Pesquisar este blog

domingo, 31 de janeiro de 2016

Pedra - Capítulo 16 - Se Agora Eu Pulo Fora - Por Luiz Domingues

                                            Foto : Bolívia & Cátia


Em setembro, tivemos uma boa novidade, que na verdade era uma conquista individual, mas que logicamente repercutia para o bem da banda. Nosso guitarrista Xando Zupo foi convidado a participar de uma coletânea de guitarristas, organizada pela revista Guitar Player, com grande destaque nas páginas da revista, e o CD em questão tinha uma faixa de cada guitarrista escolhido para tal representação. Xando foi apresentado aos ouvintes / leitores, com a faixa "Pra Não Voltar", do repertório do Pedra. Ficamos todos honrados, naturalmente.




Eis o Link desse lançamento :
http://guitarplayer.uol.com.br/


Mas a grande novidade mesmo para o final do ano, foi que o Xando resolveu lançar quatro singles simultaneamente, cansado da morosidade irritante que o decantado álbum "Fuzuê" estava causando para ser finalizado.


Boa ideia e de certa forma, tirava um peso de suas costas sobrecarregadas com a morosidade dessa produção, que não tinha outro meio de não ser concluída, a não ser por ele por ele mesmo, infelizmente, pelo cansaço todo que disso era decorrente. Ele recorreu ao grande Diogo Oliveira para auxiliá-lo com ilustrações e a ideia foi não criar promos animados, mas simplificando ao máximo, apenas uma ilustração temática para cada canção, minimizando trabalho, e buscando na agilidade e simplicidade um movimento rápido e eficaz para dar um alento à banda e a ele mesmo, Xando, que estava fatigado, exaurido nas suas forças. 
                    Foto do cartaz acima, de Leandro Almeida
Para lançar os quatro singles novos, Xando marcou uma apresentação ao vivo na emissora Brasil 2000 FM, onde tanta força recebêramos nos anos todos de existência do Pedra, portanto, não haveria de ser diferente agora, e como adendo, muito justo que ali o fizéssemos, em sinal de agradecimento. A data marcada para a apresentação ao vivo, celebrando o lançamento dos quatro singles foi o dia 4 de novembro de 2014, data natalícia do nosso guitarrista, Xando Zupo. 

Eu não sabia, mas estava seriamente doente já naquela ocasião. Interpretando os momentos de mal estar que comecei a ter em outubro mais ou menos, como algo secundário e facilmente contornável, atravessei novembro e dezembro nessa mesma predisposição, mas em janeiro...
Bem, falo disso depois. Por enquanto, ainda falando dos lançamentos e do programa da Brasil 2000 FM, fiz um esforço enorme para não ser desagradável com ninguém e muito menos com a banda que ainda representava, mas doente, sentindo-me mal fisicamente e também chateado por conta de uma sucessão de reuniões tensas que o Pedra havia realizado, com as inevitáveis "DR's", minha paciência com essa banda havia chegado ao limite. 
Já pensava em deixar a banda, cansado de sua dinâmica tensa no âmbito interno, mas esperava um momento propício para fazer minha comunicação aos demais, que não podia ser ali no calor de um lançamento, nem mesmo antes de lançar-se o disco tão sofrido. Não era nada contra a banda, nem mesmo contra nenhum companheiro, pessoalmente, tampouco pela obra, mas eu chegara no limite, infelizmente, sentindo-me inútil ao raramente ter uma opinião levada em consideração; sendo cobrado para fazer coisas que certamente não tinha habilidade alguma para tal, e sendo subutilizado em minhas potencialidades extra musicais. Tinha algumas restrições também aos métodos de gerenciamento e marketing adotados pela banda, e algumas questões mais artísticas como letras de músicas e pronunciamentos públicos, mas nessas duas últimas questões, eram coisas contornáveis. 
A apresentação na rádio foi a contento, com a banda soando bem ao vivo, mas o clima era pesado, ainda que ali, no calor da ocasião e por ser aniversário do Xando, com direito a bolo servido na copa da emissora, tudo parecia ter amenizado-se. Mas na hora da entrevista, meu ânimo que já estava baixo e sentindo-me mal pelos efeitos da doença que estava manifestando-se mas eu nem sonhava em sua gravidade naquele momento, fiquei alheio completamente. Lembro-me apenas que numa rara brecha onde eu poderia falar "boa noite" interpelado pelo entrevistador Osmar “Osmi”, ao microfone, só pronunciei a palavra "boa", pois quando fui articular o "noite", um outro colega atropelou-me para falar algo totalmente fora do contexto do que eu falaria após o cumprimento inicial, e ali desanimei, ao perceber que não tinha mais nenhum espaço nessa banda. 
Nas dependências da emissora Brasil 2000 FM, em 4 de novembro de 2014. Foto : Grace Lagôa
A empresária do Língua de Trapo, Marcinha Oliveira, esposa do Laert Sarrumor, havia decidido empresariar-nos, portanto era um alento para a nossa banda, tão carente de apoio gerencial, desde o início de sua história. Uma das suas ações iniciais ainda em 2014, fora tentar inserir-nos na Virada Cultural de São Paulo. Não havia logrado êxito em vender-nos nas unidades do Sesc ainda, mas sinalizava pequenas datas em casas noturnas, e um possível encaixe num festival de música brasileira a ser realizado nos Estados Unidos, provavelmente na Florida, para o ano de 2015. 
Nos bastidores da emissora Brasil 2000 FM, em 4 de novembro de 2014. Foto : Grace Lagôa
Ainda houve mais uma reunião tensa em novembro, mas minha situação de saúde piorava e ainda não percebendo a gravidade, pensava ser só mal estar súbito com oscilação de pressão arterial.

Eis o Link do arquivo da Rádio Brasil 2000 FM, para ouvir o programa citado :

http://www.brasil2000.com.br/arquivo/190/brasil-2000-ao-vivo-89-pedra

Na última reunião, ficou combinado que o Xando não faria mais nenhuma mixagem e as faixas restantes seriam mixadas em outros estúdios, com o Rodrigo prontificando-se a tomar tal providência a partir do início de janeiro. Xando estava exaurido em suas forças.

O áudio oficial de "Furos no Sapatos" lançado como single em 2014. 

Eis o Link para ouvir no You Tube :
 
https://www.youtube.com/watch?v=Lz8ThQmdmDE 
 
O áudio oficial de "Os Teus Olhos" lançado como single em 2014. 

Eis o Link para ouvir no You Tube :
 
https://www.youtube.com/watch?v=hX88BqAAi2o

Anunciando período de recesso geral, combinamos de falarmo-nos a partir da segunda quinzena de janeiro para fechar esse disco e tomar uma decisão sobre a banda. Eu esperava chegar nessa conclusão do disco para comunicar-lhes minha saída, apenas.

O áudio oficial de "Segunda-Feira", lançado como single em 2014.  


Eis o Link para assistir no You Tube :
 
https://www.youtube.com/watch?v=0Nv5OVjfRdA

O áudio oficial de "Amém Metrópolis", lançado como single no You Tube. 

Eis o Link para escutar no You Tube :
 
https://www.youtube.com/watch?v=pZlwRJydv58
Pedra em ação no Centro Cultural São Paulo em agosto de 2014. Rodrigo Hid em destaque, com Ivan Scartezi no canto esquerdo ao fundo e Xando Zupo no canto direito. Foto de Bolívia & Cátia     
 
Quando chegou janeiro de 2015, o Rodrigo comunicou-nos que havia fechado um pacote com o estúdio Curumim de propriedade de Fernando Ceah, vocalista / compositor e guitarrista da banda “Vento Motivo” e que o produtor argentino Carlos Perren, “Carlito” entre os amigos que trabalhavam em várias produções nesse estúdio, faria a mixagem das faixas restantes. Quando recebi e-mails dele mostrando os primeiros resultados dessas mixagens, já estava passando mal, sentindo fortes dores abdominais, mas atribuindo tais dores a uma crise de gastrite, visto que já tinha passado por isso em ocasiões anteriores e identificava o mesmo tipo de dor, portanto, em princípio, busquei avaliação médica da parte de um especialista em gastroenterelogia, e já imaginava o trâmite sugerido pelo doutor, com endoscopia e medicação por um ou dois meses, e uma dieta a vista. Já havia passado por isso em 1997 e 2001. 
Luiz Domingues no camarim do Centro Cultural São Paulo em agosto de 2014. Foto de Grace Lagôa
Mas o meu caso ficou dramático quando fiquei num estado de icterícia fortíssima e mediante novos exames, tive que fazer duas cirurgias de emergência para retirar cálculos da vesícula e do pâncreas. Não vou alongar-me aqui nessa particularidade, apenas registro que corri sério risco de vida e saí de combate entre março e junho, completamente debilitado pela doença e recuperação pós cirúrgica. Rodrigo foi o primeiro componente do Pedra que soube do meu estado, quando numa noite de março, ligou-me para falar do Pedra e perguntar como eu estava, e até então todos estavam cientes que eu estava doente, mas não sabiam da gravidade. Por coincidência, foi no dia em que internei-me, e ele foi voando ao hospital e viu-me numa situação lastimável no saguão do Pronto Socorro, antes mesmo de ser diagnosticado e internado. Xando visitou-me na internação, cinco dias após as duas cirurgias. 
Para o leitor saber com maiores detalhes o que ocorreu-me, e como salvei minha vida e pude concluir esta autobiografia (e chegou num ponto em que a iminência da morte chateou-me bastante, pela possibilidade concreta de não conseguir concluir este texto, confesso), convido-o a ler um relato que escrevi e publiquei em meu Blog nº 1, que não divulguei nas redes sociais, mas fiz questão de escrever e publicar em nome do meu agradecimento aos médicos; enfermeiros, e técnicos de laboratório do Hospital São Paulo, que salvaram a minha vida.

Eis o Link do relato completo sobre o que ocorreu-me :
http://luiz-domingues.blogspot.com.br/2015/10/nao-e-por-ma-vontade-dos-profissionais.html 

Ao final de maio, o Xando ofereceu-se para levar-me à primeira consulta ambulatorial do pós alta, e meu estado de debilidade era enorme. Foi o primeiro dia em que saí na rua desde que voltara para a casa em 18 de abril, e sentia muitos incômodos, fora estar desorientado e fraco, sem massa muscular e com dificuldades motoras para caminhar e manter-me em pé. Sou-lhe muito grato por esse gesto de amizade e solidariedade.

Luiz Domingues ao vivo com o Pedra em show realizado no Espaço Cultural Gambalaia de Santo André, em 2014. Foto : Grace Lagôa 
Por volta de junho, uma reunião foi convocada para resolver o que seria do futuro da banda, e eu anunciei minha saída e o Rodrigo dizendo-se desmotivado, também anunciou sua retirada. Xando e Ivan disseram ter vontade de seguir em frente e o que combinamos ali foi não dar nenhuma declaração pública momentânea e que em breve o Xando lançaria uma declaração oficial falando do lançamento do disco em caráter apenas virtual e anunciaria o fim da nossa formação, mas não o da banda, mostrando à opinião pública que o Pedra seria reformulado e voltaria às atividades o quanto antes, e com novos membros ao lado de Zupo & Scartezini. Comunicou-se a situação da banda para a Marcinha Oliveira e nessa altura, pelo menos duas datas em casas noturnas só dependiam de nosso "OK" para serem fechadas, mas agora ficariam inviáveis sine die.

Álbum "Fuzuê", versão na íntegra do álbum. Eis o Link para escutar no You Tube :


https://www.youtube.com/watch?v=1DrNgZ-1cJg

Sobre o álbum em si, apesar de todo os aspectos negativos que cercaram-no, sendo produzido com uma incrível morosidade pelas circunstâncias, claro que a obra tem seus muitos méritos. Eis uma análise faixa a faixa.

Rodrigo Hid no destaque da foto, atuando com o Pedra em agosto de 2014, no Centro Cultural São Paulo. Foto : Leandro Almeida 
“Fuzuê Intro” (Rodrigo Hid / Xando Zupo / Ivan Scartezini / Luiz Domingues)
A banda entra executando um tema super centrado no Funk Rock setentista, com forte identidade com as vinhetas de seriados policiais norteamericanos daquela década. O swing é total, com destaque para os contrasolos e cutucadas funk, ótimas intervenções da parte do Xando e o balanço sensacional do clavinete do Rodrigo. Após uma pausa, e ótima evolução do Ivan Scartezini fazendo uma frase nesse interlúdio, entra o “strings”(um sintetizador que simulava arranjo de instrumentos de cordas e super usado nos anos setenta), que é muito conveniente pelo timbre a reforçar o som de vinheta da TV nessa época e uma locução nos mesmos moldes anuncia a entrada efetiva do disco, como a anunciar a próxima atração. Trata-se da minha voz nessa locução, fazendo impostação e imitando acintosamente os locutores típicos da TV daquela década. O texto literal dessa locução assim ficou :
“Você acabou de curtir Pedra II. A seguir, Fuzuê. Com muita confusão; drama; comédia e drama. Estrelando : Rodrigo Hid; Xando Zupo; Luiz Domingues e Ivan Scatezini”.
Pedra em ação no Centro Cultural São Paulo, em agosto de 2014. Rodrigo Hid à esquerda nos teclados e Luiz Domingues no canto direito. Foto : Leandro Almeida
“Furos nos Sapatos” (Xando Zupo / Marcelo “Mancha”)
Essa canção ficou muito bem arranjada, não resta dúvida. Parece um Hard Rock setentista pelo riff primordial, mas tem inúmeros elementos agregados, passando pelo R’n’B, Pop e até uma pitada de Funk Rock setentista. São ótimos solos, um refrão excelente todo desenhado e com o reforço excepcional dos cantores da pesada : Renata “Tata” Martinelli e Marcelo “Mancha”. Rodrigo canta solo e Ivan arrebenta em seu arranjo que lembra bastante o estilo empolgante do grande Franklin Paolillo. Usei baixo Fender Precision e a tradição do Pedra foi mantida, com um timbre matador à altura desse instrumento clássico. No meu arranjo, trabalhei com estilos híbridos, entre o Hard-Rock, Soul Music e Jazz-Rock a cada trecho mudando conforme a necessidade da canção e creio ter deixado uma boa colaboração à banda. Letra muito boa criada pelo Xando.
“Queimada das Larvas nos Campos Sem Fim” (Rodrigo Hid / Xando Zupo)
Já comentei bastante sobre essa canção anteriormente pelo fato dela ter sido lançada como single em 2010. Acrescento que usei Fender Precision novamente e sua presença ficou incrível. A linha de bateria do Ivan é memorável, com uma criatividade incrível. Xando brilha com uma guitarra plena de nuances nas bases e solos e sua escolha de efeitos foi muito feliz. A interpretação do Rodrigo é excepcional. Gosto bastante do refrão bem Hard-Rock e gostava bastante de cantá-lo ao vivo. Na gravação, minha voz está abaixo da voz do Rodrigo, naturalmente, mas é bem nítida.
Ivan Scartezini em destaque, num show do Pedra realizado no Espaço Cultural Gambalaia, em 2014. Foto : Grace Lagôa 
“Só” (Xando Zupo / Rodrigo Hid)
Essa canção também já foi comentada, mas cabe dizer que além de sua beleza harmônica e melódica indiscutíveis, o solo do Xando é histórico pela sua beleza melódica marcante. O piano é sensacional e o meu Fender Jazz Bass todo swingado à moda do R’n’B clássico ficou belíssimo. Nessa gravação, o meu timbre ficou tão semelhante ao do grande Dee Murray, baixista da banda do Elton John nos melhores discos de sua carreira, nos anos setenta, que orgulha-me muito, pois sou grande fã desse saudoso músico, sensacional.
“Amém, Metrópolis” (Rodrigo Hid / Xando Zupo)
Essa canção tinha tudo para fazer um barulho grande pelo fato de ser um samba explícito, reaproximando-nos da MPB, da qual fôramos mais próximos no primeiro disco. Numa batida de violão frenética da parte do Rodrigo, que muito assemelha-se ao estilo do grande João Bosco, a banda vai atrás com uma agressividade Rocker incrível, causando uma feliz conjunção que só os Novos Baianos sabiam fazer na década de setenta. Ivan brilha muito, fazendo uma batida de samba nervosa além do “telecoteco” básico, mas imprimindo uma pegada rocker incrível. Xando manda uma série de fantasmagorias na guitarra, tornando a canção tensa, no bom sentido, e um arranjo de teclados numa espécie de refrão foi uma sacada genial do Rodrigo. Tirou da cartola um elemento inimaginável, eu diria. Gravei com Fender Precision e ficou quase no limite da distorção, quase chegando no som do John Wetton na sua fase com o King Crimson. Gosto muito desse resultado. Letra forte, cheia de metáforas criticando a política x corrupção, e escrita muito tempo antes das manifestações de 2013, portanto, sem nenhuma sanha oportunista.
Pedra em ação no Espaço Cultural Gambalaia em 2014. Foto de Jani Santana Morales
“Mira” (Xando Zupo)
Um tema sombrio, com evocações do Jazz-Rock setentista e que exigia bastante concentração para ser executado, devido à sua complexidade instrumental. Gosto do uso do 6/8 com tantos acentos em contratempo. Guitarras nervosas, ambas, de Rodrigo e Xando. O refrão tem uma forte dose de MPB, sem dúvida. Solo esquizofrênico do Rodrigo, muito lembrando o genial Robert Fripp, embora o Rodrigo afirme que não pensou nisso e apenas improvisou um solo com carga dissonante. Sobre a letra em castellaño, já falei anteriormente. Xando deu o seu melhor, mas o sotaque foi inevitável a denunciar ser um lusófano cantando na língua hispânica, não tem jeito. Usei Fender Precision e o timbre ficou excelente e a escolha perfeita para uma música com agressividade explícita. Era difícil cantar e tocar a linha do baixo no refrão, mas eu acostumei-me e tinha prazer em fazê-lo ao vivo, pois era uma parte forte da canção.
“Os Teus Olhos” (Rodrigo Hid)
Uma delicada canção com sabor de balada dos anos sessenta, lembra muito o som do The Kinks em muitos aspectos. Tudo nela é bonito : harmonia; melodia; letra; arranjo; interpretação...uma canção irrepreensível. A parte B, com mudança radical até de andamento, lembrava-me o som mineiro do “Clube da Esquina”, mas também o “Traffic”, uma banda britânica que eu adoro desde sempre. Gravei com o Fender Jazz Bass e gosto do som grave “gordo”, com um leve estalo de médio agudo. Gosto dos contrasolos do Xando e algumas alavancadas para a região grave, sutis. Bela base do Rodrigo a fazer arpejos com simulador de caixa Leslie na guitarra e mais contrasolos muito bons do Xando além de, claro, as intervenções de saxofone do superb, André Knobl que brilham intensamente, incluso o naipe que criou uma incrível voz adicional. Gosto dos backing vocals e fico contente pela minha voz ser nítida nessa gravação. A parte final ficou com um swing incrível e aí é que mais parece o som sofisticado e “jazzy” do grande “Traffic”. Letra inspirada do Rodrigo, bem poética, parece o estilo do poeta e letrista, Fernando Brant.
Xando Zupo em ação com o Pedra, no Via Funchal de São Paulo, em 2006. Foto : Grace Lagôa
“Pra Não Voltar” (Xando Zupo)
Mais uma previamente lançada como single em 2010. Excelente composição, com forte característica de Hard-Rock. Trabalho fantástico de guitarras do Xando em todos os quesitos. Gosto muito dos backing vocals ao estilo Soul Music sessentista. Ivan arrebenta com um linha de bateria fortíssima. Gosto do interlúdio que lembra bem o Led Zeppelin da fase do LP “Presence”. Solo épico do Xando ao final. Aqui, criei uma linha bastante agressiva, e o Fender Precision ficou ideal para imprimir tal linha. Acho o vocal solo do Xando muito gritado, mas ele tinha os seus motivos para ter criado uma interpretação desse jeito.
“Luz da Nova Canção” (Rodrigo Hid / Cezar de Mercês)
Uma das mais belas canções do álbum, senão a mais bela e indo além, uma das melhores criações da carreira do Rodrigo Hid em sua trajetória inteira até aqui (ele vai criar outras tão boas quanto, eu tenho certeza, no futuro...). Tudo aqui é belo ao extremo. Um blues / R’n’B ao estilo dos anos cinquenta / sessenta, parece canção composta pelo Ray Charles, de tão linda que ficou. Melodia e harmonia incríveis, tem na letra, escrita pelo mestre Cezar de Mercês, um outro trunfo fantástico.
“Posso ver uma pálida luz na face da escuridão, a luz da nova canção”...essa frase por si só diz tanto ao meu coração sessentista que creio dispensar explicações. Aliás, nem devo, pois a metáfora fala por si só. 

Solo incrível do Xando, bateria maravilhosa do Ivan e meu baixo soando gordo, com o Fender Jazz Bass... sou o Donald “Duck” Dunn gravando com o Otis Redding... sonho meu, hein ? E a interpretação vocal do Rodrigo é tão esfuziante que arranca lágrimas. Parece o Paul McCartney cantando “Oh Darling”, tirando sua voz das entranhas. Destaco também a intervenção de metais (André Knobl e Paulo Roberto Pizzulin), comandados pelo fantástico André Knobl, um saxofonista da pesada.Pedra no Via Funchal em 2006, Luiz Domingues no destaque e Rodrigo Hid no canto esquerdo, aos teclados e cantando solo

“Segunda-Feira” (Xando Zupo)

Também já falei dessa canção anteriormente na narrativa. Acrescento, que o arranjo é muito bom, cheio de nuances. Guitarras com muitos efeitos bem escolhidos; som de teclados, idem. Gosto das partes cantadas em duo entre Hid e Zupo, bem concatenadas. Usei Fender Precision e um certo clima do Berry Oakley baixou-me, embora a canção esteja mais para o R’n’B “modernoso” do “Jamiroquai” do que para o “Southern Rock” dos “Allman Brothers”, mas caiu bem a meu ver.


“Abstrato Concreto” (Luiz Domingues / Rodrigo Hid / Tufi Hid)

Já falei bastante sobre essa canção que remonta ao capítulo do “Sidharta”. Cabe acrescentar aqui que ela começa num “fade in apodrecido” para aludir ao som dos radinhos de pilha e “abre”, clareando com a música em curso. Gosto imensamente dessa solução que o Rodrigo achou para rearranjá-la evocando o R’n’B sessentista clássico, lembrando demais o som de “Joe Cocker”; “Leon Russell”; “Stone the Crows” etc etc. Piano ultra swingado ao estilo do Chris Stainton, sem dúvida. Gosto muito dos desenhos de contrasolos criados pelo Xando. Bateria no swing junto com o baixo e o meu Fender Jazz Bass ficou com timbre excelente, até mesmo com um estalo de médio-grave a mais da conta.
“Cuide-se Bem” (Guilherme Arantes)
Outra já amplamente comentada anteriormente. Bem, essa gravação ficou bastante enriquecida pelo arranjo. Piano e Hammond muito bem colocados, baixo bem alinhavado com a bateria. Usei Fender Precision e ficou com um belo peso. Destaque para o solos do Xando, ambos excepcionais e que ficaram muito marcantes para esta versão. Lembra o “Led Zeppelin” em “In my Time of Dying” com toda a pompa e circunstância. Backing vocals emocionantes ao final, só seguindo a beleza melódica criada pelo mestre Arantes.
Xando Zupo em foto informal no dia das filmagens do Vídeo Clip de "Sou Mais Feliz", em 2006. Foto : Grace Lagôa

Em julho, o Xando lançou o disco “Fuzuê” em sua forma digital, com ilustração de capa virtual assinada pelo Diogo Oliveira, seguindo o padrão das ilustrações que fizera em 2014, para lançar os quatro singles. O disco saiu sem as músicas que o Rodrigo havia mixado no estúdio Curumim, contando com os préstimos do Carlito Perren, produtor argentino. Xando mostrara-nos na reunião de junho que as mixagens feitas nessa circunstância excepcional, haviam destoado das demais feitas no Overdrive por ele mesmo, portanto, realmente ficaram sem condições de figurarem juntas. Mas havia um outro componente nessa história, que foi a contrariedade dele para com as canções em si, e podemos acrescentar o Hard-Rock "Ultrapasso", nesse rol de preteridas. Paciência, espero que o Xando lance "Ultrapasso" um dia, mesmo que descarte a minha letra, e o vocal do Rodrigo, por conseguinte. E espero que o Rodrigo lance as quatro músicas que ficaram sob sua responsabilidade para mixar, num eventual disco solo, mesmo que descarte a gravação do Pedra e grave-as novamente com outros músicos. Mas sinceramente, gostaria que as cinco canções citadas fossem lançadas com o baixo que gravei.
Havia uma data em agosto de 2015, fechada para o Pedra no Café Teatro Piu Piu, e o Xando queria fazer dela a despedida oficial da formação e lançamento do disco, com direito a filmagem. Aprovamos a ideia e comprometemo-nos todos a cumpri-la. Mas quando aproximava-se a data e os ensaios precisavam ser marcados, o Rodrigo comunicou-nos que seu pai sofreria uma cirurgia, e sua recuperação ocorreria em sua casa, com ele mesmo assumindo os cuidados para com ele, Tufi Hid. Mesmo assim, a data estava de pé, mas com o cancelamento de ensaios por conta dessa dificuldade familiar que ele enfrentaria, chegou num ponto onde só haveriam dois ensaios, e talvez na prática só houvesse um. Mesmo com todos prontificando-se a relembrarem as músicas, fazendo a "lição de casa", um ensaio só seria totalmente inconveniente e assim, a data foi cancelada. 

Em janeiro de 2016, o Xando anunciou o lançamento de duas músicas em caráter solo e o fim oficial do Pedra, simultaneamente. Logo em seguida a essa comunicação de disco e fim da formação, o jornalista Dum de Lucca lançou matéria sobre tais fatos. Vi que teve bastante repercussão no Blog em si, nas Redes Sociais e o Dum mostrou-se curioso sobre o porquê do fim da formação ao especular briga entre os membros. Preferi não manifestar-me para não causar mais celeuma, e o tempo tratou de ir apaziguando os ânimos mais acirrados. Se um dia ele perguntar-me, eu respondo tranquilamente que não houve briga alguma, apesar de haver muitas divergências de mentalidade entre os ex-componentes (nota em adendo : infelizmente receio que tal pergunta jamais será formulada pelo referido jornalista, pois Dum de Lucca infelizmente deixou-nos ao final de 2015, após sofrer um mal estar muito grande, decorrente de um câncer ultra agressivo que surpreendeu-o, sem chance de reversão da parte dos médicos que assistiram-no. Lastimo muito, pois era um ótimo jornalista / crítico musical e pessoa do bem).
Eis o Link da entrevista :
http://www.dumjukebox.com.br/?p=2530

Assim foi o final da minha história com o Pedra, e alguns meses depois, o final oficial da própria banda, desta vez, definitivamente. 

Luiz Domingues no destaque, Ivan Scartezini ao fundo. Pedra no Sesc Belenzinho, em fevereiro de 2013. Foto : Leandro Almeida

No próximo capítulo, as considerações finais e agradecimentos.

Continua... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário