aquele ambiente, jamais esquecer-me-ei da solidariedade do Nelson Brito em ceder-me seu amplificador, para os quatorze shows que ali fizemos, e ele nem conhecia-me ainda. Tal dívida de lealdade ficou eterna e mesmo quando tive a chance em retribuir a gentileza, muitos anos depois, ao emprestar o meu equipamento para ele gravar um álbum do Golpe de Estado, emocionalmente a descrever, acho que não quitei minha dívida. Sempre ajudar-lhe-ei, até a eternidade.

A equipe de produção do programa, "A Fábrica do Som", tratou-nos com enorme carinho. Fora o fato do programa ser 100% ético e não ter nenhuma contaminação mafiosa, como todos os programas de TV, tem hoje em dia, depois que tocamos pela primeira vez, a camaradagem sempre foi muito grande, ao ponto de nós termos tocado também em uma edição que não foi ao ar, e sob condições técnicas deploráveis (relatado com detalhes, muitos capítulos atrás), só para ajudá-los em um momento muito difícil, onde até uma tragédia poderia acontecer, pelo fato da filmagem ter sido cancelada, mas com mil e quinhentas pessoas dentro do teatro, a ansiar pelo espetáculo. Entre mais de seis pessoas que compunham essa produção, lembro-me mais detalhadamente do Pedrão (acho que o sobrenome dele era "Costa") e Cristiane Macedo.

Um personagem sensacional que entrou na nossa vida e muito ajudou-nos, chamado, Luiz Carlos Calanca, merece todo o enaltecimento de nossa banda. Creio que no decorrer do relato sua pessoa foi citada e exaltada muitas vezes. E dentro dessa "família Baratos Afins", outras pessoas generosas, vieram no embalo : Vitória Calanca, sua esposa, por ter sido uma pessoa muito prestativa e carinhos,a para com a nossa banda; seu irmão, Carlos Calanca, um rapaz sempre bem humorado e vários funcionários da loja, que mais ou menos, também afeiçoaram-se à nossa banda.

Sobre 1984... 


Foto das sessões de gravação do compacto de 1984. Robson T.S. é o rapaz a usar bigode, ao fundo

De imediato, sou grato ao técnico, Robson T.S., que operou o som e mixou-o na gravação de nosso primeiro disco. Sua boa vontade em auxiliar-nos, foi tremenda e nessa gravação, além de não sermos experientes em estúdio, fomos gravar de peito aberto, sem fazer pré-produção e a arriscar em ter à nossa disposição um técnico alheio, ou arrogante & manipulador, ou simplesmente por não gostar do nosso trabalho e dar-nos um tratamento gelado. Por sorte, nada disso ocorreu e ele foi solícito; interessado; paciente, e deu seu máximo para sairmos dali com o melhor áudio possível para o nosso disco de estreia. Estendo o agradecimento ao técnico chamado, "Primo", que deu seu auxílio, além do Caio Flávio, ex-vocalista do "Made in Brazil", que acompanhou as sessões e também ao grande baixista dos "Pholhas", Oswaldo Malagutti Jr., proprietário do estúdio Mosh, e que abriu-nos as portas do seu estabelecimento. 


Agradeço a Fabio Rubinato e Seiji Ogawa que auxiliaram-nos com sessões de fotos que ilustraram a capa do primeiro compacto.

Um super agradecimento à Beth Dinola, irmã do Zé Luiz e que criou a ilustração e fez o lay out da capa desse compacto. Beth era (é) uma artista plástica talentosa e sua torcida para ver a banda em crescimento, foi muito emocionante para nós, ao lado de seu filhinho, Victor Dinola, então com sete anos de idade e que assistiu muitos ensaios e shows da nossa banda.

Nessa foto acima, de 1986, Eliane "Lili" Daic, prepara a pólvora em um ponto de explosão, para mais um efeito a ser detonado no show.

Eliane Daic, foi namorada do Zé Luiz, do início de 1984, até meados de 1987, e envolveu-se com a banda mais diretamente a partir de 1985, quando assumiu como nossa produtora executiva. Sou-lhe grato pela ajuda que prestou-nos nessa função, e também pelas tarefas realizadas em prol do fã clube.

Nessa foto recortada, acima, Edgard Puccinelli Filho em 1986, no camarim do Teatro Mambembe, em um show da Chave do Sol

Edgard Puccinelli Filho, vulgo "Pulgão", era nosso amigo, que tornou-se roadie, e assessor de merchandising. Seu ponto forte mesmo foi como um performer. Figura exótica por natureza, com talento latente para ator, chamava a atenção pelo seu comportamento excêntrico e histriônico, e claro que assim tornou-se um chamariz ambulante, e portanto uma figura ideal para comandar as vendas de merchandising e relações públicas do fã clube, a angariar adesões de novos membros para o nosso fã-clube, nos locais onde realizamos shows. Culminou em participar com uma parceria, pela letra da música, "Anjo Rebelde", primeira faixa do EP de 1985.

Soraia Orenga e Rosana Gióia, juntas de nós, a gravar os backing vocals da música : "Luz". Janeiro de 1984 

Agradeço a Soraia Orenga, e a irmã do Rubens, Rosana Gióia, por atuar como convidadas na gravação dos backing vocals desse compacto.

Dalam Junior; o casal de jornalistas, Mirna & Roberto Casseb, Antonio Celso Barbieri e Orlando Lui, pela produção do evento "Praça do Rock", onde apresentamo-nos várias vezes, e sem dúvida alguma, foi um polo que muito ajudou-nos a impulsionar a nossa carreira.

Canrobert, um tremendo técnico de som; solícito, gentil e que muito ajudou-nos

Canrobert foi um técnico de som sensacional que muito auxiliou-nos dentro do Teatro Lira Paulistana e em alguns shows fora, também. Agradeço e tenho saudade não só de seu trabalho de primeira qualidade, como das boas conversas e risadas que tivemos juntos.

A grande produtora musical, Cida Ayres, em foto bem mais atual
 

Cida Ayres, produtora executiva do Língua de Trapo, que afeiçoou-se à nossa banda, e muito ajudou-nos nesse ano de 1984, abrindo portas para shows com maior envergadura. Estendo o agradecimento ao grande cartunista, Chico Caruso, que ajudou-me e à Cida, em uma produção no Rio de Janeiro, em prol da Chave do Sol, nesse ano.   

Hélcio Junior, um fã que tornou-se amigo, e que muito auxiliou-nos nesse período, entre 1983 e 1984.


Débora, minha namorada por um curto período nesse ano de 1984, e que acompanhou-me em algumas ocasiões. Graças a ela, ganhei um cunhado adolescente que candidatou-se a roadie da banda, chamado, Hélio...
Hélio, um rapaz que quis ser roadie, mas que ficou pouco tempo na equipe de apoio técnico da banda. Grato por isso, mas já falei e repito : aquela fita K7, a conter um show completo e com a presença do vocalista, Fran Alves aos vocais, foi um registro único dele, ao vivo conosco... portanto, lastimo muito ter emprestado-lhe essa joia rara em 1989, com a promessa de devolução imediata, mas que até hoje (2016), ainda não recebi de volta...

No ano de 1985... 

Grato pela tentativa em fazer algo maior pela cena, sr. Mário Ronco. 

Antonio Celso Barbieri, em foto de 2015, quando lançou seu livro, "O Livro Negro do Rock", em São Paulo

Antonio Celso Barbieri já era nosso conhecido desde 1984, mas foi a partir de 1985, que mais pudemos interagir juntos. Sua capacidade e iniciativa para concretizar shows, festivais e agitos em geral na mídia, foram notáveis. Sua lisura no trato conosco, exemplar, e só posso lamentar o fato de que ele não nutrisse vontade em ser um empresário exclusivo de um artista e no caso, nós, pois teria sido o manager ideal (assim como, Jerome Vonk, outro empresário que eu admirava). Tudo o que ele fez e onde nós estávamos inseridos sob a sua produção, foi bem feito.

Luiz Calanca teve papel ainda maior em 1985, como produtor geral do nosso segundo disco. Dentro das possibilidades de uma gravadora pequena como a Baratos Afins, ele deu 110% de seu apoio, eu diria.

Obrigado, Daril Parisi, pela força no estúdio, ao gravar teclados em nosso disco. Está lá eternizada essa sua camaradagem em forma de arte.



Nico & Luiz pelo suporte técnico nas gravações do EP, no estúdio Vice-Versa. Zé Luiz : grato pelo seu intrépido baixo Giannini que imortalizou...”Um Minuto Além” !
Líbero, pela capa do disco, embora tenhamos tido muitos dissabores com tal lay-out, mas como deixei claro na narrativa, o isento completamente disso !    

Marta Rocha, que namorou-me nesse ano, e assistiu alguns shows da banda, ao apoiar-me.

Cristiane Macedo, pela tentativa em ser nossa empresária. 

O rapaz, filho de um industrial, que tentou auxiliar-nos com ideias no campo da logística e tentativas para atrair formadores de opinião em nosso favor. 

Rodolfo Tedeschi, o "Barba", pela força com seus clicks e companhia sempre prazerosa para nós.



Bocato, o trombonista superb e sua paciência mastodôntica para transcrever nossas músicas para um possível songbook...

No ano de 1986...

Beto Cruz trouxe uma força tarefa formada pelos seus irmãos quando entrou na banda. Ele tinha cinco irmãos, e pelo menos dois deles, Marcos e Claudio Cruz, foram muito presentes na vida do nosso grupo daí em diante, ao auxiliar-nos em muitos aspectos. 


Aos rapazes da produtora, "Galeria" (Rene Mina Vernice e William), que tiveram muita boa vontade e bons planos para empreender ações, mas que infelizmente careceram de uma infraestrutura para dar vazão maior aos seus / nossos anseios.



À Editora Três, pela iniciativa do poster, lançado nesse ano.

Sou muito grato à produção da TV Cultura que convidou-nos espontaneamente para produzir um vídeoclip para a música "Sun City". Em uma década onde ter um bom clip na TV, foi tão ou mais importante que um bom disco, tal oportunidade revelou-se assim a nossa honrosa salvação para não passarmos em brancas nuvens na carreira, nesse quesito.      

Eduardo Russomano, fora um fã que tornou-se amigo, e daí a roadie e funcionário remunerado do fã-clube, foi uma consequência natural. Um dos sujeitos mais bacanas que conheci não só em termos de carreira, mas na vida, foi solícito; extremamente educado e gentil, sempre. Continuamos amigos depois que banda acabou e por volta de 1991, ele contou-me que havia contraído  uma doença hepática que não era leucemia exatamente, mas algo derivado e não identificado nos anais da medicina. Tanto que seu tratamento foi feito na Unicamp, pois os médicos & cientistas queriam entender o que seroa aquela estranha e desconhecida variante da leucemia. Mantivemo-nos a conversar por correspondência, e ele mudou-se para Santos, por volta de 1992. De repente, as cartas rarearam, e sob um dia de 1995, recebi o telefonema de uma moça que identificou-se como sua namorada e ela deu-me a notícia de seu falecimento. Era muito jovem e extremamente solidário. Foi a primeira perda de alguém que fora muito próximo da Chave do Sol. E lastimo muito não ter nenhuma foto dele sequer, para ilustrar esta autobiografia, nos meus Blogs.

Clemente Nascimento e Ronaldo Passos, dos Inocentes; e Charles Gavin, dos Titãs, foram artistas que já estavam no mainstream, militavam em estéticas antagônicas à nossa, mas que muito ajudaram-nos, ao tentar, com suas forças e influência, puxar-nos para o mundo das gravadoras majors, do mainstream. Não lograram êxito por diversos fatores, mas sua tentativa em termos de uma ajuda abnegada, foi muito positiva e os três, tem meu agradecimento eterno por isso.

O ótimo técnico de som e gentleman, Clóvis Roberto da Silva, em foto bem mais atual
                              
Clóvis Roberto da Silva, o técnico gente boa, que muito auxiliou-nos a gravarmos a segunda demo-tape de 1986. 


Mário e Rosana Abud, que formavam um casal mega simpático e que abriu seu apartamento localizado no bairro do Cambuci, na zona sul de São Paulo, para receber Rockers de várias bandas da cena oitentista, para jantares regados a sessões de vídeos incríveis. Não somente A Chave do Sol, mas várias bandas da cena, são muito gratas a ambos, não só por esses convites marcados pelo cunho sociocultural, mas também pelo maciço comparecimento em quase todos os shows, sempre a apoiar-nos, sem reservas. 

Adriana, que foi minha namorada nesse ano e graças a ela, conheci o tecladista, Nelson Ferraresso, ao ter visitado graças a ela que conhecia, e por pura coincidência, o ensaio de sua banda, o "Sigma", lá na Freguesia do Ó, bairro da zona noroeste de São Paulo, e sem imaginar que trinta anos depois, tocaria com ele muitas vezes com os "Kurandeiros"... grato também por isso, Adriana !


OK, o Studio V prejudicou-nos muito, em vários aspectos, mas ao analisar trinta anos depois (2016), não acho que tenha sido por maquiavelismo da parte deles, mas um misto de inoperância com más estratégias em paralelo, e que minou-os para pensar e agir sobre a nossa carreira, com foco e eficiência. Talvez se não tivessem gastado tanto dinheiro com um pseudo artista como aquele cantor pop lusitano e ridículo, tivessem equilíbrio para lutar por nós. Enfim... sendo assim, agradeço à Miguel Vaccaro Netto; Sonia Carlos Magno; Antonio "Toninho" Ferraz; Arnaldo Trindade e Maria Amélia. 

Ricardo C. Aszmann era um garoto adolescente ainda, quando abordou-nos, para pedir-nos permissão para fundar um fã-clube da Chave do Sol, no Rio de Janeiro. Claro que aceitamos, e toda ajuda seria bem vinda. Ele de fato fez muitos esforços nesse sentido, mas foi além e tornou-se um grande incentivador e colaborador entusiasmado da nossa banda, no Rio, ao dar-nos dicas e até a abrir importantes frentes de divulgação e trabalho. Nossa amizade perdurou nos momentos pós-Chave e mantivemos comunicação por cartas e telefone, além de encontros pessoais, por coincidir com o fato de que por conta de uma namorada carioca que eu tive entre 1987 e 1992, frequentei o Rio com bastante assiduidade nesses cinco anos citados. Ricardo estudou muito violão & guitarra e tornou-se um tremendo instrumentista. Fez faculdade de música e adquiriu forte bagagem teórica, também. Já foi componente de muitas bandas; foi side-man de artistas; gravou disco solo e ministra aulas até os dias atuais.


1987...

Agradeço ao "Bip Bip", cujo nome verdadeiro, era / é Marco Correa. Nada deu certo para nós na BMG-Ariola, mas ele não teve culpa alguma, e pelo contrário, até aonde pôde ajudar, deu o seu melhor. Eliane Dinola, irmã de Zé Luiz Dinola, que foi uma super incentivadora nossa no Rio de Janeiro, não só ao ofertar-nos hospedagem, como ao sair a campo nesse ano, e trabalhar como agente da banda e mesmo sem ter experiência no ramo, conseguiu uma entrevista com o maior produtor musical brasileiro daquela década, que trabalhava em uma gravadora major, multinacional poderosa. Um proeza, portanto.




Sou grato à Rock Brigade, e em específico nas pessoas de Antonio D. Pirani; Eduardo de Souza Bonadia e Paulo Caciji, que auxiliaram-nos na parte burocrática da produção do LP The Key.

Muito grato ao Ivan Busic, que sob um momento de horrível turbulência, veio socorrer-nos prontamente, com suas baquetas de alto nível. Estendo o agradecimento ao seu irmão, Andria Busic, que também auxiliou-nos com vocais no LP The Key. 

Comecei a namorar a Sandra Regina Soares Arôca, em maio de 1987, e ela acompanhou a apoiou-me nos momentos difíceis do final da Chave do Sol, ao fornecer-me suporte, também, quando após 1988, tive que fazer parte da dissidência dessa banda, forçosamente. Grato por dar-me doçura em tempos amargos...

Edy Bianchi, um produtor que tinha as melhores referências do mundo do verdadeiro Rock em sua formação pessoal e muito ajudou-nos no estúdio para produzirmos o álbum, "The Key". Pena que essa sintonia de amor e fé que tinha com o Rock 1960 / 1970, como eu tinha também, não pode ser exercida nesse trabalho. Não foi sua culpa, claro. Ambos éramos vítimas das circunstâncias ali no deserto oitentista... mas claro, sou-lhe grato pela ajuda inestimável. Tremendo prazer trabalhar com o produtor, Edy Bianchi, não só pela sua competência, mas pelas inúmeras reminiscências que tivemos sobre o Rock Progressivo setentista, nossa paixão em comum. Em meio a hostil década de oitenta, conversar com alguém que amava tais signos setentistas, equivalia a um oásis no meio do deserto.


Fernando "The Crow" Costa e seus teclados setentistas sensacionais... muito grato por tocar no nosso álbum !

Agradeço ao Guto, do Estúdio Guidon; Edelson & Pepeu, os técnicos;Walcyr Chalas da loja Woodstock; Mario Monteiro pelo lay-out da capa; Carlão Muniz Ventura e estúdio Pugliesi pelas fotos, e Paulo Caciji pela diagramação do encarte.

Sobre os jornalistas que mais deram-nos força nesses cinco anos de 1982 a 1987 :

Meus sinceros agradecimentos para :
Roberto (Rádio Cultura AM); Luiz Antonio Mello (Fluminense FM - Rio); Antonio Carlos "Tony" Monteiro (Revistas Roll; Metal; Mix, e jornal Contracorrente); Sergio Martorelli (Revistas Roll e Metal); Claudia Schäffer (Revista Metal e Rede Bandeirantes de TV); Amanda Desireé (Revista Roll); Leopoldo Rey (Revistas Som Três e Bizz; e 97 FM); Valdir Montanari (Revistas Rock Stars; Rock Show; Rock Passion e Programa Sinergia - USP FM); Antonio D. Pirani e Eduardo de Souza Bonadia (Revista Rock Brigade); Fausto Silva, Oscar Ulisses & Osmar Santos Jr. e Johnny Black (Programa Balancê - Globo/ Excelsior FM); Primo & Mister Sam (Programa Realce - TV Gazeta); Toda a produção da TV Cultura; Sergio Groisman (Programa Matéria Prima - Rádio Cultura AM); Beto Peninha (Programa Rockambole - 97 FM); Laert Sarrumor & Ayrton Mugnaini Jr. (Programa Rádio Matraca - USP FM); Richard Nacif (Programa Riff Raff - 97 FM); Rita Lee & Roberto de Carvalho (Programa Rádio Amador - 89 FM).

Meu agradecimento também aos pequenos fanzines, que nem vou enumerar, mas muito auxiliaram-nos na árdua tarefa em divulgar o nome de nossa banda.


Mesmo caso de músicos e bandas que auxiliaram-nos em muitas circunstâncias. Corro o risco de esquecer de alguém, portanto, agradeço de forma generalizada.

Aos que
incentivaram-me a escrever a autobiografia e muito interagiram na história específica da Chave do Sol :

Não posso deixar de mencionar algumas pessoas que muito incentivaram-me, quando comecei a escrever minhas memórias, e no uso de uma plataforma pública de Internet, no caso, a comunidade "Luiz Domingues", na extinta e saudosa rede social Orkut, criada por uma amigo chamado, Luiz Albano. Ali, em 2011, foi minha base primordial para começar a escrever, e usei tal plataforma até o último dia de vida do velho Orkut, em 2014. O material bruto que lá escrevi, alimentou 317 micro capítulos deste relato da Chave do Sol, fora os de outras bandas onde atuei. Os demais até o final, nº 379, escrevi diretamente no meu Blog 2. Tais micro capítulos formatados no padrão de um livro (e portanto é a base do livro impresso), rendeu 18 capítulos, neste Blog 3. Menção honrosa portanto para meus incentivadores mais ativos no texto bruto do Orkut : Luiz Albano; Marinho "Rocker" Figueiredo Filho; Marcos Romano; Milton Medusa e Ricardo Aszmann, que foram os que mais interagiram ainda no texto bruto do Orkut, além de meu primo, Marco Turci.

Estendo esse agradecimento ao Will Dissidente, um rapaz extremamente inteligente; abnegado; solícito e que administra o Blog da Chave do Sol de uma forma muito entusiasmada.


Will Dissidente a apresentar um show de Heavy-Metal, em foto recente, de 2014

Will é um ativista cultural nato, e além de seus empreendimentos virtuais, costuma ser apresentador de shows ao vivo, ao animar e esquentar plateias. Ele é paulistano, mas vive atualmente no sul  de Minas, mais precisamente na cidade de Varginha.

E não posso deixar de agradecer ao meu primo, Emmanuel Barreto,
que dirige o Site / Blog Orra Meu, onde fui colunista fixo entre 2011 e 2016, e que muito ajudou-me a resgatar material de áudio e vídeo da banda. E também à produtora, Jani Santana Morales, que estabeleceu parceria comigo nesse mesmo sentido, em 2015, e auxiliou-me no resgate de material raro e postagem no You Tube.

Familiares e parentes :

Sobre familiares dos membros, já citei alguns anteriormente. Mas  claro que preciso esticar um pouco mais essa lista. Da parte do Rubens, sua família teve papel preponderante na construção e desenvolvimento de nossa banda. Só o simples fato de emprestar sua residência para que promovêssemos ensaios com a disciplina ferrenha que tínhamos, já foi algo sensacional, pois não deve ter sido nada fácil para a família, ter uma banda de Rock a tocar em um quarto, sem nenhum tratamento para contenção acústica, mesmo com as janelas fechadas e por ser uma edícula deslocada da estrutura residencial, propriamente dita, e pior, de segunda a sexta, das 15 às 22 horas, sistematicamente, e muitas vezes a promover ensaios extras em sábados, domingos e feriados...
Nunca reclamaram, a não ser pedidos esporádicos para abaixarmos um pouco o volume, mas conto nos dedos de uma única mão, a quantidade de ocasiões onde isso aconteceu. Dr. Rafael Gióia Jr. era também um artista (poeta com muitos livros publicados e discos lançados com seus poemas declamados), e sabia valorizar a paixão que tínhamos pelo trabalho, pelo exercício da arte livre...
Sou grato à mãe do Rubens, Dona Dinorah Aubergine Gióia e seus irmãos; Rafael; Roseli; & Rosana. E também ao marido da Roseli que torceu por nós. Todos foram entusiasmados torcedores da nossa banda. E não posso deixar de citar as funcionárias domésticas da família, lideradas por Dona Maria. Muito grato por auxiliar-nos ao abrir e fechar portas, e também por anotar recados telefônicos. Gratidão eterna à família Gióia ! 


Idem em relação à família do José Luiz Dinola, na figura de seus pais e irmãos. Graças ao Dr. João Baptista Dinola, usamos e abusamos de seu escritório na Rua dos Pinheiros, que foi por anos, a base de nosso Fã-Clube. Tanto quanto a nossa sala de ensaio na residência da família Gióia, o escritório da família Dinola foi a extensão de nosso QG, e base das operações... estendo o meu agradecimento à mãe do Zé Luiz, a simpaticíssima senhora, Maria Cattuci Dinola. Sobre os irmãos do José Luiz, usamos muito a velha Kombi de João Dinola, em várias produções; Beth Dinola fez a ilustração e o lay out de nosso primeiro disco, e o cenário do show de lançamento do segundo; Eliane Dinola auxiliou-nos até como produtora no Rio de Janeiro, fora oferecer seu apartamento em Ipanema, como base de nossas operações pela cidade. Meu muito obrigado à família Dinola !

Sou grato aos irmãos do Beto Cruz, que muito ajudaram-nos, quando seu irmão ingressou em nossa banda. Principalmente Claudio e Marcos Cruz, mais presentes no cotidiano da banda.

Sobre os outros membros com passagens mais curtas, Percy Weiss; Verônica Luhr; Chico Dias, e Fran Alves, não tenho muito o que acrescentar sobre familiares; parentes e amigos que agregaram algo significativo para banda, em suas respectivas passagens.

E finalmente, sobre minha família, nessa época eu estava afastado do meu pai, mas sabia que ele acompanhava de longe e ainda que não demonstrasse abertamente, pois posicionava-se contra a minha decisão em querer ser artista, eu ouvia comentários que ele via-me na TV, e guardava recortes de jornais e revistas onde eu aparecia. Só reaproximamo-nos em 1993, novamente, portanto, em uma outra fase da minha carreira. Já minha irmã, era criança, e minha mãe nunca colaborou de forma contundente como gostaria, pelas circunstâncias da vida nessa época, mas, sua torcida foi total, e só eu sei o quanto isso ajudou-me em minha casa. Minha prima, Mara Turci, teve um episódio de ajuda direta, ocorrida em 1984, já relatada e no mais, muita torcida da parte de vários tios; primos; e de alguns avós, ainda vivos naquela ocasião.

Falo agora sobre um colaborador muito querido da banda, cuja participação com parceria de letras em algumas músicas nossas, muito orgulha-me.

Julio Revoredo

 
O poeta, Julio Revoredo, num momento de 1984. Foto de seu acervo pessoal

Conhecemos o Julio no primeiro show que fizemos, em 25 de setembro de 1982; através de Wagner "Sabbath", um amigo em comum. Estabelecemos amizade instantânea, pela óbvia sincronicidade de ideias e ideais, não só em torno do Rock, mas em várias outras frentes abrangentes da cultura e da arte em geral.

Julio Revoredo em foto de 1985, a segurar a capa do EP, lançado nesse mesmo ano. Foto de seu acervo pessoal

Com amizade sedimentada e a frequentar a sua casa com regularidade, descobri sua obra como escritor e poeta e fiquei muito impressionado com sua produção sofisticada; hermética; profunda e sob enorme profusão, pois Julio era (é), um artista vulcânico, eu diria, tamanha a sua volúpia em criar. E da parte dele, seu entusiasmo pela nossa banda mostrou-se contagiante. Enxergava em nós, o mesmo potencial que bandas clássicas dos anos sessenta possuíam, em particular, o "Cream", sua banda de cabeceira.


Julio Revoredo & Luiz Domingues. Foto de 1984, quando acompanhou-nos à uma entrevista na Rádio Cultura AM. Foto do acervo pessoal do poeta, Julio Revoredo

Daí a pensar em ter um poema seu para musicarmos foi instantâneo, e já em 1983, trabalhamos nesse sentido. Das músicas que usamos seus poemas, duas entraram oficialmente em disco. Imortalizadas portanto, estão : "Segredos" e "Ufos", poemas brilhantes e profundos. Depois da Chave do Sol, convidei Julio Revoredo para escrever letras para o Sidharta, banda que formaria em 1997, e três dessas letras que musicamos, foram gravadas pela Patrulha do Espaço, no álbum, "Chronophagia", em 2000, visto que tais músicas do Sidharta, foram aproveitadas pela Patrulha. Julio é o único personagem da Chave do Sol que eu nunca deixei de ter contato, em momento algum. Somos amigos e falamo-nos regularmente, desde 1982.

Desde 2012, Julio é colunista fixo do meu Blog 2, onde publica normalmente seus brilhantes poemas, mas também já publicou pequenas crônicas e matérias sobre música.

Hora de falar sobre os membros da banda, e começo pelos que tiveram passagens mais curtas pela nossa banda, A Chave do Sol.

Percy Weiss


Percy Weiss entrou na nossa vida por uma loucura arquitetada pelo Rubens, em um momento em que sua ousadia garantiu-nos um debut de alto gabarito. Muito famoso no métier do Rock, Percy ostentava a consagração artística que nós absolutamente não tínhamos ainda, portanto, sua inclusão no primeiro show da banda, foi um luxo para nós.

Nosso show de estreia foi acima da média para um show debut de uma banda totalmente desconhecida a dar seu primeiro passo, pois com Percy nos vocais, provocou um surpreendente interesse, além das nossas possibilidades na ocasião. Tal resultado inicial foi tão animador, que chegamos a cogitar a chance dele prosseguir conosco doravante, mas apenas dois shows foram feitos com ele nos vocais e sua decisão em não querer ficar na banda, prevaleceu. O tempo passou e muito recentemente, ele concedeu uma entrevista longa ao programa "Vitrola Verde", do meu amigo, Cesar Gavin, e falou algo surpreendente sobre essa passagem efêmera que tivera pela nossa banda. Abaixo, o trecho específico onde fala sobre essa história.

Eis o link da entrevista de Percy Weiss para Cesar Gavin, em seu programa, Vitrola Verde :
 
https://www.youtube.com/watch?v=rpdSNGTZhsM



Infelizmente, pouco tempo depois de filmar essa entrevista, Percy Weiss faleceu, vítima de um acidente automobilístico na Rodovia dos Bandeirantes, ao dirigir-se de São Paulo para Campinas, onde estava a residir, em abril de 2015.

Verônica Luhr



Uma joia rara e bruta que o Rubens sugeriu que ouvíssemos, Verônica Luhr tinha um potencial inacreditável. Uma mulher jovem e linda, com porte de modelo (e de fato era a sua profissão, pois desfilava para o estilista, Ney Galvão), Verônica não chamava a atenção só pela beleza física, mas sobretudo, pela voz incrível que tinha. Imagine uma loira linda, com olhos azuis, tendo porte de modelo, mas com a voz de uma Diva do Soul; Blues, Rock; Jazz...
Ela tinha uma emissão e um timbre que muito lembrava a Tina Turner, e claro que isso fazia o som e as apresentações da banda crescerem, absurdamente.


Já falei isso repetidamente ao longo da narrativa, mas vou insistir : se tivéssemos tido a sorte de sermos descobertos por um produtor influente naquele momento em que o dito movimento do BR Rock 80's estava a explodir na mídia, certamente que nossa sorte teria sido outra, pois ela colocava-se milhas acima de qualquer vocalista feminina que surgira e brilhou nessa época. Teria sido um estouro nesse sentido. Mas claro, o pensamento não pode ser tão simplista assim, pois para que isso acontecesse, nós teríamos que estarmos com o som calcado na onda do momento, o que significa dizer que seria pouco provável que algum produtor levasse-nos, mas sim a ela, sozinha...  e foi exatamente o que a tirou da nossa banda, quando fazíamos temporada em uma casa badalada de São Paulo, sob um momento de franca expansão na nossa carreira. De fato um sujeito a apresentar-se como um produtor musical, a abordou sorrateiramente, e a seduziu com falsas promessas de uma carreira solo, amparada por gravadora major, e sustentada por um plano de mídia... no que ela acreditou e deixou-nos de forma abrupta. Infelizmente, eu até gostaria de anunciar que ela tornou-se muito famosa e sua carreira explodiu, mas nada aconteceu.

Tempos depois, soube que ela havia casado-se com o guitarrista da "Banda Performática", do artista plástico, Aguilar, um rapaz chamado, Jean, e teve dois filhos. Depois ouvi boatos que levava vida pacata como dona de casa, no interior de São Paulo. Em 1991, ao ver TV a esmo, a assisti no programa do apresentador, Clodovil Hernandes, na TV Gazeta. Estava a apresentar-se com uma orquestra, no belo Teatro de Arame de Curitiba; vestida para uma festa de gala. Achei positivo vê-la na TV a cantar, mas ao mesmo tempo, pareceu-me um arranjo cafona para alguma música Pop desconhecida e antiquada, sem nenhum indício de que ela estivesse em evidência na carreira. Uma pena. Nunca mais a vi, e nem falei com ela, mas espero que esteja bem e muito feliz.

Chico Dias


Sempre o Rubens para adiantar-se e achar soluções vocais para a banda, e mais uma vez sua percepção e iniciativa, proporcionou-nos uma nova oportunidade. Nossa situação na metade de 1984, era completamente outra, com os frutos do nosso primeiro disco a render-nos oportunidades na mídia e isso traduziu-se em shows e a formação de um público a cada dia maior de fãs do trabalho.
E assim aconteceu quando ele foi rápido na ação e abordou um jovem vocalista que virámos a apresentar-se em um show realizado ao ar livre, em uma praça pública.

Chico Dias em foto de 1984, do acervo pessoal de, Julio Revoredo

Chamava-se Chico Dias, e era oriundo de uma pequena cidade litorânea do Rio Grande do Sul, chamada : Rio Grande. Foi uma loucura, mas encaramos trazê-lo para São Paulo, porém, mesmo com a banda em franca expansão na carreira, e somado ao fato dele ser muito imaturo e despreparado para morar em uma megalópole como São Paulo, tal operação não deu certo, simplesmente.

Seu potencial como vocalista era bom; tinha uma boa voz e sua performance de palco, ainda que carecesse de muita lapidação, era satisfatória em uma primeira análise, mas a falta de infraestrutura sócio financeira, e principalmente a emocional, exauriu suas forças.
Não foi nada agradável a maneira pela qual deixou nossa banda, mas hoje em dia eu relevo e até entendo que sua imaturidade não dava-lhe subsídios para algo mais nobre, eu diria. O Zé Luiz disse-me ter falado com ele duas ou três vezes nos anos posteriores, mas a minha lembrança ficou só por uma carta que enviou-nos a expressar seu pedido de desculpas, pela sua saída intempestiva. Não faço nem ideia se prosseguiu a batalhar por uma carreira na música, depois que deixou a nossa banda, mas espero que esteja bem e feliz em sua terra natal.

Agora, falo sobre dois ex-membros, que tiveram passagens mais longas pela banda, e deixaram um legado eternizado em discos.

Fran Alves


 
Quando perdemos o vocalista, Chico Dias, de forma totalmente inesperada, nossa estratégia para prepararmo-nos a adotar uma possível nova ordem estética que aproximar-se-ia, e que possivelmente abrir-nos-ia portas no mundo mainstream das gravadoras majors (e da mídia), viu-se muito ameaçada, e nós não poderíamos perder tempo, e marcar passo nesse sentido. Foi quando soubemos que um vocalista de voz muito potente e interpretação dramática, estava prestes a ficar sem sua banda, que anunciava o término de suas atividades.

Tratou-se de Fran Alves, um vocalista dotado de um timbre rouco, e uma emissão que era impressionante. Seria o vocalista ideal para um momento em que achávamos que nossas chances residiam no peso do Hard Rock / Heavy Metal oitentista. Não era a nossa predileção estética, longe disso, aliás, mas o peso que imprimimos nas novas músicas, tinha essa deliberada intenção pela adequação a uma estética que supúnhamos ser a próxima a aproximar-se dos holofotes mainstream... mas tais luzes não acenderam-se, simplesmente... e quem pagou o preço amargo dessa estratégia malograda, foi Fran Alves, lamentavelmente. Muito criticado pelos fãs antigos da nossa banda, que preferiam a sonoridade antiga de nosso trabalho, e também pela sua voz rouca e sua presença de palco que para muitos, parecia inadequada para a nossa banda, tais opiniões minaram suas forças pessoais e infelizmente, ele chegou em um ponto onde viu-se acuado. Sem saída, anunciou sua saída de nossa banda, para o nosso próprio bem e o dele, sob uma análise muito fria.

Uma grande pena, pois o Fran foi um cantor sensacional e sua entrega no palco mostrava-se como a de um grande artista focado no momento mágico que só os grandes conseguem absorver e expressar sobre a ribalta. Sua voz era impressionante e a rouquidão, totalmente natural no ato de cantar. Como pessoa, foi um rapaz sensível; calmo; sensato; ponderado, e muito humilde. Com um caráter excepcional, foi um grande amigo, leal etc. Por volta de 1988, soube que havia desistido da música e trabalhava nessa ocasião, como gerente de um famoso magazine da cidade. No meio dos anos noventa, ele ligou-me e veio visitar-me em minha residência, para formular uma proposta a formar uma nova banda. Eu estava firme no Pitbulls on Crack nesse momento e mesmo que estivesse livre, declinaria do convite por uma única razão: tratava-se de Heavy-Metal o que queria produzir com essa banda, e tal gênero nunca foi do meu agrado.

Muitos anos passaram-se e ele ligou-me, mas desta feita para falar de uma banda de garotos que estava a apadrinhar e dessa forma, ele cogitou que eu indicasse-os para abrir os shows da Patrulha do Espaço, banda onde eu estava a atuar, nessa fase. Isso nunca ocorreu, mas chamou-me a atenção sua voz, que parecia cansada e ele realmente disse-me que estava a passar por problemas de saúde, e submetia-se a um tratamento etc. No final de 2008, recebi com atraso a notícia de que ele havia falecido. Portanto, nem tive meios para prestigiar seu velório e enterro, para dar minhas condolências à esposa e seu casal de filhos. Por volta de 2011, recebo solicitação de amizade de sua viúva, na extinta Rede Social Orkut, e ao conversarmos, ela disse-me que conhecera um jovem fã da Chave do Sol que estava a procurar os ex-membros da banda para pedir-nos permissão para colocar no ar, um Blog sobre A Chave do Sol. Ora, claro que da minha parte esse pedido foi aceito de pronto, pelo motivo óbvio de que alguém a ajudar-nos nessa altura dos acontecimentos, e mesmo com a banda inativa, seria super bem vindo. E sob tal embalo, fiz cópias de material fotográfico; peças de portfólio e vídeos com a participação do saudoso, Fran Alves e entreguei à Sandra Alves, viúva de Fran, quando pude finalmente conhecer seus filhos que já eram adolescentes e ambos muito parecidos com ele, sendo o menino, quase um sósia de seu pai. Fran Alves vive ! Está representado no legado que deixou no disco que gravou conosco e através de seus filhos. Deixo aqui meu agradecimento por sua participação; contribuição e amizade no convívio de pouco mais de dez meses em que foi componente oficial da Chave do Sol. Fico com a lembrança de um grande artista, e um amigo dos mais bondosos que fiz na minha vida.

Um minuto além, e encontramo-nos de novo em algum lugar onde houver uma aurora boreal, amigo Fran Alves !

Beto Cruz



Quando perdemos o vocalista, Fran Alves, na verdade já estávamos a planejar mudanças estruturais na estética e sonoridade da banda. E nesse contexto de uma nova guinada que desejávamos estabelecer, surgiu o Beto Cruz, que foi o elemento certo, na hora certa. Beto tinha a mesma vontade em buscar uma maior aproximação da banda com os padrões vigentes do mundo mainstream, e nesse sentido, auxiliou-nos demais nessa empreitada. Pelo fato de tocar guitarra, tinha facilidade para compor e sua participação tornou-se portanto, decisiva nessa tarefa para renovarmos o repertório da banda, quase que inteiramente, e dentro desses novos parâmetros que buscávamos. Sua entrada na banda foi outra ideia do Rubens, e o leitor mais atento, já deve ter percebido que o Rubens quase sempre foi o responsável por indicar e abordar diretamente um candidato à vaga, com exceção do Fran Alves que ocorreu de uma forma diferente. Por isso, novamente foi o Rubens, o responsável pela entrada de mais um vocalista. Sobre o Beto, quando entrou, sabíamos que ele tinha tido uma experiência anterior com uma boa banda chamada, "Zenith", e antes, ainda nos anos setenta, tinha tocado no "Zona Franca", com seu irmão, Claudio Cruz no baixo, e Charles Gavin, na bateria.

Pairavam boatos sobre ele no métier, como por exemplo o de que costumava circular com um carro conversível e com uma guitarra Gibson Les Paul no banco do passageiro, como forma de ostentação rocker. Quando entrou na banda, ele desmentiu a lenda, ao dizer-nos que sim, fora proprietário de um automóvel da marca, "Puma", modelo conversível, mas jamais andaria com uma guitarra cara dessas, exposta nessas condições... sua voz era potente, e com timbre límpido, bem diferente da rouquidão dramática do Fran Alves.

Sua postura de palco, muito boa, ao movimentar-se bem, e sua comunicação com o público era muito boa. Tinha ótima aparência, e isso ajudou a capitalizar a presença maciça do público feminino, mesmo que a posição de "galã oficial" da banda sempre fosse do Rubens, desde o início das nossas atividades. Aos poucos, foi tocar guitarra nos shows, também, e claro que isso encorpava o som da banda. Ele tocava bem, sem virtuosismos, mas tal predisposição foi comedida, pois a ideia básica sempre foi permanecermos como um quarteto, onde o vocalista principal, só cantasse.

Beto tinha um carisma, certamente e na minha análise, creio que de todas as fases em que a banda teve em sua trajetória, duas destacam-se com maior protuberância no imaginário dos fãs : a fase do trio, quando investimos bastante no Jazz-Rock setentista; e a fase Hard-Rock, com o Beto no vocal. Por isso, acho que o Beto tem grande mérito em sua participação na banda. Como pessoa, era (é) um rapaz extremamente bem humorado, sempre pronto a ajudar e com muita iniciativa. Sou-lhe muito grato pela força de trabalho que trouxe para a banda, em vários aspectos, e na fase mais aguda da crise que entramos no segundo semestre de 1987, ele foi um guerreiro, literalmente, pois saiu em campo para achar soluções práticas para tirar-nos de situações difíceis, o quanto antes.

Jamais esquecer-me-ei disso e tenho que enaltecer a sua garra nesse sentido, pois se existe o LP "The Key", creio que pelo menos 95 % por cento dessa concretização, veio da parte de seus esforços para tal. Também foi fundamental quando a banda rachou definitivamente e em questão de dias, armou um novo cenário para que uma nova banda dissidente fosse formada às pressas, para suprir necessidades e compromissos da velha Chave do Sol, que foram inadiáveis. Foi um grande companheiro, amigo leal e incansável batalhador. Sobre a dissidência da Chave do Sol, falo com detalhes nos seus capítulos exclusivos, pois na verdade, considero que seja uma outra banda, com outro trabalho muito distinto.

Após minha saída dessa banda dissidente, em meados de 1989, ele reformulou-a completamente mais uma vez, e liderou-a por mais algum tempo, até fechar as suas portas definitivamente, no início de 1991. A seguir, mudou-se para os Estados Unidos, onde estabeleceu-se para sempre, ao abrir um negócio e constituir família. Mora atualmente em Fort Lauderdale, perto de Miami, no estado da Florida. Mas não largou a música, pois já envolveu-se com bandas americanas, e cerca de três anos atrás lançou música na internet, a tocar guitarra e cantar.

A canção, "Winds of Change", que ele lançou nos Estados Unidos, com link abaixo para escutar no portal bandcamp :
 

http://merkana.bandcamp.com/track/winds-of-change

Conectamo-nos nas redes sociais desde o saudoso Orkut, e falamo-nos com regularidade no Facebook, hoje em dia (2016).
"O Sol só brilha para quem luta até o final" é um pedaço de letra que ele escreveu e cai-lhe bem, pelo seu espírito guerreiro para enfrentar os obstáculos da vida.

Agora, chegou a hora de falar do núcleo base da banda, do trio que a fundou em 1982, e escreveu sua história. Na verdade, termino a falar sobre a dupla que acompanhou-me nessa jornada : Rubens Gióia e José Luiz Dinola.

José Luiz Dinola

Zé Luiz, por ser técnico ao extremo, influenciou-nos a pender para o Jazz-Rock, de uma forma absurda, logo no início das nossas atividades de composição do material inicial da banda. Não que não gostássemos do Jazz-Rock da década de setenta, pelo contrário, eu e Rubens o apreciávamos muito. No entanto, não era a nossa predileção natural. Gostávamos mais de Rock'n Roll clássico; Hard e Prog Rock setentista; Acid Rock e Psicodelia sessentista, e no meu caso pessoal, a lista estendia-se para a Black Music; Folk; MPB etc. Mas essa guinada forçada para o Jazz-Rock moldou a nossa personalidade inteiramente, a seguir, e de certa forma, obscureceu os signos de outras tendências que gostávamos no Rock, ao estigmatizar-nos perante ao público, como uma banda de Jazz-Rock, com forte acento setentista.

Portanto, muito do que construímos nos primeiros anos da banda, e digo em termos de repercussão, após termos feito nossa primeira aparição na TV, foi por conta dessa identidade sonora que marcou a nossa imagem. Sendo assim, nessa primeira análise, credito ao Zé Luiz, a importância em ter ofertado-nos a primeira imagem pública enquanto identidade, e que proporcionou-nos muito respeito, sobretudo. Longe de ser algo palatável ao mundo fonográfico e radiofônico, essa vertente sob difícil assimilação pelo grande público, ofereceu-nos respeito entre músicos; jornalistas e produtores, ao menos.

Como baterista, o Dinola dispensa apresentações. É simplesmente um dos maiores da história do Rock brasuca, pela técnica refinada; versatilidade e criatividade. Dinola tinha (tem) também, potencial para cantar bem. No início das atividades da banda, determinou-se a cantar algumas canções, mas paulatinamente deixou de lado tal tendência, à medida que incorporamos vocalistas na banda. Quando envolvemo-nos no "Sidharta", muitos anos depois (essa banda tem seus capítulos exclusivos, naturalmente), ele demonstrou grande evolução nesse quesito, e cantava ainda melhor, além de ser muito bom em criar arranjos vocais. Aliás, talento para arranjador sempre foi outra qualidade sua. Desde o início da Chave do Sol, sua capacidade inventiva foi extraordinária para dar ótimas ideias de arranjos.

Sobre a Chave do Sol em si, lembro-me com saudade do nosso esmero incrível em criarmos convenções intrincadas de baixo e bateria. Passávamos horas a criar e repassar trecho por trecho, ao fazermos divisões rítmicas as mais inusitadas e quase sempre sob difícil execução... como gostávamos de complicar as coisas... mas também, como ficavam expressivas tais criações, e realçavam as nossas composições ! 

Fora da música, Dinola é um gênio inventivo. Sua capacidade para criar artefatos com as próprias mãos, é incrível. Na eletrônica; na marcenaria & carpintaria; ao construir e consertar objetos, Dinola mostrava-se como um misto de Professor Pardal, e um produtor executivo com poderes de contra-regra, nos bastidores da nossa banda. Outra característica sua muito boa, fora a sua boa vontade para enfrentar todos os desafios de maneira corajosa, e não foram poucos os que tivemos que suplantar. Somente na reta final, o duro golpe da frustração em não termos dado o passo além que achávamos que estávamos perto de dar, desanimou-o. Lastimo muito que isso tenha dado-lhe o impulso para decidir deixar a banda. Talvez se esperasse mais um pouco, a crise em que mergulhamos poderia ser suplantada se estivéssemos unidos, mas com sua saída, ficou difícil para contê-la e pior que isso, evitar o final da banda. 

Sou-lhe grato pela música bonita que produziu com suas baquetas; pelo companheirismo; pelas risadas que demos; pelas caronas; pelas horas a fio em que trabalhamos no escritório de seu pai, em prol da nossa banda...
Depois que desistiu da loucura de deixar a música, Dinola teve trabalhos com combos diversos pela noite paulistana, a tocar com muitos artistas. Envolveu-se uma época com um tecladista que fazia música eletrônica e esteve em shows sazonais de algumas voltas que A Chave do Sol tentou fazer, mas dos quais eu nunca participei. Em 1998, ele entrou em uma nova banda que eu estava a formar, chamada : Sidharta. Ali, nossa dupla uniu-se novamente, após um hiato de doze anos e desenvolvemos um lindo trabalho ao compormos 23 músicas ao lado dos então muito jovens e desconhecidos multi-instrumentistas, Rodrigo Hid e Marcello Schevano. Dinola deixou a banda no início de 1999, por não estar em concordância com a nossa meta que era radicalmente na orientação "retrô". Pela noite paulistana, teve uma banda que tocava clássicos do Rock, com Rodrigo Hid e Marcião Gonçalves, chamada "Tarântula".

Em 2012, Dinola entrou para o "Violeta de Outono", uma grande banda psicodélica e progressiva, que eu admiro bastante. Lá, está até os dias atuais (2016), e vive grande fase. Já gravou dois lindos discos com essa banda, e tive o prazer de vê-lo ao vivo a atuar com tal banda, no ano de 2014, com o Centro Cultural São Paulo completamente com pessoas. Fiquei imensamente feliz por vê-lo a atuar em uma banda tão boa, histórica, e à altura de sua técnica refinada e vice-versa. Falamo-nos constantemente pelas redes sociais, e também vemo-nos com regularidade, pessoalmente.

Rubens Gióia 


Quando a minha banda cover, "Terra no Asfalto", tentou dar sua última cartada em junho de 1982, por indicação da dona de uma casa noturna onde costumávamos tocar, indicou-nos o namorado de sua filha, que era um jovem guitarrista chamado : Rubens Gióia.
Eu não poderia imaginar isso na hora, mas conhecê-lo, mudou a minha vida dali em diante. Em questão de pouco tempo, a ideia dele entrar no Terra no Asfalto para revitalizar aquela banda que estava por acabar, dissipou-se, pois identificamo-nos como Rockers em busca do mesmo sonho e aí, nasceu : A Chave do Sol.
Rubens tinha a ousadia como característica sua pessoal, e graças a essa qualidade pessoal que eu definitivamente não tenho, pois sou cauteloso e comedido, a banda lançou-se no mundo artístico, sem ao menos estar com a sua formação pronta.

A loucura em marcar um show, com a banda incompleta ainda e sem repertório, forçou-nos a queimar etapas e muito rapidamente, saímos da condição de uma banda confinada em estúdio, para o palco. Seu entusiasmo e amor pela banda, sempre foram notáveis.
Como guitarrista, Rubens era um talento nato, sem nunca ter feito aulas. Com um ouvido muito bom, e a paixão pelo Rock, moldou a sua personalidade Rocker, que forjou-o como guitarrista.

Suas influências eram as melhores possíveis. O Rock das décadas de sessenta e setenta em predominância máxima, e Jimi Hendrix como seu farol para todas as ocasiões. E desse mestre sessentista, não aprendeu os riffs e licks apenas, mas a vontade para fazer loucuras com a guitarra em cena. Sua mise-en-scenè em tocar com a guitarra nas costas; com os dentes; e outros malabarismos alucinados, acrescentou muito em visibilidade à nossa banda, nos shows e nas aparições na TV que fizemos.

Sua marca sonora registrada fora o uso do pedal "Phase 90", ao conferir uma identidade e um colorido especial ao som da Chave do Sol. Rubens sempre teve uma boa voz e talvez um dos nossos maiores erros de estratégia foi o de constantemente preocuparmo-nos em procurar vocalistas, sendo que a voz dele era tão boa ou melhor, do que qualquer vocalista que estourou no mainstream do BR Rock 80's. Um amigo leal e fraternal, sou-lhe grato pelo companheirismo, pelos sonhos compartilhados; pela luta; pelo Rock e pela Chave do Sol.

Infelizmente, ficamos com a amizade estremecida após o racha que decretou o final da banda em dezembro de 1987. Ambos magoados, um com o outro, por uma série de mal entendidos que levou-nos a crer que um agira mal com o outro. Mas o tempo provou que ambos estávamos errados, e tudo fora gerado pela má interpretação dos fatos. Eu tive que participar da dissidência da banda, por não ter outra alternativa. Mesmo estremecidos e afastados, eu fiquei feliz quando soube que no ano de 1988 ele envolvera-se com uma nova banda ("Yankee"), que ostentava um esquema forte para ser lançada em gravadora major. Fiquei a saber que gravara no Rio de Janeiro, com uma produção caprichada, e que tivera, Marcelo Sussekind, ex-guitarrista da "Bolha" e do "Herva Doce", como produtor. Mas esse projeto não avançou, infelizmente.

Pouco tempo depois, soube que entrara na Patrulha do Espaço, que era uma banda que ele admirava muito, desde a adolescência. Tratou-se de uma volta da banda, e vi com alegria cartazes desse show de estreia, em vários lugares de São Paulo. Fiquei contente novamente, pois sabia que ele seria muito feliz e bem sucedido a trabalhar com Rolando Castello Junior e Sérgio Santana. Mas um golpe do destino atrapalhou-o nesse sentido, pois o baixista Serginho Santana faleceu precocemente a seguir, ao estragar os planos da banda. Em 1992, ele gravou o LP "Primus Inter Pares" dessa banda, como uma homenagem ao grande Serginho Santana, mas isso não caracterizou uma retomada da Patrulha, propriamente dita, apesar de ter feito alguns shows. Em 1995, encontramo-nos nos bastidores de um show do Pitbulls on Crack, grupo onde eu estava a atuar na ocasião, e falamo-nos educadamente, mas sem o pleno restabelecimento da amizade. Daí em diante, Rubens tentou articular a volta da Chave do Sol várias vezes, e convidou-me diretamente. Sobre o por quê de eu não ter aceito tais convites, já expliquei em parágrafos anteriores. No início dos anos 2000, Rubens foi a dois shows da Patrulha do Espaço, onde eu era componente, então. O clima melhorara, pois falamo-nos com uma proximidade bem melhor, quase como nos velhos tempos. Em uma dessas tentativas de volta da Chave do Sol, chegamos a ensaiar em 2005, a visar um show que seria realizado em uma casa noturna, e com apelo saudosista, onde algumas bandas da cena pesada e underground dos anos oitenta, apresentar-se-iam em uma espécie de micro festival. Mas não deu certo. Depois disso, mais uma em 2007, onde declinei do convite, por que estava com o "Pedra".

Ensaio da Chave do Sol, em 2012, mas só com ele, Rubens, a representar a formação original

Uma nova tentativa para reunir, A Chave do Sol, foi feita por parte do Luiz Calanca, em 2012. Já contei sobre isso, detalhadamente anteriormente, também. Por volta de 2013, quando eu já estava a tocar com Kim Kehl & Os Kurandeiros, Rubens assistiu vários shows nossos em uma casa noturna da zona norte de São Paulo. Nesses encontros, conversamos bastante, e a amizade restabeleceu-se, livre dos ressentimentos do passado. No ano de 2014, fui convidado a tocar em um show em homenagem ao Hélcio Aguirra, guitarrista do Golpe de Estado e nosso amigo em comum, desde os anos oitenta. Lá, toquei com Rubens, além de Roger Bacelli e Marcelo Ladwig, em um combo reunido sob improviso. Fizemos um som ao estilo do Jazz-Fusion, e na plateia havia fãs da Chave do Sol que entraram em êxtase por essa reunião inesperada... eu não tocava com Rubens, desde dezembro de 1987...

Magnólia Blues Band e Rubens Gióia, no projeto Quarta Blues, em 2014. Da esquerda para a direita : Alexandre Rioli (teclados); Kim Kehl (guitarra); Rubens Gióia (guitarra); Carlinhos Machado (bateria), e eu, Luiz Domingues, no baixo.

Ainda em 2014, Rubens foi nosso convidado no projeto Quarta Blues, de uma outra banda onde toquei, o "Magnólia Blues Band". E foi muito prazeroso. Em 2015, tive o prazer de ver a estreia de sua nova banda. Confraternizamo-nos fortemente nesse dia, e agora como espectador, tive a visão privilegiada em assistir um ciclo a reiniciar-se... ao mirar seu Power-Trio em ação, a impressão foi que a história estava a repetir-se, e esse show fosse um revival do show de estreia da própria, Chave do Sol, no longínquo 25 de setembro de 1982. E muito emblemático, ele mesmo disse isso ao microfone, quando apontou-me na mesa, onde eu assistia...

Que prospere muito a sua banda, o "Gióia; Sucata & Musicman", um Power Trio da pesada. Bem, estou a encerrar este longo capítulo de minha autobiografia.

A Chave do Sol tem uma importância gigantesca na minha carreira, e não dá para expressar isso com poucas palavras, todavia está implícito nos 379 micro capítulos que escrevi no meu Blog 2 em formato de mini capítulos, que resultou em 18, aqui, no padrão de um livro impresso, para tentar passar ao leitor essa emoção. Como de costume, deixo claro que a qualquer momento novidades poderão surgir. No Blog, abrirei sempre espaço para adendos; correções; postagem de materiais em geral que possam surgir a posteriori etc. E no caso da Chave do Sol, tenho muita coisa a resgatar, e já o tenho feito com regularidade desde 2011, quando lancei todas as músicas das demos de 1986, e algum material ao vivo de 1983, incluso duas músicas inéditas : "Utopia" e "Intenções".

Na época, tive o apoio do Site / Blog Orra Meu, onde fui colaborador como colunista por cinco anos. Lancei também muitos vídeos inéditos, e que foram postados no You Tube.

Recentemente, estabeleci parceria com a produtora, Jani Santana Morales, que vem a trabalhar nesse sentido, também, e alguns vídeos inéditos foram lançados. A proposta é desengavetar tudo o que tenho disponível e portanto, à medida que for lançados, posto-os nos meus Blogs 2 e 3. 
Eu, Luiz Domingues, e o jovem e entusiasmado produtor cultural, Will Dissidente, em duas fotos clicadas no Teatro Olido, em São Paulo, por ocasião de um show do "Pedra", que ali realizou-se, em 9 de novembro de 2013

Recomendo visita e apoio ao Blog A Chave do Sol. Reitero, esse blog não é moderado por eu, Luiz Domingues, mas por um rapaz chamado, Will Dissidente. Ele existe de fato, não é um pseudônimo meu, como algumas pessoas especularam nas redes sociais da Internet...

Visite o Blog A Chave do Sol :

http://achavedosol.blogspot.com.br/

No meu Blog 3, a proposta da minha autobio completa é a da formatação de um livro impresso. É mais fácil para ler com tal ordenação, visto que no Blog 2, onde os capítulos ficam mesclados e intercalados pelas colunas de meus colaboradores fixos e sazonais, além dos anúncios de meus shows, com minhas bandas atuais.

Visite o meu Blog 2 :


http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/2013/06/autobiografia-na-musica-chave-do-sol.html

Eu criei e modero comunidades da Chave do Sol em outras redes sociais, mas com o objetivo de repercutir o meu texto autobiográfico. Estão atualmente no Google+ e Yoble. Com mais tempo a sobrar no futuro, abrirei em outras redes, também. Um texto medíocre e baseado na opinião superficial de um site de Heavy-Metal da Alemanha, alimentava a descrição da Chave do Sol no Wikipedia. Reescrevi a história da banda resumidamente nessa enciclopédia virtual, ao dar-lhe a dignidade devida.

Página da Chave do Sol no Wikipedia :

https://pt.wikipedia.org/wiki/A_Chave_do_Sol

Um livro impresso da autobiografia inteira, está por ser publicado. A Formatação no meu Blog 3, já foi pensada nesse sentido. 



Tenho um orgulho imenso por ter feito parte dessa história. E sou muito grato aos meus companheiros de jornada, colaboradores e todos, que direta ou indiretamente muito contribuíram para fazer desse esforço, um sucesso. Em 18 horas ou apenas em um minuto além, fizemos luz, e decretamos que a Chave é o show.


Percy Weiss : grato pelos primeiros dois shows, a abrilhantar a nossa iniciante banda com sua voz privilegiada e sua bagagem & fama inerentes. Descanse em paz.

Verônica Luhr : muito obrigado por proporcionar-nos tocar contigo, quando ouvíamos a sua voz inacreditável. Você é a Tina Turner loira e com olhos azuis ! Espero que esteja e seja sempre, muito feliz !

Chico Dias : obrigado pela sua passagem pela banda. Que pena que não prosperou como desejávamos, mas você era um bom vocalista / frontman. Fiquei muito chateado contigo por um bom tempo, por conta de sua saída abrupta da banda, mas saiba que entendo a situação de outra forma agora, e não guardo mágoa alguma. Seja muito feliz aí no teu Rio Grande do Sul ! 

Fran Alves : sou-lhe muito agradecido pelo privilégio em ter tido sua presença como componente da minha banda. Sua voz era de arrepiar e sua presença de palco, muito intensa e dramática. Em toda a minha carreira, vi poucos artistas subir em um palco e ter essa entrega que você tinha. Fico muito aborrecido pelos dissabores que enfrentou, injustamente ao meu ver, por algumas pessoas que reprovaram sua passagem pela banda. Descanse em paz, velho amigo e um minuto além, eu chego aí para reencontrar-te.
Como diz o poeta, Julio Revoredo, "A humildade é o caminho para a felicidade superior", portanto, Fran, você vive essa plena felicidade, aí no outro lado, tenho certeza !



Beto Cruz : muito obrigado pela colaboração que foi fortíssima com músicas; letras; capacidade de organização; e trabalho de campo como produtor ! Muito grato pelos shows que fizemos; pela seriedade no trabalho e pelas brincadeiras nas horas certas, que proporcionou-nos boas risadas; grato por ceder sua residência para ensaiarmos e ministrar-nos aulas; obrigado pela voz; pela guitarra e pela performance como frontman carismático que angariou muitos fãs para a nossa banda ! Seja muito feliz aí nos Estados Unidos, com sua esposa e filha, e sempre estarei a apoiar as suas realizações musicais !






José Luiz Dinola : Obrigado pela sua bateria superb; pela possibilidade em criarmos linhas de baixo & bateria que marcaram imensamente ao ponto de ser comentadas como referência para muitos músicos que surgiram depois de nós; grato pela amizade; companheirismo; pela sua luta incansável; pelo inacreditável talento para criar e fazer coisas em prol da banda; pelos sacrifícios pessoais que teve para privilegiar os interesses da nossa banda, enfim, grato por ter sido o baterista da Chave do Sol, nosso porto seguro atrás dos tambores da bateria ! Como sempre digo, José Luiz Dinola é um baterista nota dez, e um ser humano nota mil ! Estou a torcer muito para que seja muito feliz no Violeta de Outono, por muitos anos !


Rubens Gióia : Obrigado por dar vazão ao meu plano idealizado desde 1976, mas só alcançado efetivamente em 1982; grato pela guitarra "Hendrixeana" da qual orgulhava-me em ter na minha banda; grato pelas músicas; grato pelas performances; grato por fazer de sua residência o QG onde concretizamos nossa banda; grato pelas risadas que demos; grato pelos malabarismos com a guitarra e que arrancavam uivos da plateia; grato pela sua voz que imortalizou nosso primeiro sucesso registrado em disco; grato por tudo ! Estou na torcida para que sua nova banda construa uma história tão linda como a que construímos com A Chave do Sol !



Está encerrada essa importante etapa da minha autobiografia. Muito obrigado por ler, amigo leitor ! Daqui em diante, a autobiografia segue com os capítulos a contar sobre como foi a minha vida paralela, como "professor" de música, em : "Sala de Aulas".

Viva A Chave do Sol !
  

4 comentários:

  1. Tigueiz,

    E o superguitarrista EDU ARDANUY, o tecladista FABIO RIBEIRO e o superbaterista JOSÉ LUIZ RAPOLLI? Nenhum comentário sobre eles?

    Ou em outro post você já comentou?

    Abraço,

    Sandro Molina, seguidor da Chave desde o Verão Vivo de 1988 na praia da Enseada no Guarujá. Eu tava lá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sandro !

      Antes de mais nada, lhe agradeço muito pela visita ao meu blog com direito a participação com comentário. Sobre acompanhar o trabalho da banda citada, desde 1988, também lhe agradeço efusivamente.

      Respondendo a sua pergunta, devo esclarecer que considero a banda por você citada, como outro trabalho, desvinculado do trabalho da Chave do Sol e toda explicação para eu a qualificar como outra banda, apesar de ter nascido da dissidência da velha Chave do Sol, está toda contada em capítulos específicos sobre ela.

      Tratam-se de quatro capítulos contando a sua história, e onde aí sim, falo bastante sobre os companheiros dessa jornada e que você citou acima.

      Procure no arquivo do Blog a história da " A Chave / The Key", em quatro capítulos postados no mês de setembro de 2015.

      Grande abraço, Sandro !!

      Excluir
    2. Obrigado, Tigueis! 4 capítulos bem escritos. Acabei de ler.

      Excluir
    3. Eu que lhe agradeço, Sandro !!

      Já vi que postou ricos comentários em outros capítulos e irei respondê-los um a um, com muito prazer.

      Grato pela atenção e disposição em comentar !!

      Excluir