Pesquisar este blog

segunda-feira, 11 de maio de 2015

A Chave do Sol - Capítulo 4 - Primeira Curva Descendente, mas Rápida, Ainda Bem... - Por Luiz Domingues


Sem Verônica, e sem o Victória Pub como palco fixo, com direito a bons cachets e badalação, ficamos sem perspectiva imediata para seguirmos no ótimo embalo que havíamos obtido, desde outubro de 1982. Então, o Dinola teve a ideia para que produzíssemos um show em um espaço alternativo, que não fosse casa noturna, onde poderíamos tocar mais nosso material autoral, com menos covers.

Surgiu então a ideia em alugarmos um pequeno teatro que pertencia a um colégio particular, na Av. Angélica, chamado : Colégio Piratininga. O motivo dessa escolha ocorreu pelo fato do Zé Luiz ter estudado lá, e conhecer pessoas da direção do mesmo, a facilitar o contato. E o início da conversação foi promissor, pois o colégio aceitou ceder-nos o teatro, sem custos, mediante uma pequena compensação, apenas : pediu-nos para providenciarmos cortinas pretas de cenografia para tampar as coxias, recurso esse que não havia no teatro, e que elas ficassem para o teatro, definitivamente, em troca do uso do espaço. Como tratava-se de um pequeno auditório (cerca de 300 lugares), o material usado ficaria muito mais barato que o valor do aluguel em outro teatro qualquer, e dessa forma, aceitamos a permuta.

Entretanto, o colégio não estava acostumado a promover produções abertas ao público em geral, pois seu uso era restrito às atividades escolares, portanto, não portavam nenhuma licença da prefeitura, e nem sabiam lidar com ECAD, OMB, e tantos outros órgãos arrecadadores de taxas e impostos... e nós... também não sabíamos...

Então, gastamos cerca de vinte dias de trabalho intenso, pois tivemos que correr atrás de toda essa burocracia; além da divulgação e produção do show. Fora ter que pensar em cenografia, pois tínhamos de fazer as cortinas, pensar em um cenário minimamente interessante, alugar P.A. e luz... e claro, tínhamos que ensaiar ! Sem a Verônica, era preciso adaptar o vocal do Rubens para a maioria das músicas; o Zé Luiz, em algumas, e até eu entrei na mira, ao assumir como vocalista solo, mesmo sabedor que minha voz servia somente para backing vocals, e sob limitações...
Foram dias intensos sob muito trabalho, e uma certa apreensão, pois o risco fora grande, ao considerar-se que dependeríamos de uma incerta féria oriunda da bilheteria...


Só eu e Zé Luiz esforçamo-nos para sanar tais entraves impingidos pela burocracia. Ninguém ajudou-nos externamente nessa questão. A verdade, foi que não tínhamos a mínima ideia do que era realmente necessário. A primeira providência que sugeriu-se, foi pedir licença à Prefeitura, para não haver perigo de embargo do show ou sanções, pois o Colégio queria estar 100 % garantido que nada acontecer-lhe-ia, mas o engraçado foi que eles tinham o Teatro, mas não faziam a menor ideia do que seria realmente necessário, pois ele era usado só em atividades pedagógicas internas, e dessa forma, portavam a licença operacional concedida pela delegacia de ensino, via Secretaria de Educação, e isso bastava aos seus propósitos educacionais, tão somente.


Contudo, tratava-se de uma situação nova, com uma apresentação musical mediante cobrança de ingressos, e nesse caso, eles jogaram a bomba da burocracia para as nossas mãos. Sendo assim, perdidos, fomos à Prefeitura e ali informaram-nos que seria preciso pagar uma taxa para solicitar o alvará para o teatro, mas também seria necessário uma autorização do corpo de bombeiros, e a cobrança de ingressos só seria liberada mediante uma aprovação do talão de ingressos numerados, após pagarmos uma taxa para o governo estadual, também... e claro, nada disso era resolvido de forma imediata... primeiro teríamos que pagar, e esperar prazos longos, que praticamente colocavam o show em risco.

Essa ladainha consumiu-nos alguns dias a visitar repartições públicas, a sofrer de guichê em guichê, até que a paciência esgotou-se, e resolvemos mandar tudo às favas ! Seria tanta burocracia inútil e dinheiro jogado fora, que realmente tal situação aviltante, aborreceu-nos profundamente. Isso fora um "corrupto de plantão", funcionário de uma dessas repartições públicas, que tentou aplicar-nos um golpe da "facilidade", e por conta dessa situação revoltante, o Zé Luiz o apelidou como, "Gordo FDP", pois era realmente uma figura asquerosa, por suar em bicas, e ali a querer arrancar-nos dinheiro...

Então, arriscamos no tocante a essa questão Prefeitura / Estado / Bombeiros e demais órgãos públicos. E vou contar-lhe, amigo leitor, só apareceu um fiscal desses órgãos e de fato, não apareceriam outros, pois tratava-se de um show de um artista desconhecido do grande público, a ser realizado em um obscuro teatro que nem existia oficialmente, portanto, não seria caso para tal...

No tocante a Ordem dos Músicos do Brasil, eu já era membro desde 1982. Também preocupamo-nos com essa questão, mas o Zé Luiz e o Rubens não quiseram gastar esse dinheiro extra, fora o incômodo em perder um dia útil, para cumprir aqueles testes musicais bisonhos, com direito à longa espera no local, com várias horas. Arriscamos também, ao combinar entre nós, que se um fiscal da OMB aparecesse, apresentaríamos a minha carteira, e tentaríamos convencê-lo a não multar-nos. Claro, isso nunca aconteceria, pois se o fiscal fosse, seriamos multados, sem piedade, visto que uma carteira em ordem, apenas, não isentar-nos-ia.
E o ECAD, foi outra luta que abandonamos, pois queriam cobrar-nos uma taxa absurda como pagamento prévio, ou mandariam o fiscal no dia do espetáculo, para buscar 10% da renda bruta, da bilheteria. Por incrível que pareça, a taxa exigida, na ponta do lápis, mostrava-se mais cara que os 10% sobre a lotação máxima do teatro, e sendo assim, deixamos que o fiscal aparecesse por lá, no dia. E de forma inacreditável, ele foi ! Esta aí uma coisa que não falha : o fiscal do Ecad aparece até em "pic-nic" familiar... bastou pegar um violão para entreter a família, e ele aparece a desejar a lista do repertório para anotar em seu relatório, e 10% da arrecadação bruta...
A produção de palco seria a mais simples possível. Tocaríamos sem cenário, apenas as cortinas pretas que compramos, como fundo.
Nos últimos dias antes do show, o Rubens sugeriu que colocássemos posters que ele tinha emoldurados, com pinturas do Roger Dean.

Esse foi o cenário. Os ensaios foram normais, na residência do Rubens, no nosso quarto / estúdio, habitual. O Teatro só foi liberado no dia do show, e apenas o Zé Luiz esteve lá antes para medir o espaço, ao visar calcular a quantidade de tecido que precisaríamos, para preparar as cortinas cênicas exigidas em nosso acordo com o colégio. E também checar o palco, quantidade de tomadas existentes, para podermos contratar o P.A. e o equipamento de luz.


A questão da divulgação foi bastante complicada, pois não tínhamos uma verba folgada para tal finalidade. Apesar de termos feito um bom caixa nos meses anteriores, com uma agenda movimentada por shows, e principalmente pelos cachets robustos, provenientes da nossa temporada realizada no Victoria Pub (realizamos 14 shows, no total), teríamos que garantir uma boa quantia como reserva, para pagar o aluguel de P.A. e luz; as cortinas, e produção em geral. Cotamos cartazes, "lambe-lambe", e filipetas. Rádio, TV e tijolos nos jornais, nem pensar, e nessa etapa da história da banda, não conquistariam novos adeptos, pois éramos ilustres desconhecidos do grande público. Se houvesse verba, seriam interessantes, contudo, como mídia de alastramento da marca. Mas não foi o caso nessa fase da carreira, com nosso caixa minúsculo.

Fizemos então alguns cartazes, filipetas e a verba não dava para cobrir a colagem de lambe-lambe, apenas garantia a sua impressão.
Dessa forma, o Zé Luiz (sempre ele, nessas horas desbravadoras...), disse que sabia fazer a cola que os coladores de lambe-lambe usavam, e que prontificava-se a produzi-la, se nós aceitássemos ajudar a colar. Então, iniciamos uma semana intensa, ao produzirmos litros de cola, e a sair com carros pelas madrugadas, colocar nós mesmos, os cartazes. Claro, pedimos orientação para o pessoal da gráfica, sobre o roteiro a ser percorrido, pois havia um acordo entre todas as gráficas de São Paulo, sobre territórios demarcados. Sendo assim, só colocamos onde eles iriam colocar, e assim economizamos a verba da colagem, que aliás era praticamente a metade do preço cobrado.

O processo da fabricação da cola foi demorado, e transformou a cozinha da residência da família Gióia, em uma fábrica. Esperávamos a família dele recolher-se, e as empregadas domésticas da casa encerrar seu expediente.

Era usado polvilho azedo, água fervente e um pouco de sal grosso. Infelizmente, aquilo tinha um odor insuportável, por constituir-se de uma gosma fétida e nojenta, que causava náuseas. Fora o incômodo em usar panelas gigantes que o Zé Luiz providenciara, mas inadequado para ser usado em um fogão residencial com pequena extensão.


Havia um trato com a mãe do Rubens, e a Maria, chefe das empregadas da família Gióia, em deixarmos a cozinha do jeito que a encontráramos. Nada mais justo, por sinal...

Saíamos para a rua por volta de meia-noite, com latas de tinta, improvisadas como vasilhas para transportar tal líquido asqueroso, e o Zé Luiz providenciou cabos de vassoura para adaptá-las às broxas de pintura de paredes, como ferramenta na aplicação. Seguíamos nós três, no carro do Rubens, e uma ou outra noite, tivemos ajuda de alguns amigos abnegados, a seguir-nos em outro carro. Mas o grosso do trabalho foi executado por nós mesmos. No início de 1983, ainda vivíamos tempos de estações climáticas bem definidas, e na metade de abril, o outono já era bem gelado em São Paulo. Sendo assim, sentíamos um calor terrível dentro do carro, com as latas a ferver, e ao sair, a temperatura externa era bem baixa.

Logo na primeira colagem, em um tapume perto do local onde tocaríamos, na Av. Angélica, percebemos que a inundação no carro, e os respingos, eram inevitáveis, a deixar nossas roupas  impregnadas com aquele odor acre. E indo além, a cola caseira não era igual à usada por esses coladores profissionais. Vimos equipes profissionais a trabalhar, e a deles era aderente, automaticamente. A nossa, não era tão eficaz, e por algum erro nosso de fabricação, mostrava-se mais líquida que a deles, portanto, escorria. Para fixar, gastávamos mais material do que eles. O Zé Luiz aperfeiçoou a fabricação nos dias posteriores, depois dessa aula prática que tivemos no primeiro dia...
E assim foram noites e noites, a tornar essa produção cansativa, pois enfrentávamos a burocracia no período verspertino, ensaios e outros detalhes de produção. Comprar e preparar as cortinas, também foi trabalhoso, por exemplo.

No tocante aos cartazetes e filipetas, colocamos em alguns pontos estratégicos da época, mas isso foi fácil, devido a pouca quantidade que tínhamos à nossa disposição. E uma terceira medida foi adotada como estratégia de divulgação, mas que hoje em dia eu desaprovo em 100 %. Pichamos alguns muros, também em ações pela madrugada. Uma vez até, fomos abordados por uma viatura da polícia...

Mas como achamos efêmero divulgar o show com pichações, resolvemos fazer isso apenas para marcar o nome da banda. Então, em uma dessas madrugadas, estávamos nós três, componentes da banda, e acompanhados do poeta, Julio Revoredo, quando uma viatura flagrou-nos. Não deu para disfarçar, pois quando a viatura virou a esquina, o Zé Luiz estava com o spray na mão, ao caracterizar-se um flagrante.

Para a nossa sorte, os dois policiais militares da viatura,complacentes para conosco, e não houve condução à delegacia. Eles só  revistaram-nos, confiscaram os tubos encontrados conosco, e deram-nos a advertência de que na reincidência, autuar-nos-iam. Algumas dessas pichações, feitas em bairros da zona sul de São Paulo, tais como, Saúde; Ipiranga, e Vila Mariana, ficaram por muitos anos, expostos. Houve uma delas, inclusive, perto da estação Vila Mariana do Metrô, que sobreviveu até pelo menos, 1986...

Reprovo essa prática veementemente. Assumo a minha parcela de culpa, mas à época, mesmo ao considerar errado sob o ponto de vista da ética e da cidadania, eu aprovei a prática, por deduzir que essa propaganda seria importante para a consolidação do nosso nome. De fato, não foram poucas as vezes em que pessoas falaram-me sobre ter visto tais pichações nesses muros, e depois que a banda começou a ficar famosa, após termos começado a aparecer na TV, muitas pessoas contaram-me que viam essas pichações, mas não faziam a menor ideia do que significa aquilo, mas depois que despontamos na mídia, começaram a associar tal manifestação abominável, à existência da banda. O plano era pichar em muitos outros bairros da zona sul, e sob uma segunda etapa, expandir às outras zonas da cidade. Mas depois desse susto com a polícia, cancelamos essa estratégia. A seguir, falo do show no Teatro do Colégio Piratininga, propriamente dito.

Chegou enfim o show no Teatro do Colégio Piratininga. Essa apresentação ocorreu no dia 30 de abril de 1983, um sábado. Conforme já relatei, chegamos muito cedo ao teatro, antes mesmo do pessoal responsável pelo equipamento do P.A., que alugamos. 
Não eram nem oito horas da manhã, e o Zé Luiz já estava pendurado em uma escada de pintor de paredes, com uma furadeira em mãos, para preparar a colocação dos trilhos das cortinas. 

Iríamos tocar só com o fundo preto das cortinas, mas de última hora, o Rubens sugeriu usarmos vários quadros a conter posters de pinturas do Roger Dean que ele tinha (e também de um outro ilustrador internacional, este mais conhecido no meio do Heavy-Metal, por assinar capas de álbuns de bandas dessa seara). Tal medida tratou em fornecer um acabamento melhor ao visual do palco, sem dúvida. 


 

O próprio pessoal do P.A. alugou-nos também uma pequena iluminação. Foram colocadas duas torres laterais, com cerca de oito spots de 500, em cada uma. Uma iluminação bem fraca (dá para mensurar pelas fotos do show, quase a sugerir que tocáramos sob a luz de serviço), mas foi melhor que nada. O público presente, até que foi bom, por considerar-se a nossa condição como ilustre desconhecido do grande público, nessa época. Muito diferente do que passáramos nos últimos meses, quando em um progressivo aumento de audiência fora conseguido, graças ao movimento dos bares onde tocáramos. No entanto, a nossa nova realidade naquele instante, mostrou-nos que não reuníamos condições para atrair um público espontâneo, além do espectro de amigos e parentes ou mesmo os habitues de casas noturnas. 

Atrás do Rubens, encostada como guitarra sobressalente, uma Fender Mustang, que ele quase comprou nessa ocasião. Estava emprestada para ele testá-la, e de fato, foi usada em alguns momentos de shows que fizemos no Victória Pub, e foi levada ao show no Teatro Piratininga, igualmente.

E foi assim, com sessenta e cinco pessoas presentes em um  pequeno teatro, onde havia cerca de trezentos lugares disponíveis, que tocamos todo o nosso repertório autoral apresentável nessa ocasião, e alguns covers. Não foram muitos, ainda bem, mas lembro-me do Rubens querer executar Jimi Hendrix; tocamos "Hey Hey My My", do Neil Young, e uma surpreendente canção que ele quis cantar, de última hora : "Teenage Love Affair", extraída de um disco solo do guitarrista norteamericano, Rick Derringer. 

E veja a bela guitarra Fender Mustang, com cor Sunburst, no canto direito da foto, no seu devido suporte. Uma pena o Rubens não tê-la adquirido nessa época.

Uma surpresa que ninguém poderia imaginar... eu cantei duas músicas como vocalista principal... uma foi o cover dos Rolling Stones, "Jumpin' Jack Flash", e a outra, "Intenções", música que ficou de fora dos discos da Chave do Sol, mas que era muito boa, por ter características da escola do Prog Rock setentista, cheia de convenções meio , "Kingcrimseanas"...

O show foi bom, musicalmente, e constituiu-se da nossa primeira experiência em teatro, diferente de casas noturnas em que estávamos acostumados a atuar. "Entreter" a plateia em um teatro, sem deixar o show "esfriar", foi algo diferente e um tanto quanto difícil, como percebemos depois dessa oportunidade.


O público aplaudiu bastante, mas sabíamos que tratava-se de uma imensa maioria ali presente, formada por parentes e amigos, a quebrar qualquer ilusão de que os primeiros meses de labuta da banda, quando tocamos em muitas casas noturnas, poderia ter formado um público espontâneo, com admiradores do trabalho.

Não que alimentássemos tal perspectiva, mas foi uma realidade concreta, ao depararmo-nos com aqueles rostos conhecidos em sua maioria, e de fato, público para valer, só começaríamos a angariar na segunda fase em que a banda entraria em breve, contudo, o que não sabíamos naquela altura, é que apesar do momento de baixa no qual vivíamos naquela instante posterior à perda da Verônica, e saída do glamour do Victória Pub, mudaria em prol dessa segunda fase (e arrancada para uma consolidação como banda autoral, com direito à exposição na mídia), pois aproximava-se muito rapidamente !


 
Quanto ao show no Colégio Piratininga, foi nossa primeira experiência com o prejuízo financeiro, também.

O público presente e pagante foi até que razoável para os nossos padrões da época (sessenta e cinco pagantes), mas não deu nem para cobrir a metade das despesas. Tivemos mesmo que abrir a carteira, e acertar as contas para zerar essa produção, infelizmente.


E daí em diante, ficamos sem meios para seguir nesse planejamento de autoprodução, ao entrarmos na primeira crise, na história da nossa banda. Isso porque para voltarmos ao circuito de bares onde havíamos tocado nos meses anteriores, precisávamos readaptarmo-nos, pois ficáramos sem vocalista.


Por outro lado, voltar a tocar em casas como Deixa Falar; Devil's, e Café Palheta's, seria um retrocesso. Uma casa com melhor nível, como o Água Benta, sem a presença da Verônica, ficara difícil em curto prazo, e no Victória, recentemente  havíamos sido "gentilmente" despedidos...

Depois desse show, o Colégio Piratininga percebeu seu próprio potencial em relação ao seu espaço, pois não passou muito tempo, e reformaram o auditório, e assim passou a denominá-lo como : Teatro Sadi Cabral, com programação regular com espetáculos musicais, e peças teatrais, sobretudo. Agora, preciso relatar duas ocorrências curiosas que aconteceram, mas não necessariamente na mesma época em que fizemos o show do Teatro Piratininga. Como não tenho datas específicas, e ao considerar-se que tais fatos geraram desdobramentos, portanto não foram ocorrências de um único dia em específico, acho que agora é um bom momento para inseri-las na narrativa.


Tais casos ocorreram mais ou menos entre abril e junho de 1983, mas sem uma data precisa na qual eu possa mencionar. Em ambos, ocorreram desdobramentos, a torná-los portanto, não fatos únicos de um dia, ou de um momento apenas. Vamos aos casos :
Na primeira ocorrência, recordo-me que o Zé Luiz chegou um dia no ensaio da nossa banda, a dizer-nos que um conhecido seu, que não via há tempos, encontrara-o fortuitamente, e sabedor que o Zé Luiz estava com uma banda autoral e a lutar para ingressar no mercado mainstream, propôs um intercâmbio com a banda a qual ele estava a tocar, e que também era autoral por intenção. Naquela altura, por vivermos os dias amargos de uma demissão do badalado Victória Pub e a voltar forçosamente à realidade da "terceira divisão" da música, toda ideia nova que surgisse, seria válida e desta forma, por que não considerar a proposta ?

Dessa forma, o Zé Luiz repassou-lhe o nosso interesse oficial por uma conversa preliminar e assim a verificar, como nossas respectivas bandas poderiam colaborar uma com a outra. O rapaz veio acompanhado de seus companheiros ao nosso ensaio, e ficamos com uma boa impressão dele e dos demais. Aparentavam ser um pouco mais novos do que nós (mas não muito), e sem dúvida demonstravam ter o sonho em lograr êxito na carreira musical, como nós, a nortear os seus esforços. O único senão nessa equação, foi o fato deles definir-se como uma banda "Punk", o que naquela época era bastante discrepante com a nossa proposta artística e vice-versa.

Mas, relevamos essa questão estética, e pelo contrário, valorizamos o fato dos rapazes serem jovens educados, com boa formação cultural e bem articulados, portanto, não havia nenhum cabimento em rejeitarmos a proposta para uma ajuda mútua, apesar da suposta disparidade das respectivas propostas artísticas entre os dois trabalhos. Poderia haver no entanto, reações negativas por parte de terceiros, pois ali no meio do furacão oitentista, a ultra segmentação de tribos era uma realidade indiscutível, e dentro dessa perspectiva permeada por animosidades radicais, não seria recomendável que uma banda Punk apresentasse-se no mesmo show, com uma banda de cabeludos hippies, e sob orientação setentista, por motivos óbvios, e de nada importava dizer aos radicais xiitas, que as bandas eram amigas, e respeitavam-se mutuamente, e indo além, moviam-se juntas sob um pacto de colaboração fraternal. Mesmo assim, alheios aos perigos que poderíamos enfrentar em situações desse nível, prosseguimos a encontrarmo-nos e dessa forma, planejar ações.

Uma primeira oportunidade surgiu quando o Rubens arrumou-nos o contato de um salão localizado no bairro do Sacomã, próximo ao Ipiranga, na zona sudeste de São Paulo. Tal salão estaria por abrir as portas para bandas autorais, desconhecidas como nós, oriundas do mundo underground, para apresentar-se. Naquela circunstância na qual vivíamos, por termos perdido nossa ótima vocalista, Verônica Luhr, e o embalo construído ao longo de meses a tocar em casas noturnas, precisávamos reinventarmo-nos, e bem rapidamente, portanto, buscar espaços alternativos onde pudéssemos fazer shows autorais, sobretudo, e não em casas noturnas tendo que tocar covers. Sendo assim, pareceu-nos ser um caminho, sob curtíssimo prazo, para reerguermo-nos. E como estávamos acertados nessa colaboração com tal banda do guitarrista, amigo do Zé Luiz, claro que tentamos inseri-la nessa perspectiva do salão rústico, no bairro do Sacomã.

Fomos lá para conhecer o espaço, e a viabilidade para marcarmos um show, visita essa realizada em um dia de semana a tarde. Tal espaço, no entanto, mostrou-se realmente um lugar muito rude, situado em uma avenida com forte circulação de caminhões de carga, pois nos arredores, notamos a presença de muitos galpões de transportadoras etc.

O sujeito que atendeu-nos mostrou-se uma figura sem muitos recursos educacionais e culturais. Tratou-se do dito "mal articulado" e dessa forma, a abordagem foi muito prejudicada pelo fato da conversação não encontrar eco, digamos assim, para não ofender ninguém. O pessoal da banda amiga também não gostou da conversa e saímos dali convictos de que não aconteceria nada e convenhamos, duas bandas autorais e desconhecidas a fazer show de Rock em uma espelunca daquelas, e super mal localizada, tinha tudo para ser um fiasco.


Nessa circunstância, mostrava-se muito diferente de tocar em uma pocilga como o Devil's Bar, no sentido de que se a infraestrutura revelava-se péssima , igualmente, pelo menos o Devil's localizava-se na Rua 13 de maio, onde o agito era mastodôntico na noite paulistana, ao contrário desse salão remoto, que mais parecia-se com um galpão comercial, mal cuidado. Todavia, um fato muito curioso ocorreu nessa visita ao tal salão. Quando já estávamos de saída, ouvimos o som de uma banda a tocar. Foi quando descobrimos que em anexo ao salão, havia uma sala de ensaios, ainda que bastante improvisada à moda antiga, com a clássica vedação provida por caixas de ovos a forrar as paredes, e ausência de ar condicionado. Portanto, só descobrimos que havia uma banda a ensaiar ali, quando naturalmente, seus integrantes não aguentaram mais ficar trancafiados naquele calor e fumaça, pois naquela época, ninguém cogitava em parar de fumar, mesmo em condições insalubres para tal prática, como nesse caso.

Aproximamo-nos e fomos convidados a assistir um pouco o ensaio da banda em questão, que chamava-se : "Crisálida". E o baixista desse "Power-Trio", era uma figura conhecida no métier do Rock Paulistano, por ter sido baixista de uma banda que quase ficou famosa nos anos setenta, chamada : "Rock da Mortalha". Seu nome era Orlando Lui.

Inclusive, eu recordo-me em ter assistido um show dessa banda, "Rock da Mortalha", em 1978, com bastante público presente, e ao ar livre, no Boulevard da estação São Bento, do Metrô, e minha lembrança desse show, fora de que o som deles assemelhava-se bastante ao "Black Sabbath", pela densidade e peso. Enfim, o "Crisálida" que ali ensaiava, fazia um som ultra setentista, na linha do "Rush", incisivamente, e era ainda mais anacrônico que A Chave do Sol, para aquele ambiente oitentista hostil a tais manifestações explicitamente simpáticas às estéticas do passado.

Pelo pouco que ouvi e vi naquele ensaio, os rapazes produziam um som consistente, muito bem tocado, aliás, mas revelava-se um trabalho sem chance alguma para o momento oitentista, até mesmo em termos underground, infelizmente.

Algum tempo depois, A Chave do Sol conviveria bastante com o Orlando Lui, por outras situações e inclusive, esperto, ele também tentou adequar-se ao mundo oitentista, por buscar alojar-se com outra banda, mas no mundo do Heavy-Metal. Relatarei tudo na cronologia adequada. Para encerrar esta passagem, falei sobre muitas coisas e deixei um suspense sobre quem seria essa banda Punk, amiga. A banda, de fato, nunca fez nada significativo, e logo encerraria as suas atividades. O nome dessa banda, era "Ignose". Apesar desse acordo de cooperação, de nossa parte, essa tentativa no salão não deu em nada e da parte deles, também nada deu certo, e seus contatos eram com barzinhos ainda mais underground dos que A Chave do Sol havia tocado nos primeiros meses de sua  existência. Após mais alguns telefonemas, o nosso contato dispersou-se, e nunca mais falamo-nos.

Contudo, dois anos e tanto depois, tomamos um susto quando vimos que uma banda, dessas que tinham título formatado por siglas (essa tendência foi uma febre entre os seguidores da moda Pós-Punk), e possuíam sonoridade de plástico, com os seus membros a usar visual de dândis e fazer caras & bocas nas poses, como artistas metidos a "avant-garde", anunciou um show, no qual fomos assistir. Tal banda estava a insinuar adentrar em uma situação sob mega exposição midiática, em 1985.

Sabíamos de sua existência, desde 1984, mas em nossa percepção, era só mais uma banda com nome de sigla a tocar no "Madame Satã", e casas similares que promoviam artistas dessa seara do Pós-Punk.

Foi quando vimos um show dessa banda, ao vivo, no estacionamento da loja de departamentos, "Mappin", no bairro do Itam-Bibi, muito próximo da residência do Rubens, onde ensaiávamos regularmente, que fomos surpreendidos. Assim que a tal banda adentrou o palco, o Zé Luiz  reconheceu o guitarrista imediatamente, e para a surpresa geral entre nós todos, tratava-se do seu amigo, que tocara guitarra na banda Punk, "Ignose", em 1983 !

Seu nome era Fernando Deluqui, e sua nova banda, que decolava para o mega estrelato mainstream, foi um tal de "RPM"... agora, conto a segunda história que ocorreu também nesse período entre abril e junho de 1983.

O segundo caso que tenho a relatar desse período abril / junho de 1983, também teve desdobramentos e talvez tenha começado até antes um pouco, em fevereiro ou março, mas realmente não tenho nada anotado que possa garantir-me tal afirmativa, e minha memória realmente é imprecisa nesse detalhe. Esse caso não tem nada a ver com música, tampouco com a própria Chave do Sol como personagem central, mas julgo importante relatar, pois envolveu a todos, e a despeito de ser apenas uma grande brincadeira, produziu momentos prazerosos, e ouso dizer, com uma certa dose de criatividade implícita. Foi o seguinte : estávamos reunidos com diversos amigos da banda, aquele grupo de amigos do Rubens que tornaram-se também meus amigos e do Zé Luiz, desde o começo da banda, em 1982.

A multidão que costumava invadir a Rua 13 de maio no bairro do Bexiga, nas madrugadas de sexta e sábado, principalmente, nos anos oitenta
 
Foi em uma noite quente e estávamos no bairro do Bexiga, a circular pela Rua 13 de maio, sem um objetivo definido, pois A Chave do Sol não faria apresentação naquela noite, e nós não iríamos assistir uma outra banda apresentar-se. Então, o Rubens sugeriu que fôssemos à sua residência e para aproveitar o fato de que sua família viajara, poderíamos ouvir música sob um volume considerável, pois a casa era enorme, e a possibilidade em incomodar os vizinhos, mesmo com som alto, era bem pequena pela proporcionalidade. Claro, todos aceitaram e seria muito mais agradável do que ficar a andar a esmo em meio àquela multidão formada por junkies e bêbados que lotavam (literalmente), a Rua 13 de maio. Enfim, quando chegamos à residência do Rubens, alguém iniciou uma conversa sobre filmagens caseiras e nesta época, começo de 1983, poucas pessoas tinham o privilégio em possuir uma câmera caseira "moderna", sob formato VHS. O normal era ter câmera uma Super-8 e ter que revelar o filme etc.

Então, o Rubens foi buscar a câmera de sua família, e todos ali presentes, ficaram encantado s com a engenhoca, que mostrava-se versátil, moderna, e incrível para os padrões da época. Com a conversa a evoluir, alguém cogitou a hipótese de a usarmos ali mesmo, para filmar qualquer coisa. Na hora, todo mundo contagiou-se com a ideia, e aquilo tornou-se um caldeirão efervescente. E se filmássemos pequenos sketches que criássemos ali mesmo, imediatamente ?

De minha parte, particularmente isso acendeu meu lado cinematográfico, de uma forma intensa. Ardoroso fã de cinema desde criança, enxerguei em tal prosaica brincadeira, a possibilidade para criar alguma coisa interessante. E assim, apanhei um bloco de anotações e uma caneta, e escrevi algumas ideias básicas em um esboço de roteiro, e os amigos compraram a brincadeira.

Foi por volta de meia-noite quando essa loucura começou, e só terminamos quando fomos vencidos pelo cansaço, literalmente, por volta das 11:00 horas da manhã do domingo...
Filmamos muitos sketches malucos, a improvisar a casa do Rubens como set, ao usarmos adereços e objetos de cena, sob absoluto improviso etc.

Não tínhamos iluminação adequada para filmagens, é claro, e dessa forma, improvisamos o reforço de luz com lanternas e abatjour, de uma forma absurda. Claro que não havia possibilidade em promover-se uma edição com o que tínhamos filmado de forma bruta, portanto foram filmagens com tomada única, e se não a aprovássemos, tínhamos que rebobinar e apagar para regravar em cima, no mesmo espaço físico da fita. Não havia uma sequência lógica de continuidade, portanto, cada sketch, foi uma historieta com começo, meio e fim. Mas como essa brincadeira repetiu-se posteriormente em noites seguintes, tentamos fazer novas cenas que remetessem a algumas antigas, anteriormente filmadas, mas não tratava-se de uma preocupação em alinhavar-se como uma história única, propriamente dita.

De minha parte, recordo-me bem de algumas cenas, das quais, posso relatá-las, agora :

1) Lembro-me que tivemos a ideia em colocar o Zé Luiz sob uma bicicleta ergométrica, e ao som de "Bicycle Race" do Queen, ele acelerou aquela bicicletinha imóvel, sob uma velocidade absurda, até ele simular a sua morte, e assim cair ao chão, enquanto o "sonoplasta" da nossa equipe de produção, fazia a rotação do disco mudar e depois a retirar o pick-up da tomada, a fim de produzir a ruptura final...

2) Outra cena muito interessante foi filmada comigo, caracterizado como "bruxo". A fazer uso de uma colcha de "chenile", enxoval da residência, como capa, e o clássico chapéu de bruxo que usei em muitos shows, tive a companhia de um crânio humano, que era um ornamento do gabinete interno da casa, onde o pai do Rubens costumava trabalhar em seus textos (o Rubens afirmava ser um esqueleto humano, oriundo de um antepassado da sua família, mas eu sempre achei tratar-se de uma réplica artificial, dessas usadas em clinicas médicas).

 "Still" da cena que fiz nesse audiovisual, a interpretar um alquimista medieval, em busca da "Pedra Filosofal"...

Improvisei uma voz cavernosa, e fiz um monólogo a discursar sobre a "Pedra Filosofal" e coisas do gênero. Ficou um absurdo de canastrice.


3) Criamos a ideia de um Circo Romano, onde o Rubens teve que lutar contra uma "fera", enquanto o "público" exigia que tal animal feroz, matasse o gladiador...

A fera em questão foi um dos dois cães da raça, "Doberman", que o Rubens possuía, este chamado, "Jimi", por conta do Jimi Hendrix...

Essa cena foi filmada por volta das 8:00 horas da manhã, já sob dia claro, portanto, e ainda bem que foi um domingo, pois pessoas que passassem pela rua naquele instante, poderiam ter chamado o resgate de um sanatório, visto que fora na realidade um bando de cabeludos sentados em cima de um muro bem alto, a usar "túnicas romanas" imaginárias, que na verdade foram lençóis brancos oriundos da roupa de cama da residência... ou seja, aos olhos de pessoas "normais", poderíamos ter sido confundidos como pessoas sob estado alterado de percepção, por conta da ingestão de alucinógenos.

4) Uma cena quase cerebral foi criada para o poeta, Julio Revoredo, poder participar. Ele jogava xadrez em silêncio contra o Celso Bressan, quando um outro "ator" (acho que foi o Carlão Muniz Ventura, não tenho certeza), chegou sorrateiramente, e deu um chute no tabuleiro, quando laconicamente afirmou : -"cheque-mate"...
Qualquer semelhança com o filme, "O Sétimo Selo", de Ingmar Bergman, não foi mera coincidência...

Essas cenas foram as que lembrei-me mais claramente, mas muitas outras foram produzidas. E como já disse, não resumiu-se somente a essa noite onde surgiu a ideia, mas desdobrou-se em outras noitadas, sempre que a casa do Rubens estivesse sem a presença da família, naturalmente. Recentemente (refiro-me a 2013), o Rubens mencionou em seu perfil na rede social, Facebook, que ainda tem essa VHS. Se estiver ainda em condições para ser convertida digitalmente e postada no You Tube, seria muito bom relembrar essa loucura toda, claro, ao deixar a ressalva de que seria prudente decupar e filtrar o material, e só postar o que não fosse absolutamente constrangedor... foi só uma brincadeira interna, mas todos divertiram-se muito, principalmente eu, que sou cinéfilo apaixonado pela sétima arte, e brinquei em ser roteirista; diretor e até ator...


De volta à cronologia, passada essa aventura de autoprodução bem mal sucedida sob o ponto de vista financeiro, esvaziamos as nossas reservas acumuladas pela boa fase construída por tantas apresentações dos últimos meses pelas casas noturnas, principalmente no Victoria Pub, onde o cachet fora realmente robusto.


Sem alternativas para curto prazo, resignamo-nos em torno da ideia de prepararmo-nos novamente para tocar em casas noturnas, onde infelizmente teríamos que voltar a inflar o repertório com covers.
Só que havíamos perdido a Verônica, e mesmo com todos os problemas que ela criava, inegavelmente a sua voz era espetacular, e sua aparência abria portas, lógico.

Dessa maneira, passamos a ensaiar uma série de covers, onde o Rubens e o Zé Luiz dividir-se-iam entre os vocais, principalmente.
Quando ensaiamos um material suficiente, gravamos uma demo caseira, e começamos a peregrinação por bares, à cata de novas oportunidades para apresentações. Não queríamos mesmo voltar a tocar no Devil's, e no Café Teatro Deixa Falar, além do Café Palheta's, então buscamos algo que fosse o meio termo entre essas casas, e o Victoria Pub. Essa busca iniciou-se por volta da metade de maio de 1983.
Sobre a Demo Tape que gravamos, foi de forma muito simples, no nosso ensaio, em maio de 1983, ao conter sete músicas : cinco autorais, e duas releituras para clássicos do Rock internacional. Abaixo, o repertório dessa Demo Tape, que apesar de ter sido gravada precariamente, constituiu-se, a rigor, em nossa primeira Demo, oficial :

1) Luz (Luiz Domingues)

2) 18 Horas (Luiz Domingues / Rubens Gióia / José Luiz Dinola)

3) Purple Haze (Jimi Hendrix)

4) Átila (Luiz Domingues / Rubens Gióia / José Luiz Dinola)

5) Utopia (Luiz Domingues / Rubens Gióia)

6) Blue Suede Shoes (Carl Perkins)

7) A Dança das Sombras (Luiz Domingues / Rubens Gióia / José Luiz Dinola) 
Abaixo, o Link da versão “Full” dessa Demo-Tape, postada no You Tube :

A versão da música Luz, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=UFdkSGOTdC4&feature=youtu.be
A versão da música “18 Horas”, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=4Z3SWxwzFkc&feature=youtu.be
A Versão da música “Purple Haze”, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=FhejI31gEGg

A versão da música “Átila, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=fXAWD9bh7Wk&feature=youtu.be

A versão da música “Utopia”, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=oDei5qp98rw
A versão da música “Blue Suede Shoes”, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=dPJpH-YeHw8&
feature=youtu.be
A versão da música “A Dança das Sombras”, na mesma Demo-Tape :
https://www.youtube.com/watch?v=NTBy990S7dc&feature=youtu.be


Contudo, a nossa abordagem a tais casas noturnas, revestiu-se sob uma absoluta sensação de frustração e quiçá, por uma dose forte de humilhação. A maioria não dignou-se nem a responder... mas teve um caso que foi ainda pior. Vou contar a história de um que foi, digamos, muito "gentil", pois respondeu por telefone que não havia gostado de nós, mas que devolveria o material que enviáramos-lhe.

Ficamos surpresos, pois a realidade desse tipo de abordagem, nessa época, era fazer do material, rascunho para mesinha de telefone, no caso dos impressos, e sumir com fitas e / ou Lp's (refiro-me às "mídias" disponíveis naquela época, é claro). Tratava-se de um bar bem famoso, chamado, "Calabar", que ficava em Cerqueira César, bairro nobre, e próximo à Av. Paulista. Fomos buscar o material e ficamos estupefatos, pelo descaso ! Devolveram-nos o material gráfico todo amassado, e quando fomos ouvir a fita K7, no carro do Zé Luiz... pasmem ! Haviam gravado uma locução radiofônica de um jogo do Santos F.C. em cima da nossa Demo-Tape, portanto, só pode ter sido um sinal de escárnio !
- "Lino passa para Pita, que abre para João Paulo, que cruza e ...Goooollll !! Serginho Chulapa de cabeça"...
Quanta gentileza do barzinho...

Nossos esforços para conseguir novas perspectivas nessa fase, prosseguiam. E nesse ínterim, mais três acontecimentos desviaram um pouco a nossa frustração pela falta de shows, e o baque do Pós-Victória, com a perda da Verônica. Contatos haviam sido feitos, e levamos material para três lugares que poderiam abrir algumas portas. Dois não deram em nada, e um deu certo, enfim a abrir-nos uma grande perspectiva.

Um desses contatos, fora daquele sujeito que abordára-nos no Victoria Pub, ao dizer ser membro da produção que trouxe o "Van Halen" ao Brasil. No Victoria, ele veio com aquela história de que estariam a trazer o "Kiss" etc e tal. Claro que achamos ser uma tremenda mentira e ficamos chateados com os conselhos dele para adotarmos o "moderno" visual da New Wave oitentista, e tudo o mais...
Então, vimos que o Kiss realmente vinha para o Brasil e ligamos para o sujeito. Fico a dever o seu nome, pois realmente não lembro-me, e quem marcou o encontro para a entrega do material foi o Rubens. Entregamos, mas é óbvio que nesta altura de 1983, o nosso material era bem fraco. Nosso portfólio tinha só uma matéria proveniente de um jornal de grande porte, até então, e o restante era composto por filipetas de shows em bares, e nem mesmo o impresso do Victoria com o nosso nome, era significativo para impressionar alguém que trazia um artista internacional mainstream, do porte do Kiss. E o básico do básico : não tínhamos disco gravado ! Nesse material, nem uma demo-tape decente, tínhamos para ilustrar. Na realidade, só tínhamos um demo caseira, e gravada de uma forma precaríssima.

No texto do release, nossas fichas com currículos pessoais, eram muito fracas, igualmente. No meu caso, por exemplo, dizia-se que eu tocava desde 1976, e após passar por bandas de garagem (nem citava o Boca do Céu / Bourréebach, nominalmente), havia participado da fundação do Língua de Trapo.

Certo, o Língua de Trapo estava por acontecer desde 1982, mas dizer que fui da pré-história de uma banda que mal começava a estourar, era muito pouco.

José Luiz Dinola a tocar com o "Contrabando", em local e data indefinidos. Pode ser entre 1978 e 1981

O Zé Luiz falava do "Contrabando", cuja maior proeza fora abrir shows do "Made in Brazil", entre 1978 e 1981; e o Rubens citava uma passagem efêmera pela "Santa Gang", uma obscura banda, também filhote do Made in Brazil.

Em suma : era muito pouco para impressionar...

Enfim, além do sujeito ser só um "aspone" na engrenagem, e não ter nenhum poder de decisão, nós não tínhamos cacife para encarar tal empreitada, de forma alguma. Mesmo porque (hoje eu sei disso, muito bem), para abrir um show internacional, se você não for minimamente conhecido, com músicas a tocar nas rádios e por aparecer bastante na TV, não tem a mínima chance. Mesmo sob tais condições, já é muito difícil entreter o público de um artista internacional, que deseja mais é que você não toque antes, preferencialmente... 

No entanto, reconheço que o rapaz foi mesmo muito solícito, pois realmente levou o nosso simplório material, ao seu superior, e na sequência, diante da óbvia negativa, ao menos brindou-nos com vários ingressos para os shows do Kiss. Lembro-me do Rubens chegar no ensaio, certo dia, com pelo menos quinze deles, em mãos. 

O outro contato, foi para tentarmos uma vaga no Festival de Iacanga, cuja próxima edição realizar-se-ia no carnaval de 1984, mas que obviamente, seus organizadores já estavam a receber material da parte de artistas pleiteantes a participar. Levamos o nosso material ao estúdio de ensaios da banda de baile, "Placa Luminosa", onde também funcionava o seu escritório de produção e onde a produção do festival dava expediente na capital paulista. Certamente que seria incrível sermos selecionados, pois seria incontestavelmente, um festival com grande porte, a apresentar muitas estrelas da MPB, e do Rock, e mesmo se tocássemos em horários alternativos, muito antes das grandes estrelas, seria fantástico para nós. Claro, nem resposta obtivemos, a interpretar o silêncio como a negativa... no entanto, o que eu não imaginaria, é que tocaria nesse mesmo Festival, enfim, mas não com a Chave do Sol... No capítulo do Língua de Trapo, relato com detalhes, sobre essa minha participação em Iacanga' 1984. Falo a seguir, finalmente, sobre  o terceiro contato, que logrou êxito !

Um novo programa de TV, veiculado pela TV Cultura de São Paulo, começava a fazer sucesso e chamava-se : A Fábrica do Som". 

Era um programa musical que abria espaço para artistas completamente desconhecidos apresentar-se, sem nenhuma restrição, e sem caráter norteado pela competição. Apenas eram apresentados como numa grande mostra, sem julgamentos. Levamos nosso humilde material à produção do programa, na sede da TV Cultura, quando em um dia de junho, recebemos o telefonema a avisar-nos sobre a data em que participaríamos pela primeira vez ! O que não conseguíamos enxergar, naturalmente, foi que esse telefonema mudaria a nossa vida, pois daí em diante, estávamos a ingressar em uma nova e promissora fase da carreira da nossa banda.


Lembro-me bem do dia em que fomos levar o material na sede da TV Cultura. Ficamos admirados com a simplicidade das pessoas envolvidas na produção, e como trataram-nos bem, visto que esse comportamento é bastante incomum nesse meio. Quando recebemos a notícia de nossa escalação no programa, ficamos empolgados, é claro. E sabíamos que precisávamos estar muito afiados, para causar a melhor impressão possível, pois tratar-se-ia da nossa melhor chance, sem dúvida, desde a fundação da banda em 1982.

Só esse fato, por si só, mudou o nosso astral completamente. O que fora desolador no Pós-Victoria Pub, com a perda da Verônica Luhr, a gerar assim a consequente e deprimente falta de shows, e uma dose de humilhação  implícita, decorrente pela recusa de vários bares, mudou abruptamente para um estado de euforia, e esperança por dias melhores. O astral ficou muito bom, e até um show bizarro como o do "Morro da Lua" (que relatarei a seguir), passou a ser encarado como um acontecimento bom a ser cumprido...
No aviso telefônico da TV Cultura, fomos informados sobre data, horário de soundcheck, e da apresentação em si. E a melhor notícia : poderíamos tocar três músicas, e a depender da duração de cada uma, até duas músicas poderiam ir ao ar, posteriormente.


Foi nessa época também que recebemos um convite inusitado da parte de um sujeito que conhecera-nos, quando tocamos sob temporada fixa no Victoria Pub. Esse rapaz chamava-se, Fabio, e era um militante de motocross, e que possuía uma pista para a prática desse esporte radical, localizada no bairro do Morumbi, na zona sul de São Paulo. Além de ser praticante e produtor de provas desse esporte, o Fabio gostava muito de música e tinha vontade de cantar, portanto, propôs-nos inicialmente uma ideia muito inusitada.

Queria realizar na sua pista de motocross, um show tributo ao Queen, com a Chave do Sol a fazer as vezes de May; Taylor & Deacon, para ele mesmo assumir o posto de Freddie Mercury...
Ele de fato mostrava-se muito parecido com o Freddie Mercury, principalmente naquela fase Pós-Glitter do Queen, com Mercury a usar cabelos curtos e bigode. Por cultivar um bigode idêntico e logicamente proposital, realmente parecia um sósia.

Ele apareceu no ensaio da Chave do Sol, e quis mostrar os seus dotes vocais e performáticos, ao imitar os trejeitos cênicos do Mercury, o que foi algo bem inusitado e deveras constrangedor...
Nós recusamos a maluquice, obviamente, mas ele então veio com outra ideia ainda mais bizarra : para suprir todas as necessidades sonoras de um espetáculo desse vulto, propôs que o dublássemos...
Imitaríamos o Queen, com ele à frente, a dublar o Mercury, ao fazermos uso do playback, sob o som do áudio do Queen verdadeiro... nem preciso registrar aqui, o que dissemos-lhe, em resposta franca. Então, mais realista, fez uma proposta viável, enfim. Seria um show regular da Chave do Sol, na sua pista de motocross, simultaneamente à uma exibição de motos e com um elemento exótico : seria um show noturno, no local que não possuía iluminação...

Achamos em princípio, uma bizarrice, mas sem perspectivas melhores, mas por considerar que poderia ser um agito interessante, pelo seu caráter bizarro, aceitamos participar dessa loucura. Ele prontificou-se a providenciar um gerador para suprir as nossas necessidades de energia para alimentar o equipamento e assim, aceitamos tocar, pela bilheteria do evento.


Essa pista ainda não tinha grande estrutura, mas hoje em dia é bem famosa e estruturada, conhecida pelos aficionados do gênero e chama-se "Morro da Lua". E assim, em 24 de junho de 1983, fizemos um dos shows mais bizarros da história da Chave do Sol, conforme contarei a seguir...

Enfim chegou o dia e fomos tocar no Morro da Lua. Levamos todo o nosso equipamento de ensaio, incluso o nosso mini P.A., mas ele era adequado apenas para pequenos shows em casas de pequeno porte e servia-nos para os nossos ensaios, claro.


Mas daí a tocar em um lugar ermo, ao ar livre, seria realmente uma piada. Todavia, firmado o compromisso, não poderíamos mais desistir da ideia, visto que o dono da pista de motocross já havia tomado as providências para termos um gerador de energia à nossa disposição; também por ter encomendado filipetas na gráfica etc. O local ficava sob um lugar inóspito, mesmo ao fazer parte do elegante bairro do Morumbi, zona sul de São Paulo. Para sinalizar a sua entrada, foram colocadas tochas de fogo. Chegamos no período da tarde, com dia claro, logicamente para poder arrumar tudo. O Zé Luiz tomou a dianteira em lidar com o gerador (sempre o super polivalente, Zé Luiz...). E à medida que começou a escurecer, tudo estava pronto.

No local onde montamos o equipamento, só absorveria o som minimamente mixado, quem ficasse realmente muito perto, e de frente. Poucos metros fora desse ângulo, e tudo tornava-se uma massa amorfa. Havia um local mais adequado, dentro de um pequeno galpão construído sob alvenaria, porém, o dono do espaço, queria a todo custo que ficássemos no meio da pista. Fazia sentido, visualmente para a festa dele, mas só funcionaria decentemente, pelo ponto de vista do áudio & luz, com uma estrutura de palco e equipamento condizente.

Então, seguiu-se uma longa e entediante espera, pois o evento só começaria por volta da meia-noite. O frio foi de rachar, pois estávamos em junho, e naquele lugar alto e descampado, oferecia-nos uma sensação térmica ainda pior, devido ao vento. Começou as disputas de motocross, e os sujeitos corriam e faziam aquelas loucuras todas, na escuridão. Foi muito perigoso, mas quem esteve ali, foi um público bastante interessado nessa performance, portanto, a adorar tal adrenalina gerada. Foram várias quedas, colisões, e sustos do gênero, para arrancar gritos eufóricos dos aficionados ali presentes. Entre nós, o Zé Luiz vibrava, pois era / é fã de esportes automotivos radicais. 

E quando o Fabio deu o sinal verde para começarmos, um público juntou-se à nossa frente. Sinceramente, achei que ninguém interessar-se-ia em ver-nos tocar. Mas, a superar a minha expectativa pessimista, havia cerca de trezentas pessoas ali à nossa frente. Isso ocorreu no dia 24 de junho de 1983. Foi mais ou menos esperado por nós, mas muitos motociclistas simplesmente não pararam durante o nosso show, e alguns para exibir-se, resolveram dar pequenos rasantes sobre a banda, e sobre o público, a fornecer uma carga extra de adrenalina à apresentação...

Evitamos tocar muitas músicas cantadas, pois naquelas condições de equipamento, o jeito foi privilegiar músicas instrumentais. Mesmo assim, estava muito precário tocar e foi um show sofrido para nós, tecnicamente, com a pouca potência do equipamento, a castigar-nos. A plateia até que gostou e aplaudiu bastante, mas realmente não foi uma apresentação feita com condições mínimas, profissionais. Acabado o show, apressamo-nos a desmontar, pois os motociclistas doidos estavam a pressionar para liberarmos rapidamente o espaço, para que continuassem a executar suas acrobacias, e a maneira para exercer essa pressão, foi a jogar as motos sobre nós, assustadoramente. A "iluminação" do show ficou a cargo de vários carros particulares perfilados, e com seus faróis altos, acesos em nossa direção...

Naquele breu da madrugada, não houve condições para levarmos tudo embora, naquela hora da madrugada, sob absoluta escuridão. Tivemos que voltar no dia seguinte para realizar essa tarefa braçal. Recebemos o reforço de alguns amigos, e entre eles, um que apareceu na casa do Rubens, a trajar calça de veludo, branca. Quando chegou ao Morro da Lua, ele foi ajudar-nos a transportar uma caixa do P.A. e esborrachou-se no solo, todo barreado e úmido, para voltar à sua casa, com a calça branca, transformada em marrom... foi uma aventura maluca, mas apesar das dificuldades, foi um show que conseguimos fazer com esforço, e se não foi marcante para a nossa carreira, ao menos rendeu muitas histórias pitorescas.


Antes de falar sobre a nossa primeira aparição na TV (tirante a fortuita e microscópica aparição no programa, "Comando da Madrugada", do jornalista, Goulart de Andrade em 1982, cujo relato já foi registrado), na "Fábrica do Som", da TV Cultura, preciso mencionar mais um fato ocorrido nesse ínterim.
Assim que perdemos a Verônica Luhr e passamos um período a tentar readaptarmo-nos para tocar em bares, com o Rubens e o Zé Luiz a cantar de forma, solo, nem chegamos a procurar com grande afinco um (a) novo (a) vocalista. Mas o fato, é que surgiu duas garotas interessadas, e nós chegamos a realizar testes. Uma delas, chamava-se, Soraia Orenga, e a outra, Regiane. A Soraia era conhecida da irmã do Rubens, e chegou a ver-nos a tocar no Victoria Pub, ainda com a presença da Verônica, em nossa banda. Quanto à Regiane, sinceramente não recordo-me sobre qual foi o elo de ligação, que aproximou-a de nós.

Nesta foto recortada, Soraia Orenga a gravar backing Vocals na música "Luz", em janeiro de 1984, como convidada especial

A Soraia era loira, bonita e tinha uma boa voz. Não era um potencial vocal exuberante como o da Verônica, mas tinha condições de ser vocalista da Chave do Sol, certamente. A Regiane era morena, e não tinha o mesmo potencial da Soraia, embora eu não possa afirmar que fosse ruim. Talvez faltasse-lhe "punch" para ser vocalista de uma banda de Rock, e sua aptidão fosse cantar MPB mais intimista, sob dinâmicas leves. Nenhuma das duas no entanto, empolgou-se com A Chave do Sol naquele momento, que fora crítico para a banda, pela falta de melhores perspectivas. E nem nós por elas, pois não pareciam ser adequadas para o nosso trabalho. A Soraia cantara anteriormente em duas bandas cover pela noite paulistana : "Ferro Velho" e "Alhures". E a Regiane, no "Super Bastião", todas evidentemente, obscuríssimas. Nunca mais tive notícias da Regiane, mas a Soraia ficaria um pouco mais na história da Chave do Sol, pois em janeiro de 1984, participaria da sessão de gravação dos Backing Vocals da música , "Luz", que gravamos para o nosso primeiro compacto simples. Ela está nos créditos da ficha técnica do compacto, assim como Rosana Gióia, irmã do Rubens, que também cantou. E assim foi a quase entrada de uma nova vocalista em nossa formação, ainda no primeiro semestre de 1983.

E a maré pareceu definitivamente ter mudado após a perspectiva em participar do programa da TV Cultura, "A Fábrica do Som", pois recebemos o telefonema do Rolando Castello Júnior, baterista da Patrulha do Espaço, com um convite, sensacional. Ele convidou-nos para tocarmos como abertura da Patrulha, em num show a ser realizado na cidade de Limeira, interior de São Paulo, em julho de 1983.

Antes disso acontecer no entanto, convidou-nos a irmos à cidade de Santos,no litoral paulista, onde a Patrulha faria um show em uma casa chamada, "Heavy-Metal", bem na avenida da orla da Praia do Gonzaga, sob uma noite de sábado. Ele apresentar-nos-ia ao gerente da casa, e talvez marcássemos um show para A Chave do Sol, nessa casa noturna. Então, o momento mostrava-se muito bom, pois acabáramos de ter nossa confirmação de aparição na TV; fizemos o show doido no Morro da Lua; talvez arrumássemos um show em Santos; e estava confirmado um show em Limeira, a 180 Km de São Paulo. Fomos a Santos nesse sábado citado, e assistimos o show da Patrulha. Tratava-se de uma antiga sala-de-cinema e portanto, as instalações eram amplas, com um bom palco, coxia e estrutura para camarins.

Claro, o novo dono desmontou as poltronas e fez uma área com mesas, estilo Las Vegas. Bem arrumado e bem frequentado pela jovem burguesia santista, estava lotado, mas não era um público rocker interessado no show da Patrulha. E para destoar ainda mais, antes da Patrulha, tocou o violonista, Filó, com uma apresentação baseada na MPB intimista, e nada a ver com o Hard-Rock que a Patrulha faria a seguir. Lógico que o Filó era (é) um grande músico, e seu show foi realizado com muita qualidade, mas não tinha nada a ver com o clima de uma casa noturna daquele tipo, e ainda mais a abrir para uma banda de Rock, como a Patrulha do Espaço...
O contato não deu em nada para nós, infelizmente, pois era um espaço de shows muito bom no litoral. Então, animadíssimos com a proximidade de nossa gravação para a TV, tínhamos esse show em Limeira, no meio do caminho. O show aconteceria no dia 9 de julho de 1983, e foi realizado no Clube Gran São João, em seu salão de festas.
O Júnior comunicou-nos que sairíamos juntos com eles, a bordo de um ônibus fretado, e com todo o P.A. que havia alugado da banda de bailes, "Phobus", com saída programada na sede dessa banda, localizada no bairro da Barra Funda, centro /  oeste de São Paulo, às seis horas da manhã !


          A banda de bailes, "Phobus", e seu ônibus, nos anos 1970



Chegamos ao ponto de encontro na hora marcada, e tanto os roadies do equipamento de PA. alugado, quanto os roadies da Patrulha, trabalhavam a todo vapor, a carregar o ônibus fretado pela banda. A nossa comitiva foi bem modesta. Apenas nós três, músicos, e a namorada do Rubens, Mônica Maya. Não tínhamos equipe técnica profissional, e nem mesmo pensamos em levar amigos para ajudar, amadoristicamente.

Estávamos eufóricos pois iríamos abrir o show da Patrulha do Espaço, que era um ícone do Rock brasileiro, e diante de uma plateia grande, com bom equipamento, a tratar-se de uma grande oportunidade, sem dúvida. E três dias depois, gravaríamos a nossa participação no programa, "A Fábrica do Som", o que seria algo muito importante, como o primeiro grande passo, de fato, para a nossa carreira. A viagem foi tranquila, com o pessoal da Patrulha a deixar-nos bem a vontade. Viajar em um ônibus, com todo aquele equipamento, e para abrir o show de uma banda famosa, foi algo muito excitante para nós.

Chegamos cedo ao clube, "Gran São João", e já ficamos contentes por saber que havia saído uma matéria sobre o show em um dos jornais da cidade de Limeira, e o nosso nome foi citado como banda de abertura do evento. A passagem de som foi tranquila e rápida, pois a Patrulha já havia acertado tudo anteriormente, ao fazer uso da praxe do soundcheck invertido, ou seja, quem toca primeiro, passa o som por último, e deixa a mixagem toda "setada" (versão aportuguesada para o termo em inglês, "set up", que significa a preparação do equipamento para servir especificamente  uma banda em sua apresentação ao vivo) para a abertura do evento. Algum tempo depois que encerramos, os portões do ginásio do clube, foram abertos, e um grande público lotou as suas dependências. Quando recebemos o sinal verde para entrar no palco, o ginásio já estava praticamente lotado.

O nosso show foi realizado com aproximadamente quarenta minutos de duração, uma cortesia do Júnior , que simpatizava conosco, pois geralmente shows de abertura não passam de 30 minutos. Tocamos várias composições nossas, mas também tivemos de tocar alguns covers, visto que completamente desconhecidos, corríamos o risco em sermos hostilizados pelo público, que normalmente nunca tem paciência com novos artistas. Foi sob uma noite fria de inverno, mas o calor do show fez-nos suar, bastante !

Do nosso repertório autoral, lembro-me que tocamos canções como : "Luz"; "18 Horas"; "Intenções"; "Utopia", e Átila". Entre os covers, "Tie Your Mother Down" (Queen); "Hey, Hey, My, My" (Neil Young); "Blue Wind"(Jeff Beck); "Blue Suede Shoes"; (Carl Perkins), "Purple Haze" e "Foxy Lady", do Jimi Hendrix. O público reagiu bem, apesar de um coro formado por cerca de vinte pessoas, sistematicamente ficar a gritar : "pauleira, pauleira", nos intervalos das músicas. Fora uma manifestação isolada, pois o grosso do público aplaudiu e teve picos de euforia, ao surpreender-nos, pois não esperávamos nada além do desprezo, ou da hostilidade.

Em alguns momentos, empolgamo-nos mesmo, pois o público reagiu como se conhecesse-nos, fato raro para um show de abertura feito por um artista desconhecido.

Alguns momentos mais marcantes ocorreram justamente em que a banda mais soltou-se, ao deixar a atitude defensiva de um artista resignado com a frieza, e ousou mais. Por exemplo, quando o Rubens fez seus malabarismos a la Hendrix, ao tocar com a guitarra na nuca, ou nos dentes. O solo de bateria do Zé Luiz, arrancou gritos da plateia. Aliás, que tremenda ousadia fazer um solo de bateria... isso só seria tolerável para uma banda famosa, mas ousamos, e o Zé Luiz arrebentou ! Também fiz um solo, e o coro que pedia "pauleira", mudou para "debulha", pois ficaram eufóricos com a minha performance.

Pelo canto do olho, via a Patrulha do Espaço inteira na coxia a assistir-nos. O próprio Júnior sinalizou-nos para tocarmos mais, quando a meia hora inicial esgotou-se, pois além de simpatizar conosco, percebeu que estávamos a aquecer bem o público, e o entregaríamos excitado para a Patrulha deslanchar a seguir.
Tratou-se de um palco enorme, e nem o fato da bateria do Zé Luiz ter sido colocada à frente da enorme bateria Ludwig do Júnior, diminuiu o nosso espaço. Tirante o show do Teatro do Colégio Piratininga, onde tocamos com um P.A. sob pressão maior em relação ao que estávamos acostumados em pequenas casas noturnas, esse show em Limeira / SP foi o nosso melhor show da carreira até então, com som e luz de alto nível, à nossa disposição !



Foi uma tremenda experiência para nós, e de certa forma foi também uma excelente preparação para a grande mudança na qual a carreira da banda teria, pois três dias depois, estaríamos no Teatro do Sesc Pompeia, em São Paulo, para gravar a nossa participação no programa, "A Fábrica do Som", e a boa reação que despertamos em Limeira, seria intensificada de forma incrível na TV, conforme contarei logo mais. A reação dos membros da Patrulha foi cordial, mas comedida. Sei bem como funciona essa dinâmica de "banda grande" em relação às pequenas, pois toquei na Patrulha muitos anos depois, e muitas vezes tivemos boas bandas de abertura.

Eu não sou assim, particularmente, mas a tendência dos artistas com maior fama, é de ser blasé, sem demonstrar muito entusiasmo. Acho isso uma bobagem muito egoísta e no meu caso, sempre digo o que penso e se a banda é boa, elogio abertamente e incentivo os artistas novos. Ainda tenho algumas coisas para contar sobre o show de Limeira, e outros fatos, antes de finalmente começar a contar sobre a apresentação na TV.

 Zé Luiz a aquecer-se, em um dia qualquer de 1983, na nossa saudosa sala de ensaios, localizada na edícula da residência dos Gióia. Click : Seiji Ogawa

Soubemos que o borderô do show havia acusado o número de duas mil e quinhentos pagantes, mas seguramente teve mais gente presente com convidados, penetras etc. O Junior falou-me que havia três mil e quinhentas pessoas, na realidade e minha lembrança foi mesmo a de uma multidão maior que a aferição oficial, anunciada pelo clube. O show da Patrulha foi bom, mas deu para sentir um clima de apreensão entre os seus membros, desde a passagem de som deles. Fora o segundo show que faziam após o acidente que deixou de molho o baterista, Rolando Castello Junior, logo após a banda ter aberto os shows do Van Halen, em janeiro daquele ano de 1983. Voltamos para São Paulo no mesmo dia, e ao chegarmos à porta do estúdio da banda de bailes, "Phobus", despedimo-nos e dispersamos, cada um para a sua casa, rumo a um merecido descanso, na manhã de domingo.

Não ganhamos cachet, mas o lucro que obtivéramos foi inestimável, porque recebemos a confiança necessária para entrar no palco do Sesc Pompeia com tudo, na terça-feira posterior. Tenho uma cópia em fita "K7" desse show do clube Gran São João, de Limeira, com razoável qualidade. Penso em digitalizá-la e quem sabe lançar um bootleg, mas isso é só projeto, ainda. Mas por enquanto, extraí uma música que considero uma joia rara para a Chave do Sol, sua história e seus fãs. Falo detidamente sobre essa música, agora.


De fato, nesse show que fizemos na cidade de Limeira / SP, tivemos muito o que comemorar.
1) O simples fato por ter sido nosso primeiro show fora da cidade de São Paulo;
2) Abrir o show da Patrulha do Espaço, um ícone do Rock Brasileiro, e nós ali com poucos meses de vida, como banda;
3) Tocar com P.A. e equipamento de luz de grande porte, pela primeira vez, fora o palco em grande proporção;
4) A possibilidade para tocar muitas músicas autorais;
5) Viajar junto com a Patrulha do Espaço, e todo esse equipamento, que foi incrível, e;
6) A oportunidade por fazermos um show sob condições boas e para um grande público, possibilitou-nos uma grande confiança para enfrentarmos o público do Sesc Pompeia, três dias depois, e isso seria vital para uma mudança radical na nossa carreira, doravante. Fora tudo isso, que foi muito importante naquele momento de 1983, acrescento um fato a mais, como fato novo ocorrido, 29 anos anos depois (refiro-me a 2012) !

Como já comentei anteriormente, conservei uma fita K7, a  conter quase todo esse show, por todos esses anos. Finalmente providenciei a sua digitalização no ano de 2011, e o pessoal do Site / Blog "Orra Meu", que é um site especializado em difundir cultura paulista, propôs editar uma canção inédita da Chave do Sol, extraída justamente desse show de Limeira. Dessa forma, a utilizar material de portfólio e fotos da Chave do Sol dessa época, o promo de "Intenções" foi postado no You Tube. Fiquei imensamente feliz por esse apoio do Site / Blog Orra Meu, onde fui também colaborador, por escrever matérias para o seu Blog, quinzenalmente, entre 2011 e 2016. Esse resgate de uma música inédita, que jamais foi gravada oficialmente pela Chave do Sol, é claramente um tesouro para a memória da banda, e um presente aos fãs do trabalho. Tecnicamente a analisar, trata-se de um áudio precário, evidentemente. O simples fato de ter sido preservado na limitada tecnologia obsoleta de uma fita K7, já comprometeria completamente a sua qualidade, mas ainda há agravantes a ser consideradas. Por exemplo, não obstante tal fato, a forma pela qual foi gravada no momento do show, também foi equivocada.
Por inexperiência nossa, entregamos a fita para o técnico do P.A., mas sem preocuparmo-nos com a maneira pela qual ela seria gravada. Claro que ele foi simpático por tomar tal providência, e atesto que é raro um técnico ser camarada nessas circunstâncias, ao tratar-se de uma simples e obscura banda de abertura. Mas, ele poderia ter caprichado na forma de captura. Ao "espetar" o tape deck na mandada do monitor, anulou a possibilidade do áudio ficar melhor, pois o que ouve-se, é exatamente o que ouvimos nos monitores do palco durante a realização do show, isto é, com a bateria mais alta do que tudo, baixo quase inaudível etc. O segundo aspecto, é o dessa fita ter ficado por longos vinte e oito anos, armazenada em armários fechados. A possibilidade em ter contraído fungo, foi enorme, portanto, revelou-se um milagre ter sido salva, e digitalizada em 2011. Portanto, feitas tais ressalvas, que fique bem claro a quem for ouvir, que o áudio é bastante precário. A voz solo é mal mixada e ambientada; tem muita bateria, principalmente o chimbau; o baixo é quase nulo, e a guitarra deixa a desejar...
Ao comentar sobre a canção em si, "Intenções" era uma das minhas músicas prediletas, da primeira leva de composições da banda, entre 1982 e 1983. Seu estilo mesclou elementos do Prog Rock; Hard Rock, e Jazz Rock setentistas, com várias passagens, sob uma autêntica suíte. A letra tratava de um tema com motivação ecológica, a criticar as corporações e suas práticas predadoras, a cupidez de lucros a atropelar as pessoas, e a falta de critério no tocante à sustentabilidade. Na fase Pós-Verônica, dividimos a responsabilidade pelos vocais da banda, quando tornamo-nos um trio, novamente, e nesse caso, Rubens e Zé Luiz assumiram 90 % dessa responsabilidade vocal por ter dotes vocais muito maiores que o meu. Contudo, assumi o vocal de duas músicas nos shows, como esforço colaborativo, nesse período : "Intenções", e o cover dos Rolling Stones, "Jumpim' Jack Flash". Portanto, nesse promo extraído desse show de Limeira, o vocal solo é meu, e assumo que não foi nem perto do ideal do que a música mereceria, se tivéssemos nessa ocasião, um bom vocalista, como Fran Alves ou Beto Cruz, companheiros que entrariam na banda oficialmente, tempos depois. Infelizmente, essa canção saiu do set list dos shows, e foi descartada quando escolhemos o repertório a ser gravado nos discos oficiais, por mudanças radicais na estratégia que a banda teve ao longo da carreira, mas sinceramente, penso que deveria ter sido gravada, e essa é uma frustração que guardo. Lamento muito por possuirmos só essa versão (na verdade, existe outra versão ao vivo que também pretendo lançar, posteriormente), precária de áudio. Bem, essa é "Intenções", música composta por Rubens Gióia; Zé Luiz Dinola, e eu, Luiz Domingues, com a participação efetiva de todos nas ideias e arranjos, sendo a letra escrita por eu mesmo, Luiz.
Eis o link para ouvir no You Tube :
http://www.youtube.com/watch?v=PoVXIgAjD4c

Algum tempo depois, tive a felicidade em lançar mais uma música ao vivo, preservada da mesma fita K7 que registrou esse nosso show em Limeira / SP, no dia 9 de julho de 1983. Trata-se de uma versão ao vivo da canção, "Utopia", com o Zé Luiz Dinola a fazer o vocal solo e tal canção foi executada novamente três dias depois, no palco do Sesc Pompeia, em nossa primeira apresentação no programa, "A Fábrica do Som". 

Eis o link para ouvir a performance da Chave do Sol para a música "Utopia", ao vivo na cidade de Limeira / SP. 9 de julho de 1983 :

https://www.youtube.com/watch?v=i-JSZZQaYg0 

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário