Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Língua de Trapo - Capítulo 7 - Vendo de Fora, o Sucesso dos Amigos - Por Luiz Domingues

                                   Ilustração de Rê Galvão


Fiquei sabendo que o guitarrista carioca Sergio Gama, entrou na banda, e uma nova cozinha foi instalada, com Luiz "Risada" Lucas no baixo; e Ademir Urbina, na bateria (esse último, baterista da banda de covers, "Áries", famosa na noite paulistana, e concorrente do "Terra no Asfalto", no mesmo circuito de casas noturnas). Nos teclados, saiu Celso Mojola, e entrou João Lucas, irmão do baixista Luiz Lucas. 
Com esse novo time, e Fernando Marconi fixando-se na percussão, o Língua começou sua trajetória meteórica de ascensão. Assisti de longe o sucesso deles, e sem saber que encontrar-nos-íamos de novo em setembro de 1983...



Mas esses sinais de que o Língua estava ascendendo, só foram tomar grande proporção mesmo, no ano de 1982, quando a ditadura militar começou a afrouxar, e permitiu a primeira eleição de governadores, após muitos anos de nomeações de governadores biônicos, verdadeiros fantoches dos militares. Com isso, o Língua que estava forte no circuito de shows universitários, teve o seu grande impulso, quando tocou em inúmeros comícios do PT, apoiando o sindicalista Luis Ignácio "Lula" da Silva, ao governo do estado de São Paulo. 



Chegaram a tocar para públicos gigantescos e aliado a isso, haviam enturmado-se com o pessoal daquela cena conhecida como "Vanguarda Paulista". Estavam contratados pelo selo Lira Paulistana, e lançaram o primeiro LP, que foi um estouro de crítica e vendas. Lógico que eu enchia-me de orgulho por ver meus amigos subindo como um rojão, e é natural que eu sentisse que deveria estar junto, mas por outro lado, em 1982, minha animação era tão grande com a formação da "A Chave do Sol", que isso amortizava em muito esse sentimento, não de arrependimento, mas de uma certa frustração por não estar mais na banda.

Lembro-me de ter ido a um ensaio na casa dos irmãos Luiz e João Lucas, para assistir um ensaio deles em 1982. Curiosamente, eles moravam na Rua Gomes de Carvalho, na Vila Olímpia, zona sul de São Paulo e digo curioso, porque morei anos numa rua paralela próxima (na Rua Quatá, entre o final de 1967, e início de 1971), e estudei a vida toda, praticamente, no colégio estadual do bairro, onde nessa mesma rua, Gomes de Carvalho, conheci o Laert, seis anos antes (1976), época do início de nossa primeira banda, o Boca do Céu...
Nesse ensaio do Língua em que compareci como convidado, Pituco Freitas; Lizoel Costa; Guca Domenico e Laert Sarrumor, membros do "meu tempo" (o Fernando Marconi, percussionista, também), contaram-me animadamente muitas novidades ótimas sobre a banda. Fiquei muito contente com as novas. Eram muito animadoras, mesmo.
E cheguei a tocar um pouco, usando o baixo do Luiz Lucas, um exótico Gibson Les Paul. Luiz e João, os irmãos, haviam tocado muitos anos acompanhando Ronnie Von e tinham histórias para contar. Mas apesar do clima amistoso, eu só fui visitá-los nesse único ensaio, na casa dos irmãos na Vila Olímpia, por uma questão de falta de oportunidade somente, depois que deixei a banda.
E lembro-me de ter falado com o Pituco ao telefone uma vez, quando ele contou-me que estavam começando a gravar o primeiro LP, no estúdio do Tico Terpins, ex-baixista do Joelho de Porco.
Fiquei muito feliz por saber disso, pois como convivi bastante com o Laert desde 1976, sabia muito bem o quanto o Joelho de Porco influenciara-o, e Tico Terpins era um artista que ele admirava nos anos setenta, exatamente pela veia debochada que tinha em cena, e a questão do humor sempre foi importante para o jovem Laert Julio, mesmo antes dele tornar-se "Sarrumor".
Nesse telefonema, o Pituco estava eufórico, e contou-me vários detalhes da gravação. Haviam músicas novas, mas o grosso do material era o que eu costumava tocar quando era membro da banda, forjado naqueles anos iniciais, entre 1979 e 1981. Claro, fica a ressalva de que eu quase não participei em 1981, e só marco a data pelo fato de ter feito uma última apresentação como membro da banda, em janeiro desse ano. 

Continua...   

Nenhum comentário:

Postar um comentário