Pesquisar este blog

domingo, 1 de março de 2015

Trabalhos Avulsos - Capítulo 11 - Lily Alcalay : a MPB Sofisticada de uma Batalhadora - Por Luiz Domingues

Mais ou menos em março de 1982, paralelo ao final decadente do Terra no Asfalto, o meu amigo Cido Trindade convidou-me para mais um trabalho. Ele conheceu uma compositora chamada Lily Alcalay, que tinha um repertório de composições com forte acento MPB, e com bastante sofisticação jazzística.
Ela tocava bem violão, e tinha uma boa voz, o suficiente para conduzir o trabalho com bastante desenvoltura, sem que isso significasse algum malabarismo vocal extra. Era comedida, mas suficiente para a sua proposta artística. Começamos a ensaiar na casa do Cido, meu vizinho de bairro à época, no Tatuapé, zona leste de São Paulo.

A Lily era uma pessoa centrada, com uma boa visão do que desejava na vida, e pé no chão. Tinha o sonho de ter um suporte de gravadora e empresário, claro, mas sabia que precisava "ralar" muito, sem ilusões. Então começamos a ensaiar, focado nas oportunidades que ela arrumaria, e sabíamos que não seriam nada glamorosas. Talvez apresentações intimistas em casas noturnas de pequeno porte, e festivais de MPB, num primeiro instante.
Fizemos um primeiro show num auditório bom, superando as expectativas iniciais, contudo. Foi no auditório da Faculdade Fiam, no campus do Morumbi, zona sul de São Paulo, em 1° de setembro de 1982. Eu já estava envolvido com "A Chave do Sol" em seus momentos iniciais, e às vésperas da estreia oficial da banda em 25 de setembro de 1982.

O auditório citado da Faculdade Fiam, mas claro, numa foto a esmo extraída da Internet, e não do show que descrevo, certamente 

O show foi bacana, correto e simples na sua proposta intimista. Eu e Cido Trindade bem comedidos, e fazendo dinâmicas bem acentuadas para não atrapalhar a delicadeza harmônica do violão e voz dela. Infelizmente, foram poucas pessoas para assistir.
Num Teatro com cerca de 300 lugares, apenas 25 pessoas ocuparam poltronas. Parentes e amigos da Lily, basicamente, como seria de esperar-se para uma artista iniciante. Mas existe um componente exótico nessa história da Lily. Na verdade, havia um terceiro músico envolvido nessa banda de apoio. Ele estava ensaiando conosco desde abril de 1982, mais ou menos, mas não participou do show, por um motivo triste, que acomete muitos músicos, e que contarei logo mais.


Então, vou identificar esse músico apenas pela inicial, pois internet é pública, e não pretendo constrangê-lo, ainda que os fatos que conto, sejam verdadeiros e indo além, na prática, não tenha contato direto e nem mesmo indireto com ele desde então e ainda que os fatos que conto, sejam verdadeiros, e nesta altura, remotos.
Esse músico, chamado "J", era um guitarrista de sólida formação jazzística. Como era filho de um casal de professores de música, e donos de um conservatório musical tradicional na zona oeste de São Paulo, "J" estudou com afinco desde a infância, e em 1982, na faixa de vinte anos de idade, tocava guitarra com um técnica muito grande, e conhecimento teórico / harmônico para dar e vender.

Com ele, o som crescia muito, pois inseria acordes complementares, enriquecendo ainda mais a já sofisticada harmonização de Lily Alcalay, fora solos & contra-solos, desenhos rítmicos enriquecedores etc. Ele tocava com uma bela guitarra Gibson ES-335, bem adequada para esse espectro de intervenções jazzísticas.
Nos ensaios, desempenhava com extrema desenvoltura todos os arranjos que criou, mas havia um componente de ordem psicológica, com o qual não contávamos : ele sofria de "Stage Fright", ou seja, tinha medo de subir ao palco, e apresentar-se ao vivo, perante público. Não sabíamos disso em princípio, claro.
Nem a Lily que formulara o convite para ele adentrar a sua banda de apoio. Mas na medida em que a data foi aproximando-se, vimos que seu comportamento foi mudando.

E quando chegou a semana do show, ele estava apavorado praticamente, e dando mil desculpas esfarrapadas, queria adiar a apresentação, o que obviamente a Lily recusou-se a fazer.
Então, às vésperas, e sem a possibilidade de arrumarmos substituto em tempo hábil, decidimos tocar em trio mesmo, empobrecendo bastante o trabalho dela.

Um novo show estava marcado para alguns dias depois, e num teatro maior. A Lily intimou-o a participar, sob risco de ser retirado da banda. Para amenizar, ele trouxe um quarto componente para somar, um saxofonista chamado Anselmo, que era altíssimo (falo de estatura física mesmo), e jogava basquete no clube Sírio.

Dessa forma, chegou a data desse segundo show, e o guitarrista "J", tocou, mas não sei dizer se foi pior o conserto (com "S", mesmo ), que o soneto...

Sem escapatória, o guitarrista "J" teve que apresentar-se nesse segundo show.
                      Renato Consorte Filho, em foto bem mais atual

Mas vendo a sua situação efêmera dentro da banda, a Lily já havia aceitado a ideia do Cido, de ter uma segunda opção engatilhada na manga, que era o guitarrista Renato Consorte Filho, com o qual havíamos (eu e Cido Trindade), tocado no projeto natimorto "Jungô", que tivemos em 1980, e que já mencionei anteriormente.
Assim, o Renato Consorte Filho foi convidado a ir ao show, e ficou até de prontidão para entrar emergencialmente se a situação degringolasse...
O show ocorreu, dois dias antes da estreia oficial da "Chave do Sol". Nessa altura, eu também já havia avisado a Lily que minha prioridade era a "Chave do Sol", e ela, mesmo chateada, teve que conformar-se com o fato, mesmo porque, não tinha cacife para manter-me, pois sua agenda parava por aí, e só havia a perspectiva de um festival a seguir.

Então, foi realizado no dia 23 de setembro de 1982, uma quinta-feira, no Teatro "Tuquinha", um auditório anexo ao Tuca, da PUC. Era apelidado "Tuquinha" por ser menor, evidentemente.
Com um público bem maior que o do show anterior (100 pessoas), mas ainda não conseguindo lotar o teatro, o show foi tenso, infelizmente, e só não foi um desastre total, porque eu; Cido, e o saxofonista Anselmo, não deixamos arruinar-se por completo, desestabilizando a performance da Lily. E o que ocorreu ?
O guitarrista "J" teve um ataque de pânico. Minutos antes de entrar em cena, teve uma crise de nervosismo, porque não sabia ligar o seu amplificador, e desesperado, saiu para a rua. Alguém foi buscá-lo, e achou-o bebendo num boteco, nas proximidades.
Mais encorajado pela falsa segurança ofertada pela bebida, acatou o pedido de voltar e tocar.

Sua performance foi um desastre. Bêbado e nervoso, errava miseravelmente acordes e deixava de fazer vários solos importantes com os quais contávamos. Se não fosse o Anselmo improvisando no Sax, teria sido ainda pior. Isso sem contar que minutos antes de entrar em cena, ele vomitava no camarim... o nervosismo, e a falta de costume com o álcool só fez piorar o seu pânico...

Nem é preciso dizer que a Lily ficou furiosa, e dispensou o guitarrista "J" no camarim, após o show. O Renato Consorte Filho absteve-se de comentar sobre o "J", elegantemente, e limitou-se a aceitar o convite, tornando-se o novo guitarrista da banda de apoio dela, doravante. Esse show ocorreu no dia 23 de setembro de 1982, uma quinta-feira.
Nunca mais tive notícias do guitarrista "J". Mas lembrei-me dele diversas vezes, pois esse caso foi citado muitas vezes na minha sala de aulas. Sempre que queria enfatizar a importância de tocar-se ao vivo, num equilíbrio com os estudos, eu citava o "J" como exemplo.

Deixava claro aos alunos, que só estudar, não bastava. Músico "virtuose de quartinho", que não sobe no palco, fica prejudicado no seu desenvolvimento artístico. Toca e conhece muito, mas na "hora H", falha miseravelmente, como um principiante.
E quanto ao trabalho da Lily Alcalay, ainda fiz uma última apresentação com ela, pois não haveria tempo para arrumar um substituto. Era na verdade um Festival de MPB universitário, da PUC. A Lily defendeu uma música numa eliminatória, que foi realizada no Tuquinha. Isso ocorreu no dia 19 de outubro de 1982.

Nesse dia, acompanharam-na : eu (Luiz Domingues); Cido Trindade, e Renato Consorte Filho. O saxofonista Anselmo não esteve presente. A música defendida chamava-se "Cadamanhã" (tudo junto, de propósito), que aliás, era o nome do show que realizamos duas vezes, anteriormente. Foi uma boa performance, e a música classificou-se. Mas eu não participei da final. 
Para encerrar, soube que o Renato Consorte Filho tornou-se doravante fiel escudeiro dela, dando-se bem, e ficando no projeto por mais tempo. O Cido Trindade pulou fora a seguir, também.

Alguns anos depois, ouvi uma notícia mal contada que a Lily havia falecido, não era uma notícia oficial, mas sim um boato.
Era bacana o som dela. Para o leitor situar-se, eu diria que lembrava o trabalho de cantoras como Joyce; Jane Duboc, e Olivia Byington, e com harmonizações jazzísticas a la Djavan, um compositor que era moda no início dos anos oitenta, ao lado do Gonzaguinha. E assim foi esse trabalho meu na banda de Lily Alcalay. Apenas três apresentações, mas com histórias.


Encontrei uma matéria cujo link está abaixo, e que fala sobre a carreira legal que ela construiu ao longo desses anos todos. Eis o Link :
http://umquetenha.org/uqt/?p=9523
 
Ela fez bastante shows, gravou um CD em 2002, teve músicas em trilhas de espetáculos de dança, e venceu vários festivais. Radicou-se em Fortaleza, onde angariou muitas simpatias. Pelo que li, era uma artista respeitada na cena do Ceará. Infelizmente, ela deixou-nos em fevereiro de 2003, vencida pelo câncer, confirmando a notícia que eu recebera, mas não tinha a certeza.
O próximo trabalho avulso que fiz, foi ainda em 1982, um pouco antes do início das atividades da Chave do Sol. Foi uma noite regada a improvisos, onde até bateria toquei, com dois freaks argentinos...

Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário