Pesquisar este blog

sábado, 1 de agosto de 2015

Sala de Aulas - Capítulo 6 - Neo-Hippies Sob o Luar de um Cão Raivoso - Por Luiz Domingues

E 1994 chegou na minha sala de aulas... o LP "A Vez do Brasil", da gravadora Eldorado, já estava à venda, e as músicas dessa coletânea tocavam na Rádio 89 FM. Cabia a cada banda da coletânea, empreender seus esforços pessoais para fazer essas execuções crescerem ou simplesmente contar com a sorte de sua música cair no gosto popular, de forma espontânea. 

Pensando nesse expediente, não tive dúvida e pedi ao meu exército de alunos, uma ajuda. Se cada um ligasse para tal emissora e pedisse a música do Pitbulls on Crack, uma vez por dia, haveria de auxiliar nessa tarefa. Nos primeiros dias de 1994, isso foi feito de uma maneira simples, mas intensificou-se a seguir, quando ganhou aura de diversão entre eles. 

Com a possibilidade de transformar isso numa brincadeira com ares de uma gincana infanto-juvenil, a garotada embarcou, e não só ligou para valer, como encorpou o "movimento", agregando mais gente, que nem conhecia-me. Irmãos; primos; amigos dos amigos; namoradas... quando percebemos, era um monte de gente bombardeando o telefone da 89 FM, e a música "Under the Light of the Moon" entrou no rol das mais tocadas, chegando ao ponto de ter vencido várias vezes o ranking da mais pedida do dia e assim, tendo execução extra no horário nobre da emissora. Era um indício forte de que eu tinha uma turma boa em mãos, e essa energia juvenil se bem direcionada, poderia render frutos. Não tenho dúvida, minha sala de aulas teve esse mérito e hoje, quando vejo muitos desses ex-alunos tendo uma atuação firme na cultura hoje em dia, penso nessa semente plantada lá atrás na minhas aulas.


Mais ou menos em março de 1994, a brincadeira ganhou força.
Durante todos os dias, os alunos faziam uma verdadeira zorra nas minhas aulas, usando o telefone. Ligavam o dia inteiro e divertiam-se em revezar-se, e simular vozes diferentes para confundir as atendentes da Rádio 89 FM. O esforço dessa operação lúdica, resultou em semanas consecutivas de êxito, com a música "Under the Light of the Moon" alcançando um patamar de estar diariamente entre as mais pedidas do dia, e sempre ganhando o direito a uma execução a mais no horário das mais pedidas. E muitas vezes, foi a campeã do dia, tendo uma execução extra, como "número um" do dia, e sendo a última música a ser tocada antes do famigerado programa obrigatório, "A Voz do Brasil", entrar no ar.

Segundo os radialistas experientes, essa execução era a melhor possível no horário nobre do rádio, pois as pessoas tinham o costume automático de desligar o aparelho assim que a vinheta do maçante programa governamental entrava e dessa maneira, a última música executada ficava na cabeça do ouvinte. E logo a "brincadeira" ganhou contorno de mobilização, pois o Jason Machado, que organizou o fã clube do Pitbulls on Crack, passou a fazer o mesmo com uma rede de amigos e familiares dele, e certamente esse acréscimo de pessoas reforçou o volume de telefonemas na rádio. Voltando a falar das aulas, ainda no início de 1994, eu havia tomado a decisão de não ministrar mais aulas aos sábados. 

Essa decisão era fruto do fato de que estava cansado da rotina de ficar o sábado inteiro preso na sala, e mesmo abrindo mão de ganhar dinheiro, pois era o dia mais rentável (com 11 aulas seguidas, sem intervalo), o movimento da semana útil era o bastante para as minhas necessidades, e ficando com o sábado livre, poderia tocar na sexta e sábado, sem ficar um "zumbi" no dia seguinte.
Essa rotina do sábado massacrante consumia-me desde o início de minha atividade, em julho de 1987, e agora mais estabilizado, dei-me esse luxo, de abrir mão de meu melhor dia, em prol de uma comodidade.

                      Nelson Maia Netto, em foto mais recente   

Ídolo de meus alunos desde 1992, o Dr. Nelson Maia Netto, também conhecido como "professor", tomou uma iniciativa bacana, criando um fanzine de Rock, com ótimos textos de sua autoria e boa diagramação. Era o fim de uma Era, mas ainda cabia esse tipo de manifestação underground, com publicações marginais e xerocadas em PB. Geralmente fanzines assim versavam sobre Punk Rock ou vertentes radicais de Heavy-Metal, mas a proposta do Nelson era fazer uma publicação de Rock clássico, com pitadas de coisas modernas, também. Claro, com seu nível intelectual avantajado, era óbvio que a qualidade do texto seria boa. E o título era pomposo, como poder-se-ia esperar dele que era advogado e abusava do uso de palavras refinadas no seu linguajar habitual, incluso com citações em latim, como bom advogado que era.
Dessa maneira, chamou-se : "In Rock Signo Vinces" (um trocadilho com a expressão latina :"In Hoc Signo Vinces", que numa tradução livre significa : "Por este sinal, conquistarás").
Então, ele convidou-me a participar como colaborador, e deu-me a missão de preparar uma resenha sobre o mais recente álbum do Deep Purple lançado à época, e tratava-se de "The Battle Rages on", saindo do forno naquele ano de 1994. Missão dolorosa, pois sempre tive a opinião de que a volta do Deep Purple nos anos oitenta houvera sido um fiasco desde o início, e a cada novo álbum, a decepção só aumentava para a minha percepção.

Com carta branca para expressar a minha opinião, ouvi o disco com cuidado, para não ser preconceituoso ou injusto, mas salvo uma ou outra pequenina virtude, só enxerguei aspectos negativos. Mesmo sendo um fanzine xerocado, como muitos que circulavam principalmente pelas lojas da Galeria do Rock, o Nelson caprichou nos seus esforços, e ele repercutiu além das expectativas. Tanto que fiquei sabendo de reações acaloradas sobre a minha crítica sobre o disco do Deep Purple...



Eis a transcrição ipsis litteris da resenha que escrevi para o fanzine "In Rock Signo Vinces" :


"Meu Caro Nelson Maia Netto, desta vez você me passou uma "bola quadrada".  Mas, prometo me esforçar para não perdê-la e, se possível, marcar um golaço para o "In Rock Signo Vinces".
Bem, a metáfora procede, pois é mesmo duro ter que comentar um novo disco do Deep Purple em pleno alvorecer de 1994.
Preconceito ? Não...
Simplesmente é um fato concreto que a volta de um grande dinossauro, nunca supera em termos de qualidade e brilhantismo de sua fase áurea. O mundo é dinâmico e se apresenta em ininterrupta mutação e daí, fica mesmo muito difícil recriar na sua totalidade, o clima de uma época já passada. A grosso modo, eu não gosto da "volta" do Deep Purple, a partir  de 1984. Acredito mesmo que o melhor teria não ter havido esse ressurgimento e que nas nossas memórias se perpetuassem as doces lembranças de uma sólida e bela carreira, construída do fim dos anos 1960, ao meio dos anos anos 1970. Infelizmente isso não aconteceu e apareceu uma nova fase da banda, marcada pelo álbum "Perfect Strangers" e outros que se seguiram, culminando neste último lançamento, intitulado : "The Battle Rages on...", que saiu na metade de 1993. Em hipótese nenhuma seria um mau disco, se ele tivesse sido gravado por qualquer banda Hard inglesa ou americana da atualidade, entretanto, por se tratar de um Deep Purple, a cobrança é inevitável por motivos óbvios. Não dá mesmo para engolir uma obra menor de uma banda formada por músicos e compositores que deixaram sua marca na história do Rock, com geniais monumentos tais como : "Machine Head", "Deep Purple In Rock" etc. O disco é burocraticamente chato do começo ao fim.  Para iniciar, uma pergunta que está engasgada na garganta de todo fã antigo do Deep Purple :  O que houve com Ian Paice ? No auge do Deep Purple, ele esbanjava uma técnica invejável que o alçou à condição de um dos melhores bateristas do Rock e até um pouco mais, pois ele rivalizou com diversas feras do Jazz Rock, tais como Billy Cobham, Alphounse Mouzon e Lenny White. E o que temos visto desde 1984 ? Um Ian Paice "bate-estaca", tocando grotescamente como se fosse um bateristazinho pop qualquer. Neste último disco, Paice prossegue tocando mediocremente, como se fosse a mais entediante e horrível obrigação, gravar mais um álbum do Purple. Outro escondido nesse "The Battle Rages on" é o velho Jon Lord. Somente na faixa "Solitaire", ele consegue mostrar-se um pouco, embora seja uma lástima que esta canção mais pareça uma balada new wave dos anos 1980, cantada por algum grupinho de caras com cortes de cabelo esquisitinhos e usando roupas extravagantes. Alguns lampejos do velho Purple são sentidos ainda que bem discretamente em faixas como "Talk About Live"; "Nasty Piece of Work" e "One Man's Meat" (nesta última, uma surpresa : Ian Paice toca congas). Alguma coisa de blues em "Ramshacle Man", a torna razoável e "A Twist the Tale" prova que Ritchie Blackmore gosta mesmo é do Rainbow. "Anya" e "Time to Kill" são "de doer". Outra coisa desagradável é que em quase todas faixas, o vocal do Ian Gillan é dobrado. Tudo bem, ele também tem todo o direito de envelhecer, mas que é chato, é. Ponto alto do disco : A capa. Trata-se de uma ilustração muito bonita. Estão vendo ? É mesmo muito triste comentar um novo disco do Deep Purple e chegar a conclusão de que o melhor de tudo é a capa. Nos anos 1970, geralmente as capas eram simples, fotos ou desenhos dos membros da banda, mas o som que eles faziam...quanta diferença ! Nelson, eu tentei mas, infelizmente, não deu para fazer o gol, pois o Deep Purple deu um "bicão" na bola e ela bateu na bandeira do escanteio...
Quer saber da real ? assistir jogo de "masters" é "chato pacas". É bem melhor ver os tapes dos velhos jogos, quando eles estavam no auge de sua forma." 


E na mesma edição desse fanzine, escrevi outra resenha. Desta feita foi para analisar o lançamento de uma banda mais moderna, daquela atualidade de 1994. Nessa segunda resenha, usei o pseudônimo de "Tony Bauducco". Tal determinação de minha parte tinha uma razão de ser. Com tal escolha em usar um pseudônimo, quis criar um personagem literário para interagir livremente, sem ater-me à amarras éticas que me inibissem para exprimir opiniões e, ao mesmo tempo, fazer uma homenagem a um produtor e músico (baixista, inclusive), que sempre admirei por sua atuação em discos de artistas como David Bowie; T.Rex, Gentle Giant e tantos outros com os quais interagiu. Era Tony Visconti, um sujeito que produziu e atuou tocando baixo em discos históricos, principalmente nos anos setenta.

Portanto, usando a sonoridade do nome desse produtor ítalo-norteamericano, mas com atuação na Inglaterra, sobretudo, brincando com um signo popular no Brasil, que é o fato desse nome ser marca de uma indústria de panificação, que produz um famoso panettone aqui no Brasil, brinquei com uma antítese, digamos...


Dessa forma, Visconti lembrou-me de seu concorrente no mercado brasileiro, o panettone Bauducco...
Nascia aí, o "italianão"e crítico de Rock, Tony Bauducco, que também é fanático por trilhas sonoras de filmes e TV, sobretudo se forem trabalhos de Ennio Morricone.


E o disco em questão, era "America Must Be Destroyed", de uma banda pesada chamada "Gwar", que apesar de abusar das caracterizações exageradas, só fez um pequenino sucesso naquela época, e bem limitado aos Estados Unidos. Eis a transcrição do que escrevi :

"Um bando de alienígenas invasores chegou à Terra há milhares de anos, bem na Era Glacial, e agora que a camada de ozônio está sendo destruída, eles se descongelaram e retomaram o seu maquiavélico plano de dominar o nosso planeta. Fixaram-se em Richmond, estado de Virginia e depararam com um problema muito comum entre nós, terráqueos : tinham que trabalhar para sobreviver !
Sendo assim, encontraram apenas uma saída que lhes desse dinheiro sem que os terráqueos estranhassem a sua terrível aparência : formaram uma banda de Rock. Para facilitar, encontraram um terráqueo disposto e ajudá-los, se transformando em seu empresário e que secretamente é um traidor ambicioso que planeja usá-los para que ele consiga se tornar presidente dos Estados Unidos. Parece roteiro de ficção científica classe "B", mas na verdade, trata-se da mais sensacional invenção do Rock performático, desde o Kiss. Isso é o "Gwar". No álbum, "America Must Be Destroyed", o Gwar apresenta o seu som contando essa hilariante estória, como se fosse uma autêntica história em quadrinhos. As influências são óbvias, pois embora na maior parte do tempo o Gwar tente soar com uma banda de Heavy-Metal beirando o Thrash-Metal, existem nítidas pitadas de Rock'n Roll anos 70 em seu trabalho. Impossível fazer esse Rock-circense sem lembrar o Kiss; o magistral Alice Cooper (o "pai" do Rock-teatral), e até Frank Zappa, nos seus melhores dias de Mothers of Invention. Como se não bastasse a ideia bem bolada, o nível dos músicos é muito bom, o que contribui para que a mensagem sarcástica desse projeto "acerte na mosca'. Fazia tempo que não pintava no Rock, uma banda performática-teatral tão divertida".

Tony Bauducco

 
Bem, acho que exagerei bastante no meu entusiasmo, mais impressionado com as caracterizações alienígenas dos membros da banda e toda essa cascata Sci-Fi infanto-juvenil, pois a banda não era nada demais, aliás, era bem de menos...


E na mesma edição do fanzine, escrevi mais uma resenha. Desta feita, sobre mais um grupo modernoso daquele momento, chamado, "Skrew"

A seguir, a transcrição do que escrevi :

"Burning in Water, Drowing in Flame"  -  Skrew

Há um ponto positivo nesse primeiro trabalho do Skrew, que é justamente o que o diferencia do trabalho de outras bandas do dito "Rock-Industrial", ou seja, existem influências diversas (e até díspares entre si !), que o tornam mais atraente do que seus similares. Como ser techno, sujo, pesado e neurótico, sem ser terrivelmente maçante ? Eis o grande dilema do Rock-Industrial e o Skrew parece estar achando uma saída.
A banda é formada pele dupla de guitarristas e vocalistas : Adam Grossman e Danny Lohner, ex-membros da banda Hardcore Angkor Wat. Munidos de uma bateria eletrônica, trombaram com o produtor Phil Owen e com a providencial ajuda de Al Jougensen do Ministry, se trancaram no estúdio Trax de Chicago para gravar este álbum. Segundo consta, as letras foram inspiradas em poemas de Charles Bukowski, mescladas com as experiências junkies do guitarrista Adam Grossman, daí a cota de paranoia certa que este gênero tradicionalmente exige. Pontos positivos : As pitadas de influências "extra-industriais" citadas acima. Mais especificamente no belo solo de guitarra no final de Charlemagne, a boa linha de baixo em Gemini; o Rap quase explícito em "Poisonous" e o surpreendente dueto vocal em "Prey Flesh", que lembrou o genial Peter Hammill, da lendária banda progressiva dos anos 70, Van Der Graaf Generator.
Pontos negativos : o assassinato do clássico "Sympathy For the Devil" dos Stones, uma grande idiotice, principalmente pelo vocal repugnante; a bateria eletrônica terrivelmente chata (não se trata de um paradoxo ! Dá para ser "industrial", usando outros recursos da tecnologia). Para finalizar, uma boa notícia : para a tour de lançamento, serão convidados : um tecladista, um baixista, um guitarrista a mais e dois bateristas de carne e osso. Com isso, o "Skrew" só tende a ganhar.

Tony Bauducco

De fato, eu fui bastante condescendente ao escrever mais essa resenha, pois o tal do "Skrew" era na verdade, uma bela de uma porcaria (para quem entende bem o idioma inglês, sabe que esta palavra, mesmo escrita dessa forma, com letra trocada, tem conotação dupla e denota uma grosseria, portanto espelhava bem a mentalidade desses sujeitos). Mas esforcei-me para tentar enxergar algo positivo naquela panaceia indie e noventista. E não dá para não rir do final... juro que não escrevi para ironizar, mas beira o ridículo a afirmação de que ao vivo, o tal do "Skrew" contrataria tecladista; baixista; guitarrista, e dois bateristas... ou seja, era a constatação de que o "Skrew" não passava de um simulacro de banda, que gravou uma demo "meia-boca", com bateria eletrônica, e na verdade era um projeto metido a modernoso de dois guitarristas ruins de doer, egressos de uma cena ridícula e irrelevante. Resumindo : Tony Bauducco candidato ao prêmio Baden Powell de escotismo, como "bom menino" do mês !!

Marina Yoshie; eu, Luiz Domingues e Alcione Sana, em foto de 1996, na minha sala de aulas

Foi pela metade de 1994 que chegou à minha sala de aulas, uma menina de origem oriental, chamada Marina Mayumi Yoshie.
Extremamente simpática e comunicativa, em breve tornar-se-ia amiga minha, e de todos os demais.

Mais que isso, Marina revelava o talento para as artes gráficas e numa época onde a internet ainda não era extremamente popular como hoje em dia, Marina apresentava-se como web designer, tendo experiência de trabalhar em projetos gráficos de agências de publicidade. De fato, por apresentar tal habilidade, logo mostrou-se solícita para ajudar todo mundo nesse sentido. Então, passou rapidamente a produzir filipetas e cartazes para apresentações de várias bandas de alunos, seus colegas. Isso seria um impulso para dois anos depois, ela responsabilizar-se pela capa do CD do Pitbulls on Crack, e indo além, criar todo o projeto gráfico do material de promoção. Sobre tal trabalho, está contando detalhadamente no capítulo do "P.O.C."

Nessa altura, minha sala de aulas virou também uma loja de discos... mas ao contrário do que qualquer pessoa possa deduzir, eu não tinha nada a ver com isso, e nunca ganhei nem um centavo por tais negócios, mesmo sendo o meu corpo discente, uma clientela em potencial de tal negócio.

Eu, Luiz Domingues, usando a camiseta com a logomarca de tal patrocinador, em 1994, no Ginásio do Ibirapuera. Foto de Marcelo Rossi

Foi o seguinte : uma confecção de "streetwear", passou a patrocinar o Pitbulls on Crack nessa época, e um dos sócios de tal empresa, estava administrando uma importadora de CD's, paralelamente, e com um pequeno escritório montado no Cambuci, bairro vizinho da Aclimação, onde eu morava e ministrava minhas aulas. Sabedor de que eu tinha um grande número de alunos, pediu-me uma ajuda, divulgando seu negócio, e oferecendo um desconto interessante que deixava o preço de qualquer CD, muito mais em conta do que nas lojas tradicionais. Bem, sendo simpático e claro que achando o preço praticado convidativo, espalhei a nova entre meus alunos e começou uma fase de consultas, e negócios sendo fechados. Durante semanas, o telefone de minha casa foi usado para fazer encomendas, e durante as aulas, certamente.

Nunca cogitei pedir comissão sobre isso. Queria mais era que meus alunos, amigos e agregados das aulas, aproveitassem a oportunidade e comprassem bons discos. E nem mesmo cogitei pedir desconto em minhas próprias compras, e de fato, fiz várias encomendas. Talvez aceitasse um desconto em minhas compras, mas só se fosse oferecido espontaneamente pelos sujeitos, mas isso nunca ocorreu e eu fiquei na minha, ainda auxiliando-os. Não sou, nem nunca serei um mercenário que só pensa em dinheiro, 24 h por dia.

Mas aí a coisa saiu do prumo, quando o rapaz passou a deixar de passar em minha casa para entregar os CD's dos meus alunos e amigos, alegando falta de tempo, e eu sendo obrigado a ir ao seu escritório. Mesmo sendo perto e dar até para ir a pé, comecei a considerar um abuso da parte dele. Fora o fato de que as vendas atingiram um certo vulto, e dessa forma, passei a acumular um volume razoável de dinheiro, o que passou a ser preocupante, pela responsabilidade. Além de preocupar-me em providenciar troco...

Bem, claro que o trilho descarrilou e eu parei de incentivar meus alunos, amigos e agregados, dando por encerrada a atividade.
Da parte dos sujeitos, perderam um filão bom, pois chegava a vender 50 CD's num pacote de encomenda, e todos importados, com valores significativos. Era uma camaradagem de minha parte, na qual não pensava em obter vantagem alguma, mas tornou-se um transtorno, devido à falta de bom senso, que no linguajar popular fica caracterizado como "folga", "falta de desconfiômetro", "ausência de semancol"...


Meu corpo discente era formado em sua maioria por representantes do sexo masculino, mas nessa época, cheguei a ter várias meninas estudando comigo, também. Lembro-me de que desde 1991, estudava a Alcione Sana, que tinha a curiosa predileção por artistas dos anos sessenta (e claro que eu adorava isso !), depois chegou Monica Maia, esposa do Doutor Nelson Maia Netto. Em 1994, entrou Ediane, e havia também, Silvana, mas estas, ficaram pouco.
Após a chegada de Marina Yoshie, outra que firmou-se com regularidade, foi Paola Girardello, ex-namorada de Paulo Thomaz, baterista do "Centúrias"; "Firebox"; "Cheap Tequilla", "Baranga" e atualmente no "Kamboja".

     Paola Girardello, em foto de 1996, em minha sala de aulas

Paola já tocava com desenvoltura quando buscou minhas aulas, e seu objetivo era aperfeiçoar-se. Eu não tinha, portanto, muito o que ensinar-lhe, mas por conta de sua força de vontade em aprender, acabou ficando um bom período nas aulas, até 1996, aproximadamente.

Paola estudando, e sendo observada por outro aluno, Thiago Fratuce. Foto de 1996, em minha sala de aulas

Envolvendo-se no mundo da música, acabou conhecendo pessoas ativas na produção musical, e foi emendando trabalhos interessantes, interagindo como road manager e assistente de produção de vários artistas. Extremamente simpática e comunicativa, tornou-se amiga, e por ter origem italiana, contava-me coisas da Itália, onde costumava ir com regularidade, para visitar seus avós na cidade de Perugia, 60 Km de Roma. Nossas conversas extra-aulas sempre eram agradáveis nesse sentido, portanto. Outra garota que ficou um bom tempo em 1994, chamava-se Carolina, e chamava a atenção por ser muito nova e muito bonita.

       A jovem Carol, em foto de 1996, em minha sala de aulas

Quando chegava e tocava a campainha de minha casa, muitas vezes ouvi assovios de rapazes passando de carro ou moto na rua, que mexiam com ela, constantemente.  Carolina tornou-se namorada do baterista do Pitbulls on Crack, Juan Pastor, e permaneceram juntos por um bom tempo.


Segundo semestre de 1994, e minha tropa de Neo-Hippies estava solidificada. Minha sala de aulas já não era só um ambiente didático para aspirantes a aprender um instrumento musical, e / ou sonhadores em adentrar numa carreira artística, mas um micro Centro Cultural, com ações concretas de intercâmbio de informações.

A foto acima foi uma das primeiras que meus alunos trouxeram-me via internet : Dr. Timothy Leary, figura emblemática da contracultura sessentista

Daí em diante, eles começaram a imprimir fotos que achavam na Internet, com imagens de ícones contraculturais os mais diversos, e levá-las à sala de aulas, e dessa forma, fomos anexando ao mural, que ficou pequeno, e que extrapolando, passou a ocupar todas as paredes, doravante. Tornou-se uma tenda Hippie, e não era incomum que acendessem incensos, também...

Claro, fugiu um pouco do controle, e vez por outra eu pisava um pouco no freio, justamente para não deixar que o propósito original desvirtuasse-se, perdendo o foco didático das aulas. Era importante manter o padrão de qualidade das aulas a todo custo, evidentemente.

Eu na minha histórica cadeira de "professor", com a "mítica" esferográfica na boca, pronta para ser usada para anotações nos cadernos dos alunos, mas muitas vezes usada como "baqueta", para imprimir percussões que eu fazia, no afã de dar sustentação rítmica aos exercícios que propunha aos alunos... quem foi meu aluno, sabe bem desse recurso prosaico que usava, mas que invariavelmente, funcionava em seus propósitos didáticos...

Mas creio que mesmo em dias de certos excessos de euforia, protagonizados por até 18 adolescentes dentro da salinha, eu conseguia controlar...

Alguns dos alunos e agregados das quintas, que por anos, frequentaram a salinha da rua Castro Alves...

A quinta-feira tornou-se o dia de pico nesse sentido, e quando o último aluno partia, às 21:00 h, eu estava exausto...

Mudando de assunto, fora aquela fase onde minha sala de aulas tornou-se um balcão de vendas de CD's, por muitas vezes visitei lojas de discos, acompanhados de alunos e agregados. Parecendo uma verdadeira excursão escolar, tal prática era quase uma atividade extracurricular. Além da diversão garantida em levar esses garotos e sua empolgação pelo mundo dos discos, acho que essa prática ainda era uma atividade lúdica e fundamental para quem gostava de música. Quando penso nisso, confesso que tenha saudade do tempo em que visitar uma loja de discos era parte fundamental do processo, como um ritual de um verdadeiro culto à música.

Zé Carlos, proprietário da excelente loja "Nuvem Nove", que marcou época para muitos colecionadores de discos em São Paulo e no Brasil

Levei-os muitas vezes à histórica loja "Nuvem Nove", que era uma das mais completas e aconchegantes de São Paulo, e completamente fora do circuito da "Galeria do Rock". Muito bem localizada no coração do bairro Itaim-Bibi, na zona sul de São Paulo, era a típica loja montada por apaixonados pelo Rock, e durante muitos anos, teve como funcionários, verdadeiros especialistas no assunto.

         O jornalista Bento Araújo, editor da Revista Poeira Zine

Outro ex-funcionário da Nuvem Nove, o crítico de cinema e expert também em Rock, e música em geral, Sérgio Alpendre

Um exemplo, foi o jornalista Bento Araújo, o editor da genial revista "Poeira Zine", que eu conheci ali na Nuvem Nove, e também o crítico musical e cinematográfico, Sérgio Alpendre. A presença de muitos jornalistas; músicos famosos, e colecionadores de discos com conhecimento enciclopédico sobre o assunto, fazia da Nuvem Nove, uma loja muito legal de ser frequentada. E de fato, ali, por muitas vezes, levei minha tropa de Neo-Hippies, que fizeram grandes compras, e absorveram as conversas das pessoas ali presentes, nas animadas rodinhas, onde o assunto era sempre o Rock, principalmente das décadas de 1950; 1960, e 1970. Isso sem contar a mega simpática presença de seus donos, Zé Carlos & Julia, igualmente dotados de conhecimentos enciclopédicos sobre a história do Rock e que muito apoiaram a Patrulha do Espaço, na época em que fui componente anos depois, com patrocínio pontual em várias campanhas de divulgação.
Outra loja onde levei-os várias vezes, era a "Gramophone", também ali no mesmo bairro (Itaim-Bibi, zona sul de São Paulo). Essa, era mais sisuda, e com linha mais tradicional de loja com "jeito de shopping" e público não rocker. Mas seu acervo era bom, e os preços interessantes.

Só tive um pequeno problema na Gramophone, uma vez. Quando entrei com esse bando de garotos, o gerente incomodou-se, e eu notei que ele instruiu os funcionários para ficarem atentos...
Certamente temia por furtos e / ou vandalismo, por puro preconceito, mas não senti-me ofendido. Até entendi a posição dele, com temeridade velada, e como não passou disso, não tenho o que queixar-me. E no fim, seus temores devem ter tornado-se um grande alívio, pois meus alunos e agregados, fizeram uma boa compra e o caixa da loja "tilintou" muitas vezes naquela tarde...
Por fim, particularmente eu ficava muito contente por vê-los comprando grandes álbuns, de grandes bandas. Era um reforço extracurricular e tanto para eles.


Como já mencionei anteriormente, mas agora explico com maior profundidade, tive a ideia de organizar um torneio de futebol em 1994, para descontrair, e unir ainda mais os meus alunos. Improvisadamente, na minha própria garagem, que era acoplada à sala de aulas, organizei o torneio, ao qual denominei como : "Futebol Indoor".


Molecagem do bem...
Marcelo Bueno foi o grande campeão de 1994, com o "professor" que aqui escreve, ficando com o vice-campeonato. Fernando Minchillo ficou em terceiro lugar, com Marcos Martines no 4° lugar.
Rodrigo Hid terminou em 5°; Ricardo Garcia em 6°; Thiago Fratuce em 7° e Alexandre "Leco" Peres amargou a lanterna, no 8° lugar.
Edil Postól; Junior Peloso e tantos outros não participaram por motivo de incompatibilidade de agenda, mas em 1995, o campeonato foi mais robusto, com mais alunos participando.


E assim, sob a euforia de um campeonato juvenil e absolutamente galhofeiro, ainda que no limiar, levado à sério na hora da disputa, encerrei o ano de 1994 em minha sala de aulas, com a boa perspectiva de que em 1995, esse bom astral não só permaneceria, como tinha tudo para amplificar-se. Aliado a isso, os bons ventos que sopravam para o Pitbulls on Crack, também ajudava-me a prever uma onda de boas novas para 1995, e a minha sala de aulas com os meu alunos, faziam parte disso, certamente.

Minha residência na ocasião, e justamente na garagem, ocorreu o campeonato. A porta da garagem levou muita bolada, e deve ter incomodado bem a vizinhança pelo barulho infernal que fazia, fora a gritaria inerente dos jogadores... 
       O futebol sempre animou a minha sala de aulas, sem dúvida...

Aproximando-se o final de ano, além do campeonato de futebol indoor, que produziu muita euforia na minha sala de aulas, as atenções voltavam-se às crescentes apresentações de bandas de alunos, onde uns apoiavam os outros, e isso era muito legal, sem dúvida alguma. E nesse processo, eu ficava muito contente, porque além do conceito de ajuda mútua, que eu achava positivo, havia a natural expansão que o élan de ver uma banda ao vivo, causava.
Quem ainda não tinha uma banda, ficava doido para ter uma, e isso estimulava-os a estudar mais, melhorando seu desempenho no instrumento.

Cali Keller descendo de seu carro, e Alexandre "Leco" com seu cão, na porta de minha residência. Foto de 1996

Outro aspecto muito bacana que eu valorizava, era o de haver essa mobilização toda, e que inevitavelmente, trazia elementos agregados. Muitos amigos dos amigos; namoradas e primos dos alunos, acabaram envolvendo-se, engrossando assim, o meu crescente "exército Neo-Hippie". Num futuro não muito distante, essa tropa, ajudar-me-ia em diversas ocasiões e circunstâncias.
No final de 1994, um novo aluno entrou, motivado ao extremo, chamado Ricardo Schevano. 

Marcelo Bueno; Ricardo Schevano, e Marcello Schevano, posicionados da esquerda para a direita, em foto de 1996, na minha sala de aulas

Entre muitos que tinham essa característica, Ricardo chamou-me a atenção desde a primeira aula, pois mesmo ainda muito jovem, tinha uma força de vontade incrível, e sobretudo, a convicção de que queria ser um músico profissional, e um Rocker, sem sombra de dúvida. Agregado às suas aulas, trouxe desde o primeiro dia, seu irmão caçula, que na verdade era ainda maior que ele em tamanho físico, chamado Marcello Schevano. E idem, demonstrava um talento extraordinário, como guitarrista. Com apenas 15 anos de idade, já fazia solos com grande desenvoltura, e eu notei uma característica sua incrível : por assistir as aulas de seu irmão, ficava quieto observando o que eu ensinava ao Ricardo, e quando surgia uma brecha, eu via-o pegando o baixo, e executando tudo o que eu ensinara ao Ricardo, com precisão total...

Foto promocional da Patrulha do Espaço, em 1999. Click de Moa Sitibaldi. Atrás : Rolando Castello Junior. Na linha de frente, da esquerda para a direita : Marcello Schevano; eu, Luiz Domingues e Rodrigo Hid


Estava claro que tinha um ouvido musical excelente, e de fato, ao longo dos anos posteriores, 1995; 1996, e 1997, só pude comprovar o seu crescimento vertiginoso, até que em 1998, ele estivesse tocando comigo no Sidharta, e a partir de 1999, tornar-se-ia membro da Patrulha do Espaço, junto comigo, e Rodrigo Hid.
Nessa época, os irmãos Schevano, tinham uma banda, que durou até meados de 1997, e chamava-se "Essex". Esse nome era oriundo do fato de ser o nome do edifício onde eles moravam, e tinham como vizinho, o baterista Marcelo Burani, sobrinho de Diógenes Burani, ex-baterista da Gal Costa e da banda Moto Perpétuo (onde Guilherme Arantes foi tecladista).

O baterista do "Essex", e agregado de minhas aulas, Marcelo "Always" Burani

E para fechar tal banda, o outro guitarrista e vocalista, era Toni Peres Rodrigues, irmão do meu aluno, Alexandre Peres Rodrigues, popular "Leco".  Enfim, os irmãos Schevano foram aparecer na minha sala de aulas, por essa conexão do Alexandre, meu aluno, e com o apoio do Toni. Claro, a banda inteira passou a frequentar a minha sala de aulas com regularidade, e tornamo-nos amigos. O auge dessa amizade deu-se quando convidaram-me para produzir um fita demo, que gravariam em 1997 (fato amplamente relatado no capítulo dos "Trabalhos Avulsos").

                                    Jamé, em foto de 1996
 

E através dos irmãos Schevano, um aluno novo, apelidado "Jamé", apareceu em dezembro de 1994, também, e dois anos depois, dei aulas para o seu irmão, o "Jamézinho"... 1994 encerrou-se com o clássico Futebol Indoor, e 1995 prometia...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário