Pesquisar este blog

domingo, 5 de junho de 2016

1962, Começando a Absorver Signos Culturais - Minha Ligação Inicial com o Rock na Infância e Começo da Adolescência - Por Luiz Domingues


1962 foi o ano que comecei de fato a entender; interagir e absorver o mundo e toda a inacreditável gama de informações nas quais ele mostra-se e dispõe-nos. Tenra infância, é claro, absorvendo de forma lenta, sem nada fora da normalidade, não era nenhum gênio, nenhum precoce fora de série e tampouco um menino "indigo" ou "cristal".  
Eu, Luiz Domingues, em 1962, aos dois anos de idade, começando a receber o legado cultural do mundo...
 
Mesmo assim, a carga que comecei a receber foi significativa, e pelo fato de eu ter uma boa memória para acontecimentos de longo alcance, posso afirmar que tenho sim, lembranças desse ano.
Claro, nessa idade, tudo o que absorvi foi circunscrito ao âmbito familiar, e que o chegou-me de forma externa, foi via Rádio; TV; discos; e jornais e revistas. Com rádio; TV e vitrola de casa a todo vapor...

E também com as revistas e os exemplares do jornal Folha de São Paulo que meu pai assinava, era evidentemente que meu interesse inicial e capacidade de entendimento restringiam-se somente à apreciação das ilustrações e convenhamos, nessa idade, sem maior condição de estabelecer associação de ideias, apenas apreciando formas, logicamente. Haviam também os exemplares do Jornal dominical, Shopping News, um simpático jornal de bairro, distribuído gratuitamente nos lares de diversos bairros da minha cidade de São Paulo.

Falando de música, o rádio colocado estrategicamente na cozinha, tocava o dia inteiro. Minha mãe fazia o almoço ouvindo-o e costumava cantarolar algumas canções que gostava. Minha lembrança consegue recuar ao ponto de reconhecer músicas que tocavam em maior profusão, brasileiras ou internacionais.  

Lembro-me de artistas da velha guarda como Vicente Celestino; Silvio Caldas e Dalva de Oliveira, mas também havia Ângela Maria; Cauby Peixoto; Nelson Gonçalves e sambistas como Cyro Aguiar; Miltinho; Elza Soares; Moreyra da Silva; Demônios da Garoa e muitos outros.  

Artistas dito "jovens" como Carlos Gonzaga; Cely Campelo; Demétrius, também entravam nesse esquadro...

Rapidamente comecei a associar as músicas à figura dos artistas pela TV. Dei sorte, porque a grade das emissoras tinha muita programação musical nessa época, e daí tornou-se automático associar as músicas aos artistas, além de absorver os comentários dos adultos ao meu redor, a reforçar tais signos.

Uma das primeiras observações que fiz e da qual tornou-se um paradigma, foi que o artista em geral, era um ser "especial", um tipo de pessoa notável, acima da normalidade das pessoas comuns. Na imaginação infantil, ouvir a voz dos cantores no rádio e vê-los cantando na TV, acompanhados de músicos, geralmente em formação orquestral, denotava uma grandiosidade.

Fora isso, achava o gestual dos artistas ao apresentarem-se na TV, mais a formalidade do seu vestuário (com homens geralmente trajando smokings, e as moças, vestidos de festas), algo fora do comum, como se fosse sempre algo a denotar um caráter excepcional. Claro que achava isso imponente, numa primeira leitura bem prosaica, infantil e distante da compreensão mais categorizada das coisas, mas não muito distante da realidade, em se considerando como era o métier artístico da época, ainda impregnado de valores tradicionais, remetendo à signos das décadas anteriores, e com a ideia glamorizada de artistas apresentando-se com pompa e circunstância em night clubs, shows em cassinos etc etc. Era portanto, uma concepção antiga e de certa forma americanizada da cena artística, muito embora a maioria desses artistas que via nos programas musicais da TV, fossem bem brasileiros, apresentando um cancioneiro enraizado na cultura nacional, notadamente o samba em várias vertentes, e outros com tendências latinizadas, no sentido hispânico do termo.

Ainda falando de música, a vitrola caseira também passou a exercer uma influência forte na minha formação cultural. Meus pais gostavam de ouvir música, e com volume bem alto, fora o fato de que haviam discos do acervo familiar, muito interessantes.  

Ecléticos, ambos gostavam de muitas coisas e assim, os discos que compravam eram variados, indo de música brasileira a latina; muita música instrumental antiga e moderna (de Glenn Miller, que meu pai adorava a Billy Vaughan, mais moderno para a época), a música pop do momento, como Cely Campelo; música erudita que minha mãe gostava por ser formada como professora de piano; coletâneas de sucessos americanos & europeus e muitas, muitas mesmo, trilhas de cinema.  
Esse disco rodou bastante no pick up de casa. Trilha sonora do filme "Show Boat" ("O Barco das Ilusões") e com a incrível música, "Old Man River" em destaque, provavelmente o primeiro blues que eu apreciei, conscientemente... 
 
Tais discos de trilhas de filmes, em breve ajudariam a fomentar em minha percepção, a paixão pelo cinema, quando associei-as aos filmes em si e comecei a ter contato e entender de fato, mais para frente, os filmes e seriados que eram exibidos na TV. Portanto, um veículo apoiava o outro e entre rádio; TV; discos e impressos em geral (livros; revistas e jornais), fui rapidamente encantando-me com as várias formas de arte e signos culturais em geral.  

Sobre os acontecimentos gerais do ano, falando e começando a entender o significado das coisas, comecei a interagir e despertar a curiosidade sobre tudo, como qualquer criança normal de dois anos de idade. No meu caso em específico, comecei também a interessar-me por notícias, mesmo tendo parca compreensão dos fatos. Achava fascinante ver meu pai lendo o jornal, e comentando em voz alta o que lia. Devia ser interessante e assim, mesmo sem compreensão, e sendo analfabeto, passei a nutrir grande simpatia pelo jornal impresso, mesmo que na prática, demoraria anos para degustá-lo por conta própria.  

O mesmo com o jornalismo do rádio e da TV. Achava imponente o tom empregado pelos locutores, e de fato, na época os noticiários eram ainda mais formais dos que os dos dias atuais. Ficar vendo aqueles homens falando com voz impostada, dava-me a impressão de algo solene, sempre importante. E fui gostando daquilo, mesmo sem entender o conteúdo, mas já alimentando uma simpatia pelo jornalismo. Claro, o impacto da TV mais direto passou a ser com os desenhos animados e programas infantis em geral. Desenhos estrangeiros em sua maioria esmagadora, mas que eu nem percebia isso na época por conta da dublagem, obviamente.  

Em 1962, e por muitos anos, a programação de desenhos exibia desenhos modernos, notadamente da produtora norte americana, Hanna-Barbera, mas também de outras companhias como a Warner (através da sua série, Looney Tunes); a de Walter Lantz e produções antigas que remetiam aos primórdios das animações, desenhos produzidos especialmente para o cinema e que eram exibidos antes dos filmes, nos anos trinta; quarenta e cinquenta. Pouco tempo depois surgiria a Depatie-Freleng Enterprise, e a Mirisch, que na verdade eram um só companhia, embora parecessem distintas.  
Eis acima um desenho de 1937, produzido pelos estúdios Fleischer, feito para exibição nos cinemas, mais um entre vários que passavam fartamente na TV durante as décadas de cinquenta e sessenta, sendo divertido, muito bem feito e tocando música de qualidade. Geralmente, desenhos dessa natureza, apresentavam obras eruditas (o que exemplifiquei acima, tem trechos da Rapsódia Húngara Nº2 de Franz Liszt, por exemplo); Jazz sob diversas vertentes, e o cancioneiro folk americano em versões de gravações dos anos vinte e trinta, principalmente. Tremenda influência legal para a criançada da época, eu incluso. Recomendo o canal do You Tube, de onde extraí esse link acima, que tem vários outros exemplos de animações dessa natureza e época.

Havia uma carga forte de música nos desenhos também, e por conseguinte, a influência de várias vertentes da música americana era brutal através dos desenhos. Apreciar standards de jazz; música erudita; cancioneiro Folk americano; country & western e Blues, passou a ser um prazer, logicamente.  

Sobre a TV em si, além dos desenhos, e da música que já citei, a carga de seriados e filmes foi arrebatadora e já a partir de 1962, fui capturado para sempre pelos dois gêneros.  

Assistindo com os meus pais e muitas vezes na companhia de minha avó paterna, tios e primos, ter contato com o cinema e seriados, tornou-se um hábito que perpetuei na minha vida.

Saindo dos aspectos artísticos, a absorção de cultura sob outros âmbitos também foi massificante a partir de 1962. O contato com a rua passou a ser mais um objeto de minha observação mais arguta.
Gostava imensamente de passear com a família e nessa época, não por mal, mas com regras de segurança frouxas, ninguém usava cinto de segurança nos automóveis. Pior que isso, viajava no colo da mamãe geralmente, e sem notar nenhuma preocupação adicional com a segurança. Na necessidade de uma freada mais brusca, meu pai tirava a mão do volante e segurava ao mesmo tempo, eu e mamãe, no braço...nada mais prosaico.  

Gostava de olhar os letreiros dos outdoors e placas das lojas; ver a iluminação no período noturno, ver pessoas estranhas nos carros ao redor, os ônibus e gente andando nas ruas.


Como já disse em capítulo anterior, a cidade de São Paulo tinha garoa quase o ano inteiro, no período noturno. O frio era de rachar, mas eu gostava muito da sensação do ar gelado e ver meus pais e todo mundo, bem agasalhado. Achava todo mundo elegante nos dias frios e associava isso imediatamente aos seriados e filmes americanos e europeus que via na TV. Aquilo foi tornando-se um signo forte para a minha formação, ao ponto de eu demorar para entender o caráter tropical do Brasil, mesmo porque São Paulo era fria e garoava toda noite, portanto, na minha primeira avaliação de mundo, achava que éramos iguais aos povos do meridiano norte.

A formalidade moldou minha primeira impressão do mundo. A educação sendo forjada pela máxima de respeitar os mais velhos sem contestação, e o apuro para verbalizar a linguagem da melhor maneira possível, pronunciando corretamente as palavras; conjugando corretamente os tempos verbais e sendo estimulado a aprender sinônimos para cada palavra, a fim de enriquecer o vocabulário, era regra geral, pelo que entendia na época.

Sobre os aromas e sabores do mundo, rapidamente fui elegendo os meus preferidos e os detestáveis. Através dos lápis de colorir e das roupas das pessoas, fui também escolhendo minhas cores prediletas e as que desagradavam-me. Sobre os sabores, minha predileção inicial recaiu sobre os alimentos adocicados, em detrimento dos salgados. Tal predileção persistiu por anos, até chegar num ponto da vida adulta onde estabeleci um maior equilíbrio entre os dois polos, mas ainda prefiro a vertente doce.

Um fato muito interessante ocorreu-me desde os primeiros meses de vida em 1960, e cuja explicação lógica não disponho até hoje, mas o fato é que sou um vegetariano de nascença. Ainda bebê rejeitava sumariamente as primeiras papinhas contendo qualquer tipo de alimentação dessa natureza e gerando estupefação familiar, fui levado a diversos pediatras, como se isso fosse algo bizarro e de fato, naquela época e pela minha idade mínima, o era certamente.  

Nada de anormal foi constatado no meu organismo e tal fato foi atribuído ao paladar natural, com rejeição sumária de tal tipo de alimento. Apesar de ter tido a sorte de ter nascido numa família que nunca desrespeitou minha rejeição natural e aceitou minha opção natural pelo vegetarianismo, fui alvo de um bullying não violento, mas bem chato, da parte de muitos parentes, por toda a infância e adolescência, dando conta de que jamais conformaram-se com essa situação e não poupavam-me de brincadeiras idiotas à mesa, em inúmeras circunstâncias de refeições familiares festivas ou mesmo fortuitas.  
O Papa João XXIII, Sumo Pontífice da Igreja Católica, em 1962

A questão religiosa tinha seu papel forte, também. Com a esmagadora parte da família paterna, que foi mais presente nos meus primeiros cinco anos de vida, professando o catolicismo, claro que observar orações, símbolos religiosos e a liturgia de missas, fazia parte da vida. É lógico que achava chato e não tem como um menino de dois anos achar uma missa, estimulante, com todo o respeito. Impressionava-me a morosidade do ritual e o respeito subserviente, quase num tom de temor que os adultos demonstravam em relação ao padre e seus comandos, fora as imagens e toda a morbidez que norteia o catolicismo. Foi em tese, o meu primeiro contato com a ideia de morte e sofrimento; medo e obediência servil. Claro, tais observações não correspondem ao que eu podia analisar à época, mas ilustram o que eu percebia, reforçados pela consciência do adulto que tornei-me, posteriormente.  

Minha mais remota lembrança viva sobre o esporte e o futebol em específico, vem desse ano. Lembro-me de ouvir foguetório ao redor de casa, e meus pais comentando que as pessoas estavam eufóricas pelo fato do Brasil ter ganho um campeonato. Nada disso eu entendia, propriamente dito. Nem mesmo o conceito sobre o que era o "Brasil". "Male male", conseguia entender que existia o bairro do Belenzinho, que fazia parte de uma cidade chamada São Paulo, cujo nome era assim por causa de um santo católico. A dimensão do que era realmente o "Brasil", só vim a conhecer depois. E sobre o futebol, só no ano seguinte, 1963, comecei a entender o que era e representava.

Nessa altura, eu já havia dominado as nuances da ordenação do tempo. Sabia a noção de dias da semana e meses do ano e já começava a associar efemérides aos meses e estações climáticas do ano. Portanto, já sabia que meu aniversário era sempre sob o frio de inverno e isso agradava-me, passando a ter um certo prazer recôndito pelo fato, por conta da simpatia que tinha pelo frio.  
Luiz Domingues em 1962, com papai e mamãe, em passeio a local não identificado, posando em frente ao carro da família, um valente Volkswagen, grande ícone sessentista no Brasil...
 
Mas, nunca gostei de festa de aniversário. Não demonstrei isso claramente durante alguns anos, mas chegou um ponto onde tal rejeição fez-me extravasar isso abertamente aos meus pais. Portanto, muito pequeno, não tinha alternativa a não ser tolerar festinhas organizadas por eles, com toda a boa vontade do mundo, eu sei e agradeço, mas a verdade é que nunca gostei de comemorar aniversário. Em 1962, meu pais organizaram uma festa pelo meu natalício, da qual lembro-me claramente. Usei calça azul; camisa branca e uma gravata borboleta vermelha. Havia uma paletó combinando com a calça e como acessório, um suspensório. Foi mais uma festa de adultos, no entanto, pois eu não tinha relações de amizades na vizinhança, não frequentava escolinhas infantis e isso era raro para qualquer criança na época e além disso, o grande contingente de meus primos, filhos dos irmãos da minha mãe, moravam em cidades interioranas. Só tinha quatro primos por parte de mãe em São Paulo que não puderam ir e assim, além de eu mesmo, só havia uma criança na festa, meu primo por parte de pai, que com 9 anos de idade na ocasião, não era lá uma companhia ideal para brincar, dada a diferença etária entre nós.
Meu presente mais legal ganho em 1962, era parecido com esse carro real de polícia, da foto acima. 

Ganhei muitos presentes, no entanto, um dos que mais gostei, foi um carro de polícia ao estilo norte americano. De fato era um Impala (acho que era, não tenho certeza), com inscrições da polícia de Nova York; giroflex no teto que acendia; portas que abriam, e movido a pilha. Fiquei louco pelo carro, porque imediatamente associei-o aos seriados e filmes que via na TV. Infelizmente, num ato de imprudência tipicamente infantil, quebrei-o na mesma noite, quando no afã de fazê-lo andar mais rápido do que o normal permitia-lhe pela ação das pilhas, meu impulso arremessou-o contra a parede, avariando-o. Fiquei muito frustrado, e a fala de meu pai dizendo que levaria-o para o conserto na segunda-feira, não amenizou minha frustração. Coisas chatas aconteciam na vida, gerando insatisfações...estava começando a lidar com isso. 

Muita coisa importante aconteceu no ano de 1962, no mundo, mas ao contrário dos dois capítulos anteriores onde mencionei muitos fatos de 1960 e 1961, a partir deste, foco no que mais influenciou-me diretamente, visto que a partir desse ano, eu estava criando consciência, progressivamente neste instante e ao longo dos anos vindouros, naturalmente. 

Resumidamente : guerra fria ficando quente, e quase fervendo com a crise dos mísseis em Cuba; guerras por independência na África; guerra do Vietnã esquentando; movimento pelos direitos civis na América; turbulência política no Brasil; morreu Marilyn Monroe; Ano da criação do Incrível Hulk; aqueles garotos de Liverpool trocaram de baterista e começaram a sua trajetória de ultra sucesso; James Bond saiu dos livros e também virou ícone na tela grande e os anos sessenta estavam começando a destacar-se para tornarem-se na verdade, a mais revolucionária década do século XX, e eu estava ali, não na idade ideal para absorver tudo isso em cheio, mas sou muito grato aos cosmos por estar vivo nessa década.

Escrevi em 2012, uma matéria traçando um paralelo entre o lançamento do primeiro single dos Beatles e o primeiro filme de James Bond. Ambos em outubro de 1962, ambos britânicos e ambos com a capacidade explosiva de tornarem-se icônicos mundialmente, e foi o que ocorreu. Coincidência ? Acho que não...

Abaixo, o Link para ler a matéria citada no meu Blog 1 :

http://luiz-domingues.blogspot.com.br/2012/10/love-me-do-mr-bond-por-luiz-domingues.html

Bem vindo aos anos sessenta...que os jogos comecem !!
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário