Pesquisar este blog

domingo, 1 de março de 2015

Trabalhos Avulsos - Capítulo 20 - Aura (Produção de Estúdio) : Uma Banda da Qual Orgulhei-me por Ter Ajudado ! - Por Luiz Domingues,

Sem dúvida alguma, o segundo semestre de 1990, ocorreu-me com agenda lotada, conforme estou a descrever. Além de ter sido um período onde acumulei três projetos, ao dividir-me em ensaios distintos ("Lynx", do guitarrista, Flávio Gutok; "Pinha's Band", e "Projeto Rock'n'Roll", do guitarrista, Luiz Fernando), recebi também um convite muito bom para auxiliar na produção de uma banda de um aluno meu, que entraria em estúdio para gravar uma fita demo. Ainda ao final de 1990, tive mais dois convites, que logo mais revelarei, também, mas nessas duas ocorrências adicionais, como músico.


O caso desse convite para atuar como produtor, foi o seguinte : eu tinha um aluno chamado, Marcelo Dias, que era da minha primeira turma de alunos, surgida entre 1987 e 1988. Ele era apelidado como Marcelinho "Carioca", por ser natural do estado do Rio (era de Volta Redonda, no interior), portanto, deveria ser "Marcelinho fluminense", mas enfim, Marcelinho "Carioca" era um excelente aluno, e pessoa de um caráter fantástico, um tremendo músico, cheio de sonhos com a carreira que queria construir etc e tal.



Em 1988, ele comunicou-me que sua banda, chamada "Êxito", teria agendado uma data no Teatro Elis Regina, na cidade de São Bernardo do Campo, no ABC. Ele era radicado desde criança naquela cidade, e a banda era formada também por colegas que moravam lá. O som do "Êxito", era um Hard-Rock pesado. Tinham muita influência setentista, mas o som não era explicitamente retrô.
Porém, era bem tocado, pois além dele ser um excelente baixista, e um dos meus melhores alunos à época, os outros músicos eram do mesmo nível. Mas evidentemente, por não serem conhecidos ainda, de nada adiantava-lhes ter a data no teatro, pois não tinham perspectivas de arregimentar um grande público, isoladamente. 


"A Chave" (sem Sol...), na formação 1988 / 1989, e que apresentou-se com o "Êxito", no Teatro Elis Regina de São Bernardo do Campo / SP, em agosto de 1989




Diante disso, propuseram-me que "A Chave" (naquela fase sem o Sol...), fosse headliner, com o "Êxito" a executar a abertura, e nós ficaríamos com a maior porcentagem da bilheteria. Foi certamente um convite irrecusável. Apesar de ser uma fase terminal da banda, nós fizemos o show, e foi um sucesso de público, o que proporcionou uma excelente renda, e o "Êxito" saiu recompensado por tocar em um teatro lotado.


Após algum tempo, o Marcelinho disse-me que a banda estava por ser reformulada, e o vocalista Fernando Nova (na foto ao lado, e que culminou a ficar famoso no meio Hard-Rock paulista, nos anos 1990, por outros trabalhos posteriores em que participou), havia saído, e com ele fora, estavam a mudar o novo trabalho autoral, baseado em 100% no Rock Progressivo setentista. Mais ou menos em julho de 1990, convidaram-me a produzir uma demo que gravariam em um estúdio de Santo André, cidade vizinha à São Bernardo do Campo. Para tanto, disse-lhes que aceitava, claro, e pedi para assistir um ensaio e conhecer as músicas. 


Fui então assistir um ensaio deles na casa do baterista, Fernando Loia, em São Bernardo do Campo. Fiquei encantado com o som que estavam a praticar. Era puro Prog-Rock setentista, com músicas longas, cheias com climas incríveis, diversas convenções complexas, suítes, vocalizações, e com os instrumentistas a realizar arranjos individuais muito elaborados, bem na tradição desse gênero. Aquilo vinha de encontro às minhas epifanias, que haviam começado a retumbar fortemente dentro de minha percepção, desde meados de 1988, e que acompanhar-me-iam na década de noventa inteira, a culminar no projeto Sidharta, e na sua fusão com A Patrulha do Espaço, mas essa história em particular, é contada nos capítulos dessas duas bandas, certamente. Essa visita ocorreu em um domingo, e havia muitas pessoas presentes. Parentes e amigos dos membros da banda, lotavam a garagem aberta, que despertava também a atenção de vizinhos e transeuntes. De certa forma, lembrou-me os ensaios da minha primeira banda, o "Boca do Céu", em 1977, quando eram realizados na minha residência e tornaram-se, verdadeiros happenings hippies, conforme já descrevi nos capítulos daquela banda. 



E para descontrair, além das músicas que pretendiam gravar, tocaram vários clássicos do Rock Progressivo, incluso uma versão de "Firth or Fifth", do Genesis, que chegou a impressionar-me, pela perfeição, e não importou-me em nada o fato do equipamento do qual dispunham, ser precário. Fiquei muito entusiasmado pelo nível da banda, que ao executar Rock Progressivo, era muito melhor que a formação Hard, mezzo oitentista, que eu conhecera em 1989, como : Êxito". E assim, ficou estabelecido que encontrar-nos-íamos no estúdio, em uma segunda-feira, às 20:00 horas. Seriam cinco sessões de quatro horas para gravar e mixar o material todo. Para um padrão de Demo-Tape, apenas razoável, mas teríamos que cumprir o horário, pois era a quantidade de sessões que o bolso deles permitia.



Então, entre os dias 16 e 20 de julho de 1990, estive com os meninos do Aura, diariamente no estúdio "Phonovox", situado no elegante bairro Jardim, da cidade de Santo André. Esse estúdio encontrava-se na rua paralela de onde localizava-se outro estúdio muito mais categorizado na época, chamado : "Camerati". Coincidência pura, dez anos depois, eu estaria no Camerati, para gravar o álbum, "Chronophagia", da Patrulha do Espaço.


        O tecladista, Mauro Cannalonga, em foto bem mais atual.



O Phonovox trabalhava com oito canais, e era um bom estúdio para bandas iniciantes e descapitalizadas gravar fitas Demo de qualidade razoável. O técnico / dono, chamava-se, Zé Renato, e era bastante competente e objetivo, conhecia bem o seu equipamento e a sala de gravação, por saber extrair o máximo de qualidade possível. O Aura estava bem ensaiado, e os rapazes super motivados, portanto, foi um prazer acompanhar as gravações e poder dar a minha colaboração, mesmo não sendo um "expert" com conhecimentos de áudio o suficiente para ser conclamado como um "produtor", propriamente dito.



Levei um amigo para acompanhar, e ser uma espécie de assistente de produção. Meu amigo, José Fazano, esteve comigo em todos os dias no Phonovox. Ele tinha muito menos experiência do que eu, mas como gostava muito do som do Aura, pois conhecia o Marcelinho Carioca ao frequentar as minhas aulas, conhecia o Êxito" e sua metamorfose em "Aura". O Zé Fazano acabou sendo útil, com opiniões boas durante o processo. A gravação foi no ritmo de demo, com a base sendo gravada ao vivo, sem muitas tomadas. A sorte é que os rapazes eram competentes e sérios, portanto estavam muito bem ensaiados e cônscios de que não poderiam desperdiçar tempo nesse processo. Ao tocar com muita atenção, foram objetivos, e terminaram rápido as bases.


            O baterista, Fernando Loia, em foto bem mais atual




O mesmo processo repetiu-se nas sessões de overdubs de solos de guitarra e teclados, e posteriormente com os vocais. A mixagem também foi tranquila, com o Zé Renato sendo muito solícito nos meus pedidos para equalizar e timbrar. Os meninos saíram satisfeitos com o produto final, e para uma demo-tape, com pouca condição financeira, o resultado ficou bom. Com essa Demo-Tape, conseguiram abrir as portas que esperavam, pois no ano seguinte, já estavam a seguir o caminho para gravar um LP, desta feita ao mudar o nome da banda para, "Via Lumini", como ficaram mais conhecidos entre o público progger, nos anos noventa.




A formação do Aura nessa demo foi : 



Marcelo "Carioca" Dias - Baixo e vocal

Fernando Loia - Bateria

Cézar Pacca - Guitarra

Mauro Cannalonga - Teclados

Edilson "Nenê" Rodrigues - Vocal e violão. 



As músicas da demo foram : 



Lado 1 : 



1) Gaia   

2) Poesia para gente jovem

3) Sonho Ruim (Planeta Resto) 



Lado 2 : 



1) Semente

2) Luz do Horizonte 



O vocalista, Edilson "Nenê" Rodrigues, não tinha um vocal potente. Sua emissão vocal era miúda, mais a assemelhar-se a um cantor de Bossa Nova. Contudo, sua contribuição para a banda foi enorme, com composições, letras e ideias boas de arranjo.

Segundo disseram-me, a ideia seria que atingisse um vocal ao estilo do Flávio Venturini, quase um falsete, em suas intervenções no "Terço" e "14-Bis". E além do mais, ele tocava um violão interessante, ao imprimir uma pitada MPB no trabalho, que certamente conferia ao Aura, uma particularidade a mais para ser enaltecida.


Quanto aos demais, estavam afiados, e com ótimas participações no trabalho. Tenho uma cópia desse trabalho, em fita K7, que vou digitalizar em breve. Não pretendo lançar nada no You Tube, todavia, pois trata-se de um trabalho alheio, onde minha participação foi externa. Sendo assim, não acho-me no direito de passar por cima da vontade deles, embora a banda tenha deixado de existir, há muitos anos.



Foi a primeira oportunidade que tive para atuar como produtor de um trabalho onde não estive envolvido como músico, diretamente, e diverti-me muito nessa função, fora o prazer por ver uma ótima banda jovem a dar seus primeiros passos na carreira. Por sorte, com um trabalho baseado em uma estética artística super agradável, que eu adoro, e pelo momento que fez-me um bem extraordinário, pois estava finalmente a enxergar a década de oitenta terminar, e assim, minha esperança em dias melhores para o Rock, renovar-se.


Quando o Aura fechou contrato, e foi gravar o LP como, "Via Lumini" (sob uma terceira troca de nome, portanto), sabia que procurariam um produtor profissional, com maior conhecimento de áudio etc e tal, mas tinha esperança de que chamar-me-iam para acompanhar as sessões, mesmo que na condição de um visitante, apenas. Isso não ocorreu, e confesso que fiquei um pouco chateado, mas esse melindre meu não teve razão de ser, e logo dissipou-se. Acompanhei a distância o desenvolvimento deles; algumas resenhas boas que saíram na mídia especializada; anúncios de shows, e a gravação do segundo álbum. 



Soube da mudança de vocalistas, com a entrada do excelente, João Kurk (foto acima, vocalista do Terreno Baldio) etc. 


Infelizmente, a banda lançou-se em uma época difícil, e em um país avesso ao gênero. Se estivessem na Itália ou Japão, seriam reverenciados, mas no Brasil, monoliticamente subserviente ao manifesto punk de 1977, é muito difícil vencer essa barreira. Vi pela última vez o vocalista, Edilson Rodrigues, que era extremamente inteligente e gentil, naquela época da gravação da demo. O guitarrista, Cézar Pacca, esteve em minha residência para uma visita, acompanhado de Fernando e Marcelinho, em dezembro de 1991, onde contaram-me as novidades boas sobre o rebatizado, "Via Lumini". 



O Marcelinho Carioca chegou a assistir um show da Patrulha do Espaço em 2002, em uma casa noturna em São Bernardo do Campo, e na época do Pedra, fez contato comigo, pois estava a gerir um selo próprio, e cogitou lançar um CD dessa banda. Soube que também tocava na noite, com um "Van Halen" cover.



Formação do "Irmandade do Blues", com Fernado Loia. Ele é o primeiro à esquerda, na fila mais alta 

O baterista, Fernando Loia, algum tempo depois tornou-se um músico muito requisitado no meio do Blues, e tem sido assim até hoje. Ele toca no "Irmandade do Blues" uma banda muito bem conceituada no meio do Blues brasileiro, e eu cheguei a vê-lo em ação ao ar livre, em um evento que acontecia no saguão de lounge do Centro Cultural São Paulo, chamado "Terça Blues". Costumava lotar absurdamente, e em uma dessas edições, em 1998, o vi apresentar-se. E o tecladista, Mauro Cannalonga, é muito requisitado no mundo dos covers. Toca de tudo pela noite, e principalmente em bandas tributo para grandes estrelas internacionais do Hard e Prog-Rock setentista.



Lembro-me dele a tocar com a banda cover de Deep Purple, do vocalista, Abdalla Kilsam, onde Xando Zupo e Ivan Scartezini do "Pedra", chegaram a tocar, também. Essa foi a minha participação como produtor da fita demo do Aura, pré-história do ótimo, Via Lumini.Acrescento que não pensei em tornar-me produtor, pois um produtor de verdade, precisa ter domínio completo de estúdio.



Ali eu era apenas um músico mais vivido do que eles, a ajudar. 

Mas confesso que foi uma tremenda experiência prazerosa estar envolvido como produtor de um trabalho, onde eu não estava a atuar como músico. É muito diferente você opinar quando não é a sua banda, sua música, ou seu instrumento. Essa isenção é muito interessante para buscar o melhor para a banda, sem considerar interesses pessoais. Como produtor, busca-se o melhor para a banda e não para um músico em específico, coisa comum entre egos inflados, e momento crítico, onde muitas bandas geralmente brigam e dissolvem-se. Eu teria mais duas experiências como produtor de estúdio com outras bandas, onde não fui componente, e no momento oportuno da cronologia, comentarei.



Na primeira foto, a formação clássica do "Aura", na época da gravação de sua demo. Da esquerda para a direita : Fernando Loia & Cesar Pacca (parte mais alta); Edilson "Nenê" Rodrigues; Mauro Cannalonga & Marcelo Dias na segunda fileira. Na segunda foto, um momento de estúdio com o "Aura", já rebatizado como "Via Lumini" e a gravar o seu álbum, "Voos e Sonhos" em algum momento entre 1992 e 1993. E de certa forma estive presente sim, pois emprestei o meu baixo Rickenbacker para o Marcelinho Dias gravar. Da esquerda para a direita : Edilson "Nenê Rodrigues (só pelo detalhe da cabeça e acrescento que não sei quem é o menino pequeno, visto pela cabecinha, atrás), atrás do guitarrista, Cézar Pacca (de jaqueta bege e óculos); desconheço o técnico sentado à mesa; Marcelinho Dias a usar meu baixo Rickenbacker e Fernando Loia, atrás. Primeira foto : Internet. Segunda foto : Acervo e cortesia de Marcelo Dias

O próximo capítulo dos Trabalhos Avulsos, trata de uma experiência sui generis, pois mesmo sendo avesso ao Heavy-Metal, desde sempre, fui convidado a substituir um amigo que adoecera para efetuar um show de sua banda de "Metal extremo", "Thrash-Metal" ou seja lá o que era aquele trabalho...
   
Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário