Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Língua de Trapo - Capítulo 3 - Entrando no Circuito Universitário - Por Luiz Domingues



Agora, nos festivais de MPB, as coisas aconteciam de forma bem mais profissional no tocante ao equipamento. Lembro-me de um festival desses, realizado no Sesc Bauru, onde aconteceu o primeiro sinal de que o Língua faria grande sucesso. Isso ocorreu no final de maio de 1980. Ainda não éramos oficialmente o "Língua de Trapo", e nesses festivais apresentávamo-nos a defender as músicas do Laert; Guca Domenico ou do Carlos Melo, geralmente, e a usar a alcunha de "Laert Sarrumor e seus Cúmplices", as vezes, mas não necessariamente como uma banda estabelecida, pelo menos nesses primeiros meses. Defenderíamos três músicas nesse festival de Bauru : "Teologia do Sambão"; "Tragédia Gramatical" e "A Vingança do Hipocondríaco". Eram músicas do Laert; Carlos, e Guca. 
Material impresso, distribuído ao público no Festival de Bauru, para acompanhar as letras e com cartuns elucidativos sobre o teor delas 

Em "Teologia do Sambão", tocávamos um “Sambão Jóia”, meio na onda dos “Originais do Samba” e a letra do Carlos era muito espirituosa, a tecer uma sátira à vinda do Papa João Paulo II ao Brasil (notícia forte em 1980), em contraponto com a ridícula ação do governador de São Paulo, Paulo Maluf, em torno da aventura da "Paulipetro". No auge da música que foi cantada pelo Laert, o Carlos Melo aparecia fantasiado como Paulo Maluf, com um óculos fundo de garrafa e a música foi interrompida. Ele fez um discurso ridículo, a imitar com perfeição o governador biônico de São Paulo e o público ovacionou a música.       

                               Carlos Melo, em foto bem mais atual 

Foi um sucesso a performance. E na outra música,"Tragédia Gramatical", outro fenômeno aconteceu. Essa música tratava-se de um bolero todo cheio de estranhas quebradas rítmicas, influência do Arrigo Barnabé, que era a última moda em 1980. A letra fazia um jogo de palavras em cima dessa quebradeira. Tratou-se de uma piada sutil, mas algo extraordinário ocorreu, por conta de um improviso do Pituco Freitas, nosso vocalista. 
Foto rara do Festival de MPB de Bauru / 1980, com Laert Sarrumor; Carlos Melo, e Guca Domenico a tocar instrumentos de percussão, durante a música, "Tragédia Gramatical".

Ele ficou muito nervoso, pois havia ali pelo menos cinco mil pessoas e naquele clima de festival, com vaias misturadas a aplausos, torcidas organizadas de uma ou outra música etc. E sendo assim, estava muito tenso, pois estávamos acostumados a tocar para plateias com duzentas pessoas, no máximo, até então. Como a música começava sem sua presença no palco, ele tinha uns segundos para concentrar-se. Nos ensaios, não havíamos combinado nenhuma performance extraordinária. 
O compositor avantgarde, Arrigo Barnabé, que estava em alta voga naquele momento entre o final da década de setenta e começo de década de oitenta 

Mas por conta do nervosismo, quando ele entrou em cena, a aproveitar aquele ritmo todo fracionado a la Arrigo Barnabé, imprimiu uma exótica coreografia improvisada, cheia de lascividade. Então imagine um mestiço de japonês e italiano, alto e forte, trajado de uma forma tradicional, mas a entrar em cena com uma dança completamente inusitada...

Eu nunca havia visto uma reação espontânea em uníssono do público, a não ser na explosão de torcidas nos estádios, a comemorar o gol de seu time. 
Pituco em ação no Festival de Bauru. Eu apareço ao fundo, em uma rara foto a tocar com meu baixo, Giannini, modelo RK. O baterista, Fernando Marconi, está encoberto, e essa garota não era da nossa banda, mas tratava-se de uma concorrente do Festival, que animou-se e foi participar voluntariamente, quando tocamos novamente para celebrar o prêmio pela "aclamação popular", que recebemos do júri.
 
Ele entrou no palco e daquele jeito, a reação da parte de cinco mil pessoas em uníssono ocorreu, sob uma ovação incrível. A música classificou-se para a final e nos bastidores ouvíamos rumores que ela havia recebido o apelido de, "melô do japonês gay"... não tinha nada a ver, claro, e comentários assim mais pareciam despeitados, visto que a maioria dos nossos concorrentes tinham performances discretíssimas, sem nenhuma distinção especial. 
Laert Sarrumor; Carlos Melo, e Guca Domenico caprichando nos Backing vocals de : "Tragédia Gramatical".
 
Na final, nem ela, "Tragédia Gramatical", nem "Teologia do Sambão" ganharam prêmios, mas o júri decidiu dar-nos uma menção honrosa como melhor performance e aclamação popular. Já a música do Carlos Melo, "A Vingança do Hipocondríaco", apesar de ser muito engraçada (era um samba de breque, a la Moreira da Silva), pois arrolava nomes enormes de remédios impronunciáveis, não havia classificado-se para a final.

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário