Pesquisar este blog

sábado, 31 de dezembro de 2016

A Chave do Sol - Portfólio Póstumo - 1987 em diante


A Chave do Sol

Portfólio Póstumo  -  1987 em diante


Matéria na revista Rock Brigade de número 182, de setembro de 2001, falando do lançamento de discos produzidos pela gravadora Baratos Afins nos anos oitenta e salientando que no caso da Chave do Sol, era, na percepção de críticos do início dos anos dois mil, surpreendente o resultado de áudio dos dois discos iniciais da banda (lançados num único CD), em se considerando os recursos com os quais foram gravados no início dos anos oitenta. De fato, no espaço de 18 e 15 anos respectivamente dos discos em si e o ano de 2001, isso era notável. 



No ano de 2002, em sua edição de número 188, a revista Rock Brigade, curiosamente fez outra matéria sobre o lançamentos dos discos. Bacana o reforço na divulgação e elogios à banda, após tantos anos de lançamentos de seus dois primeiros discos.



Citação da Chave do Sol em reportagem da Revista Rock Made in Brazil em 2003. A ideia era elencar a banda como uma das pioneiras do Hard Rock no Brasil, o que é uma colocação de respeito, porém demanda uma mais aprofundada pesquisa e discussão, visto que ao contrário do que foi afirmado, há indícios de artistas brasileiros envolvidos com o Hard Rock, bem antes do início dos anos oitenta, como afirmou-se. Outro ponto, e aí não é culpa do jornalista que redigiu esse texto, o suposto "quarto álbum" da Chave do Sol nunca existiu. O LP "A New Revolution" é um trabalho distinto, pertencente à uma outra banda, chamada "A Chave / The Key" e apesar de ter nascido de uma dissidência da velha Chave do Sol, trata-se de um outro trabalho, na verdade. Mas claro, a imprensa em geral e os fãs tendiam / tendem a confundir essa particularidade envolvendo a história das duas bandas e admito, é um tanto quanto confusa mesma essa estranha simbiose 




Resenha em site desconhecido, no ano de 2003, noticiando o lançamento de CD's de discos produzidos pela gravadora Baratos Afins nos anos oitenta. Bastante elogiosas as considerações do redator desconhecido da resenha 


Site Strikenet / 2004.  Bem, já que o rapaz que atende pelas iniciais RMF foi prolixo e sincero em sua avaliação, cabe-me também sê-lo na minha, digamos, contra crítica. Vamos por itens : 1) Nunca fomos uma banda de Heavy Metal, embora no EP de 1985 tenhamos flertado com esse gênero. Portanto, qualquer consideração que façam a nosso respeito sob tais ditames, cai por terra abaixo pela obviedade de não sermos egressos dessa cena. 2) Como é típico da idiossincrasia de fãs do "Heavy Metal" estabelecer o conceito sobre uma obra ser "datada", isso é de suma importância para essas pessoas. Mas eu não sou "metaleiro", nunca fui e jamais serei, portanto vou continuar ouvindo artistas como Bach e Vivaldi, que no seu conceito são naturalmente "datados", dessa forma, tal observação não faz sentido algum a não ser para os entusiastas do Heavy Metal, sendo assim, poupem-me ! 3) Eduardo Ardanuy e Kiko Loureiro tocaram numa banda dissidente da Chave do Sol, chamada "A Chave" e posteriormente, "The Key". Dessa forma, nunca tocaram na Chave do Sol, e sendo assim, é um equívoco tal afirmação e quando essa resenha foi redigida, 2004, já havia Google, portanto, uma pesquisa prévia teria evitado a gafe. 4) Aceito sem problemas que não tenha gostado da sonoridade e achado-a estranha à sua percepção "metálica", digamos assim, e de fato havia muita influência setentista, bingo, o crítico percebeu isso, embora ficasse nas entrelinhas que esse traço desagradasse-o. Isso não incomoda-me em nada e não acho desrespeitoso que ele tenha escrito isso, de forma alguma. E de fato, não é todo mundo que aprecia música tocada com técnica apurada, mas não precisava desdenhar sobre tal tipo de músicas só fazer sentido em conservatórios musicais, pois além de um veneno destilado a esmo, cai em certa contradição, pois há vertentes dentro do próprio Heavy-Metal, gênero do qual ele naturalmente é fã ardoroso, que adotam a linha do extremo virtuosismo, caso dos guitarristas que ele mesmo citou na nota e que de fato foram componentes da banda criada da dissidência da Chave do Sol. 5) Na verdade o EP não foi o único LP, pela evidente contradição de nem ser um LP propriamente dito, mas faltou levar em consideração também que lançamos um LP de fato, dois anos depois, chamado "The Key". 6) Dúbia a frase final, pois não sei se elogiou ou desdenhou da banda, fora o equívoco mais uma vez, pois não éramos uma banda de "Heavy-Metal"... 



Site Planet News, em 2004, revisitando o EP da Chave do Sol lançado em 1985 e discorrendo com propriedade. De fato, foi um trabalho pesado, mas permeado por elementos do Jazz-Rock, nem tão fusion como falaram, mas dou o desconto que talvez o redator da nota interprete o Jazz-Rock setentista como "Fusion", generalizando e na verdade, para quem acompanha as vertentes do Jazz, sabe que são fatos distintos. Ato falho, falaram que esse disco tem 8 faixas, quando na verdade tem 6, mas tudo bem, considere-se que as duas músicas do compacto de 1984, estão inclusas no mesmo CD.


 
Matéria gigante publicada na revista impressa, Roadie Crew, contando a história da Chave do Sol, detalhadamente, escrita pelo excelente jornalista, Antonio Carlos Monteiro. Dividida em duas edições da revista, acima, as páginas concernentes à primeira parte da reportagem, publicada na edição número 198, em julho de 2015



Acima, a segunda parte da mega reportagem contando a história da Chave do Sol, escrita pelo brilhante jornalista, Antonio Carlos Monteiro, para a revista Roadie Crew. Essa segunda parte foi publicada na edição de número 199, de agosto de 2015. Só registro que não concordo com a ideia de que a banda "A Chave / The Key", formada em janeiro de 1988 seja a continuação pura e simples da velha Chave do Sol. Na minha ótica e deixo isso claro na autobiografia e toda a divisão estabelecida nos meus Blogs 2 e 3, sim, tal banda foi formada emergencialmente para cumprir compromissos inadiáveis da velha Chave do Sol e impossíveis de serem cumpridos pelo final abrupto dessa banda em dezembro de 1987 e assim procedeu-se. Mas rapidamente tal nova banda dissidente assumiu identidade própria e criou sua história separadamente, portanto, rechaço a ideia de que tal trabalho seja a continuação pura e simples da Chave do Sol e assim, o LP "A New Revolution" é o álbum único dessa banda e não faz parte da discografia da Chave do Sol. Fora essa questão, sou muito grato ao jornalista Antonio Carlos Monteiro pela solicitação de entrevista que culminou nessa matéria gigante e tantos anos depois, fica a sensação boa de reconhecimento por um trabalho feito com inúmeras dificuldades, mas certamente com muito amor, naqueles anos de 1982 a 1987. 



Matéria na revista Roadie Crew, de janeiro de 2017 (edição de número 216), tratando de um apanhado sobre a história do Hard-Rock no Brasil e citando A Chave do Sol no seu bojo, com direito a foto. Assinada por Leandro Nogueira Coppi. Acervo e cortesia de Milton Medusa

Nenhum comentário:

Postar um comentário